Artigo Anterior

Os destaques dos festivais feministas de Lisboa e do Porto

Agenda 21. 6. 2019

Oito filmes que colocam a mulher no centro da exploração espacial

by Radhika Seth

 

De Sigourney Weaver em Alien a Sandra Bullock em Gravity, a Vogue destaca oito filmes que colocam a mulher no centro da exploração espacial. 

Gravity ©Movie Still

Quando Neil Armstrong e Buzz Aldrin aterraram na Lua, a 20 de julho de 1969, foi um pequeno passo para o Homem, mas um salto gigante para Hollywood. Claro que a ficção científica já era um género popular, mas o marco histórico despertou ainda mais a imaginação da indústria cinematográfica, levando-a a novas alturas. O que se seguiu foi uma série de filmes passados no espaço, do primeiro episódio de Star Wars a Close Encounters of the Third Kind de Steven Spielberg. Os anos 80 e 90 ofereceram muitos outros hits do género — entre eles Flash Gordon, Apollo 13 e Armageddon — e obras cinematográficas mais recentes como First Man provam que o interesse perdura. O único senão? À semelhança da realidade, as representações cinematográficas da exploração espacial continuam a ser dominadas pelo género masculino. 

No ano em que se celebra o 50º aniversário da missão Apollo 11, a Vogue reuniu oito filmes sci-fi que colocam a mulher no centro do espaço — das obras cinematográficas que documentam os primeiros anos da corrida espacial às visões mais distópicas do futuro e aos franchises que se passam numa galáxia far, far away

Barbarella, 1968 

©Getty Images

Dos figurinos space-age de Paco Rabanne à performance campy de Jane Fonda, existem muitos elementos para serem apreciados nesta fantasia intergaláctica de Roger Vadim. O filme segue a aventureira espacial numa missão para encontrar o maléfico cientista Durand Durand e prevenir que a sua arma, a Positronic Ray, caia nas mãos erradas. Para além dos duplos sentidos e dos recursos característicos de um B-movie, Barbarella é uma raridade: uma astronauta empoderada que redefiniu o género no final dos anos 60 e abriu o caminho para que uma nova geração de mulheres conquistasse o cinema sci-fi

Alien, 1979

©Movie Still

A tenente Ellen Ripley é uma verdadeira heroína do espaço — uma guerreira decidida e implacável, capaz de aguentar a narrativa de horror de Ridley Scott. Quando um alien inflitra o veículo espacial Nostromo e ataca os astronautas abordo, é Ripley quem assume o comando da situação. No seu macacão cinzento, arma na mão, Ellen transforma-se no protótipo de estrela de filme de ação, que não olha a meios para proteger aqueles que mais ama. Interpretada por Sigourney Weaver, que regressa ao papel em Aliens, Alien 3 e Alien: Resurrection, Ellen Ripley é uma personagem com pouca (ou nenhuma) competição à altura. 

The Fifth Element, 1997 

©Movie Still

Com o seu bob tangerina e o seu bodysuit branco ao estilo bondage, a Leeloo de Mila Jovovich transformou-se numa sensação da cultura pop quando o sucesso sci-fi de Luc Besson chegou às salas de cinema, em 1997. Um humanoide capaz de destruir o mal, Leeloo escapa de um laboratório, salta de um edifício e aterra num táxi voador conduzido por Korben Dallas, um antigo soldado interpretado por Bruce Willis. Aquilo que se segue é uma aventura espacial onde o par procura pedras, cada uma delas representante de um elemento, para salvarem o planeta e derrotarem Jean-Baptiste Emanuel Zorg, interpretado por Gary Oldman. O filme pode ter deixado a crítica dividida, mas este é um clássico de culto que fica melhor com o tempo. 

Gravity, 2013 

©Movie Still

Este thriller de Alfonso Cuarón é o veículo perfeito para Sandra Bullock, que interpreta a especialista Ryan Stone. Perdida no espaço depois de uma colisão causada por um míssil russo, Stone vê o seu tempo contado e os seus recursos de oxigénio limitados, enquanto luta para alcançar a Estação Espacial Internacional. George Clooney surge no papel do astronauta veterano Matt Kowalski, mas o foco da narrativa permanece em Bullock e na sua interpretação extraordinária. Apesar da cinematografia e dos efeitos visuais, esta longa-metragem é ainda mais poderosa quando a câmara está colada ao capacete de Stone, captando o som da sua respiração, enquanto esta vê a Terra cada vez mais longe. 

