Artigo Anterior

Elle Woods: 20 anos do ícone da Moda

Roteiro 22. 7. 2021

Sente-se, relaxe e veja um #fashionfilm

by Margarida Oliveira

 

De Chanel a Maison Margiela, aguardamos sempre pelos filmes realizados por marcas de Moda, procuramos inspiração para nos vestir da mesma forma que procuramos inspiração para viver.

© S.W.A.L.K

Há entre o cinema e a Moda uma relação amorosa. A sedução teatral dos nossos atores favoritos é concretizada pelo lencinho que colocam ao pescoço num ato de mero acaso, ou pelo mero acaso de nos quererem fazer crer na personagem tão interligada com o seu próprio estilo que só de acaso este acontece. Quando vemos uma curta-metragem de Moda perguntamo-nos se aquela personagem, que corre pelas ruas de Paris ou que descansa numa villa italiana, seremos nós. Personagens fugidias, que nada devem ao real, poderemos nós (com aquelas roupas) tornar-nos em mitos contemporâneos?

Tom Ford aventurou-se no cinema com A Single Man, também as irmãs Kate e Laura Mulleavy, da Rodarte, realizaram o filme Woodshock. Designers de Moda transformam-se em designers de filmes e marcam o grande ecrã com a estética de quem dedicou a vida à escolha, combinação e manipulação de materiais. Olhamos para um editorial de Moda e no lugar de um filme vemos uma fotografia, mas a personagem, a história e o cenário foram construídos, mesmo que não tenham sido partilhados na sua totalidade. Também as passerelles são produções teatrais, das quais apenas o diálogo é retirado. Será o salto para o cinema um salto tão grande?

Com a pandemia, as marcas tiveram de adaptar a forma como apresentaram as suas coleções, lembremos o vídeo da designer Anifa Mvuemba que apresentou a sua coleção num Instagram Live em que as peças desfilavam em modelos invisíveis, mexendo-se como se num corpo pousassem, caminhando sozinhas pelo vazio escuro do desfile 3D. Mas a relação do mundo da Moda com o cinema ultrapassa a necessidade pela vontade. Vemos as marcas a escolher modelos com presença, com personalidades fortes, que representam a marca para além dos produtos, representam a atitude, e esta atitude é mais completa quando representada em vídeo do que em fotografia.

Deixamos aqui alguns fashion films que pela história e pela Moda nos inspiraram. 

Tale of a Fairy

Chanel numa luxuosa villa italiana, escrito e realizado por Karl Lagerfeld, para apresentar a Coleção Cruise 2011. Tale of a Fairy inicia o ciclo de curtas-metragens realizadas pelo designer, seguido de Reincarnation, com Cara Delevigne e Pharrel Williams a contracenar num ambiente de nobreza austríaca, e Once and Forever protagonizado por Kristen Stuart, entre muitos outros. Lagerfeld terá demonstrado o potencial das curtas-metragens na Moda, e da Moda nas curtas-metragens. Nas palavras do próprio: “É um filme sobre má gestão de dinheiro que começa com violência e termina com sentimento”.

Ouverture of Something That Never Ended

Gus Van Sant é o diretor da nova minissérie da Gucci: sete episódios de apresentação da nova coleção de Alessandro Michele. Silvia Calderoni protagoniza a série, acompanhamo-la pela sua rotina diária em Roma. A série conta com a participação de Harry Styles, Florence Welch, Jeremy O. Harris e Billie Eilish, que se movimentam no universo Gucci, sempre impecavelmente vestidos. Além da coleção Gucci estão também representados 15 designers de Moda em ascensão, criando uma comunidade Gucci de incentivo à evolução da indústria.  

Prada Candy

Três curtas-metragens de Wes Anderson e Roman Coppola, com Léa Seydoux a apresentar a nova fragrância Prada, Candy L’Eau. Candy é uma mulher moderna francesa, dividida entre dois amigos que a amam. A centralidade da personagem, com um homem em cada braço, uma história tão geométrica quanto os seus looks, vai ao encontro da estética do realizador. Wes Anderson, que desenhou o café da Fundação Prada como se de um filme seu se tratasse, não é estranho à indústria da Moda e materializa neste filme todos os nossos sonhos Prada.

Moschino Spring Summer 2021 collection

Quem não quer entrar no imaginário de Jeremy Scott? Tivemos acesso privilegiado quando, durante a pandemia, a coleção da primavera/verão de 2021 nos foi apresentada numa passerelle de marionetas. A decisão de vestir bonecas influenciou também o design da coleção, desde as cores aos elementos de uma feminilidade clássica. A Moschino tem-se vindo a afirmar, ano após ano, pela utilização de claras inspirações pop e da cultura contemporânea ocidental, mas esta coleção Jeremy Scott veste assumidamente bonecas. Não poderemos deixar de reparar nas personalidades que estiveram presentes na primeira fila, entre elas uma muito concentrada Anna Wintour.

 

S.W.A.L.K 

Há um desejo de transparência e Maison Margiela vem satisfaze-lo com uma curta-metragem que partilha o processo criativo da marca, pelos olhos de John Galiano e Nick Knight. 50 minutos de um documentário experimental, gravado segundo as normas de segurança da pandemia com câmaras GoPro, drones e até reuniões de Zoom. O trabalho de estúdio é exposto, até as inspirações plásticas de John Galiano são partilhadas no seu ecrã. O sucesso do vídeo levou já à realização de uma sequela: S.W.A.L.K. II.

 

Magnifica Opera d’Arte 

Arquitetura, luz, música, Moda, todos se constroem e ajudam a construir para promover a nova coleção de joalharia de luxo da Bvlgari. O vídeo, filmado na Galleria Vittorio Emanuele II, um dos mais icónicos espaços milaneses, apresenta-nos, entre o brilho e o design da joalharia, Inno all Gioia (em português Hino à Alegria) de Beethoven interpretado por uma orquestra clássica – assumindo a transcendência do luxo. Realizado por Tommaso Ottomano, o vídeo conta com a participação de Lily Aldrige, Vittoria Ceretti, He Cong, Blesnya Minher e Solange Smith.

Artigos Relacionados

Eventos 17. 7. 2021

Festival de Cannes 2021: todos os looks da passadeira vermelha

O glamour está de regresso à Riviera Francesa.

Ler mais

Notícias 22. 6. 2021

O que significa ser artista no século XXI?

O conceito de artista evolui com o tempo e nunca foi tão livre quanto na contemporaneidade.

Ler mais

Entrevistas 3. 5. 2021

A costume designer do filme Cruella fala sobre como transformou Emma Stone numa vilã terrível

Jenny Beavan, vencedora de dois Óscares, falou com a Vogue sobre os looks mais elaborados do filme, desde um vestido brilhante inspirado no Tree Dress, de Charles James, até à saia dramática decorada com 5.060 pétalas cosidas à mão.

Ler mais