Interstellar, 2014

©Movie Still

Quando as tempestades de areia e a fome ameaçam a Terra, um antigo piloto da NASA é recrutado para encontrar outros planeta habitáveis. Esse homem é Joseph Cooper, brilhantemente interpretado por Matthew McConaughey — mas o filme é apoiado por duas interpretações igualmente fortes: Jessica Chastain no papel da cientista e filha de Cooper, Murphy, e Anne Hathaway no papel da astronauta Amelia Brand. Seja a atravessar planetas congelados na esperança de encontrar vida ou a estudar a natureza dos buracos negros na Terra, este par é crucial não só para a missão, mas também para a sobrevivência da humanidade. 

Star Wars: The Force Awakens, 2015 

©Movie Still

O primeiro capítulo da terceira e última saga do franchise Star Wars é um verdadeiro filme de ação, com uma mulher no centro de tudo: a aprendiz de Jedi, Rey, interpretada por Daisy Ridley. Depois de recrutar BB-8 e roubar a Millennium Falcon, a personagem fugir de Jakku, encontrar Han Solo e lutar contra a Primeira Ordem, em nome da Resistência. No follow-up de 2017, The Last Jedi, é Rey quem convence Luke Skywalker a sair do exílio — enquanto The Rise of Skywalker, o aguardado capítulo que chegará às salas de cinema este ano, verá o final do conflito entre os Jedi e os Sith. 

Hidden Figures, 2016

©Movie Still

O drama de Theodore Melfi é uma representação importante do papel crucial que as matemáticas negras tiveram no lançamento dos astronautas para a órbita. Com Taraji P Henson no papel de Katherine Johnson, Octavia Spencer no de Dorothy Vaughan e Janelle Monáe no de Mary Jackson, este filme documenta as experiências destas personagens no Langley Research Center, um centro de investigação segregado da NASA em Virgina, à medida que lutam pela igualdade e pelo reconhecimento dos seus pares. O resultado? Um filme aclamado pela crítica, um sucesso de bilheteira, um SAG Award para Melhor Elenco e a força por detrás do programa financiado pelo estado norte-americano para mulheres que trabalham nos campos da ciência, tecnologia, engenharia e matemática, justamente chamado de #HiddenNoMore. Três anos depois do seu lançamento, o filme continua atual: neste mês de junho, a rua onde se localiza a sede da NASA em Washington DC foi renomeada para Hidden Figures Way, numa merecida homenagem ao trio. 

High Life, 2018 

©Movie Still

Os filmes sobre o espaço são, frequentemente, odes idealísticas às nossas capacidades enquanto seres humanos — mas esse não é o caso de High Life, o primeiro filme em língua inglesa de Claire Denis, que conta a história de um grupo de criminosos que viajam para um buraco negro como parte de uma experiência científica. Entre aqueles que estão a servir uma sentença de morte estão Robert Pattinson, que interpreta o papel do misterioso Monte, Mia Goth no papel da rebelde Boyse, e Juliette Binoche no papel da médica Dibs, uma personagem obsecada com a ideia de conceber uma criança a partir da inceminação artificial. O resultado é um estudo horrorífico sobre desejo, medo e redenção, com o espaço como pano de fundo. 

Artigos Relacionados

Entrevistas 21. 5. 2019

Taron Egerton explica como se transformou em Elton John

Com a estreia de Rocketman agendada para o próximo dia 30 de maio nas salas de cinema portuguesas, Taron Egerton contou-nos como é que se preparou para interpretar Elton John e ainda qual foi a peça de roupa do filme que pôde guardar.

Ler mais

Agenda 15. 2. 2019

10 documentários de Moda para ver na Netflix

Para que possa fazer uma viagem pelo mundo encantado, frenético e alucinante da indústria da Moda.

Ler mais

Entrevistas 7. 2. 2019

Olivia Colman leva-nos aos bastidores de A Favorita

No dia em que A Favorita se estreia nos cinemas, Olivia Colman (aka Rainha Anne) fala-nos sobre o filme e a sua personagem.

Ler mais

Tendências 16. 1. 2019

Mary Queen of Scots: a Beleza de época no século XXI

Dos majestosos penteados à subtileza da maquilhagem, a Vogue foi tentar perceber como podemos transportar o melhor do século XVI para o século XXI.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK