Lifestyle   Tendências  

O bom gosto a viajar

19 Aug 2019
By José Couto Nogueira

“Viagem” é uma palavra mágica que desperta os melhores sonhos. Mas uma viagem com estilo é um sonho que os tempos se encarregam de mudar. Na época dos low cost, é possível ser tão chique como na era dos transatlânticos?

“Viagem” é uma palavra mágica que desperta os melhores sonhos. Mas uma viagem com estilo é um sonho que os tempos se encarregam de mudar. Na época dos low cost, é possível ser tão chique como na era dos transatlânticos?

Comecemos pela conclusão: sim, é possível. Ser chique, ter um gosto refinado, é atemporal. E, agora, vamos às premissas: o conceito de chiqueza muda constantemente. Antigamente (já lá vamos ao que quer dizer “antigamente”), o objetivo era a elegância. Hoje, o desejo está mais no conforto. E há razões para a mudança. Viajava-se de navio, em transatlânticos faraónicos, como o Queen Mary, o Ile de France ou o Andrea Doria, que nada têm a ver com os barcos de cruzeiro de massas onde milhares de pessoas se empacotam numa aparência de luxo pronto-a-servir. David Bowie, imprescindível quando se fala de estilo, tinha medo de voar e ia aos Estados Unidos sempre de transatlântico. Essas maravilhas dos sete mares, opulentas e caríssimas, foram envelhecendo, como as figuras superlativas que nelas viajavam, com as suas malas de porão pejadas de toilettes para os jantares, bailes de gala e passeios nos decks ao luar.

A época dos transatlânticos começou (tragicamente) com o Titanic, em 1912, e terminou discretamente na década de 1980, quando os últimos foram convertidos em museus ancorados ou levados para a sucata — sendo o mobiliário e apetrechos, feitos por artesãos, vendidos em leilão. Essa é uma parte do “antigamente”, quando 100 quilos de bagagem não constituíam qualquer problema. A outra parte, que vem até ao fim do século XX, mais ou menos, foi quando viajar de avião também significava luxo. A bagagem era mais leve — tipicamente, duas malas de porão, um nécessaire e uma pasta na cabine — e não havia bailes, mas as refeições eram em loiça de porcelana, as mantas de caxemira e o pessoal de bordo saído das páginas da Vogue e treinado na Suíça. Nos voos longos, dormia-se em cadeiras que se deitavam como camas e ia-se aos lavabos antes de aterrar, para mudar de roupa e compor a maquilhagem. Os homens usavam casaco e gravata, as senhoras mais ousadas permitiam-se um palazzo pijama. Os aeroportos, esparsos de gente, tinham confortáveis sofás para os viajantes e para quem os esperava; havia listas de passageiros para consulta e os aviões chegavam com grandes intervalos, altura em que havia alguma agitação, muitos abraços e beijos de quem não se via há muito tempo. 

Ao aeroporto de Lisboa, desenhado por Keil do Amaral, com um baixo relevo alado sobre o portal, chegava uma dúzia de aviões por dia. Tinha uma varanda sobre a pista, com serviço de bar, para as famílias mostrarem aos filhos a maravilha do Super Constelation a aterrar. Como em todos os aeroportos, havia bagageiros equipados com um enorme carrinho onde empilhavam as malas dos viajantes que, evidentemente, tinham de aparecer leves e elegantes, sem puxar ou carregar mais do que a tal pasta e o nécessaire. Para darmos uma data para o fim desta parte do “antigamente”, podemos escolher o último voo do Concorde, em 2003. O conceito de voar o mais depressa possível e com o maior conforto, que orientou a construção de vinte Concorde, tinha um custo: a viagem de Londres a Nova Iorque, ida e volta, custava 8.800 euros (a preços atuais). 

"Ficar confortável, ou “à vontade”, era o oposto de estar apresentável."

Em termos mais gerais, ou seja, da elegância em todas as ocasiões, é recente a ideia do conforto como fator determinante. Não é preciso recuar até ao final do século XIX, quando as mulheres sufocavam em espartilhos para uma cintura de vespa; o conforto entrou no vocabulário do chique numa época imprecisa, mas certamente próxima. Chanel inventou um novo estilo de mulher, sem dúvida mais confortável, mas a intenção ainda não era essa. Pelo contrário, dizia-se que ficar confortável, ou “à vontade”, era o oposto de estar apresentável. Só as classes menos finas alargavam o nó da gravata (eles) ou descalçavam os sapatos (elas) quando chegavam a casa. Só as ainda menos finas jantavam sem as mesmas roupas com que saiam à rua. “Pôr-se à vontade” era, para quem se preocupava com o estilo, recolher ao quarto. (E, mesmo aí, convinha elegância. Mas isso é outra história...) Isto aplicava-se ao dia a dia, em que as pessoas circulavam em ambientes familiares; mesmo assim, havia um esforço acrescido de se aperaltar para viajar, uma atividade rara e, obviamente, especial. 

Ora bem, aconteceram duas coisas com as viagens. Primeiro, ficaram corriqueiras. Graças à chamada “desregulamentação” das empresas aéreas e aos voos low cost, qualquer pessoa com meios relativamente modestos pode viajar frequentemente e os compromissos profissionais incluem amiúde ir e vir todos os meses, quando não semanalmente. A compartimentação das férias de trinta dias em quatro períodos de uma semana permite viajar mais vezes por ano e o turismo barato, tipo hostel, alivia as finanças. Segundo, tornaram-se desconfortáveis. Os aeroportos são um formigueiro de gente, o espaço da cadeira no avião está mais próximo dos vasos das múmias peruanas. Os lavabos são poucos para as centenas que cabem num avião desenhado não para ser rápido e confortável, mas para levar o maior número de pessoas possível. Com exceção das companhias de aviação que fazem do luxo a sua bandeira, os operadores aéreos não se preocupam com as pernas e a paciência do viajante. Estar em Paris, Nova Iorque, ou qualquer outro destino desejado pode ser um sonho, mas ir e vir tornou-se num pesadelo. Nestas circunstâncias, o conforto tornou-se num objetivo imprescindível. Toda a gente, ricos e pobres, magros e gordos, fashionistas ou desmazelados, tem de viajar o mais confortavelmente possível. 

Aqui, entra a questão do bom e do mau gosto. Ou, para a colocar de outra maneira: o que é o gosto. Uma coisa que aprendemos, ao viajar — quer seja com os joelhos no queixo, como agora, ou com água de colónia e écharpes flutuantes, como antigamente — é aceitar valores estéticos diferentes dos nossos. Ou seja, a sermos menos paroquiais, provincianos. Há estilos e há estilos, e o bom e o mau gosto são conceitos relativos. Pode viajar-se com roupa confortável e manter o estilo. Não é verdade — e gostaria de sublinhar isto em letras gordas — que haja um gosto de referência. Os americanos casam de smoking branco. As “tias” usam écharpes Hermés lançadas sobre o pescoço. Certos homens calçam mocassins com uma tira de seda tricolor, sem meias. Outros usam Doc Martens. As indianas e as minhotas adoram muito ouro. As nórdicas só usam tons pastel e saem à noite vestidas como se fossem para o escritório. O que é “bom gosto” e “mau gosto”? Estilo não é estar de acordo com nenhum padrão lá da terra onde nascemos. Estilo não é gosto, bom ou mau. Estilo é descobrir e usar naturalmente aquilo que nos fica bem. Estilo é estar confortável e agradável à vista dos outros. Estilo é difícil de definir, mas fácil de perceber. 

Voltemos às viagens, o universo deste artigo. Faça uma experiência: vá ao aeroporto e fique à frente das chegadas a ver a arca de Noé que desfila continuamente por aquela porta. Hoje em dia, 99% das pessoas que viajam fazem-no com o conforto em vista. Para não esperarem pela bagagem, preferem aquelas malas de cabine com rodas que fazem um barulho irritante na calçada portuguesa (mas isso é outro assunto). No entanto, estando confortáveis, e com poucas opções de roupa, há algumas que têm muito estilo. Não será o estilo cá da terra, mas considerar que o estilo cá da terra é a única referência é uma prova de provincianismo. É o estilo das terras deles, que, se o tiverem, é um estilo universal. Um chique, digamos assim. Está no que vestem, mas também na forma como o vestem. O bom gosto não é um padrão. O bom gosto é tirar o máximo proveito da aparência que temos, dentro dos padrões estéticos da nossa cultura. Uma mulher que viaja com umas calças confortáveis mas interessantes, com uns ténis macios mas despretensiosos, o cabelo bem cortado mas sem maquilhagem, e se move suavemente na situação áspera de viajar numa lata de sardinhas, tem estilo. Ao contrário de outra que escolheu uma saia própria para sair à noite, uns sapatos desapropriadamente sexy para a situação e uma maquilhagem de passerelle. Não há uma referência de comparação, mas há um gosto que vem da atitude e da estética, seja qual for a referência. O conforto passou a ser uma postura, não uma desculpa para o desleixo. 

Também há o contrário, evidentemente. As pessoas que confundem conforto com desmazelo. Que não percebem que o seu porte não permite certas concessões ao conforto. Numa palavra: não têm estilo. O estilo, qualquer estilo, tem de ser procurado, cultivado, levado a sério. E usado displicentemente.O estilo de viajar mudou. Mas viajar com estilo continua igual. Ou seja, o bom gosto, seja qual for a situação, é universal, eterno e resiste a todos as tentações. Uma postura divina, podemos dizer.

 

Artigo originalmente publicado na edição de agosto de 2019 da Vogue Portugal.

José Couto Nogueira By José Couto Nogueira

Relacionados


Lifestyle   Tendências  

Onde está o queer nos contos de fadas?

22 Jun 2024

Moda  

Open Call | Hide and Seek

21 Jun 2024

Atualidade   Curiosidades  

Junho, o mês do orgulho

21 Jun 2024

Moda   Compras   Tendências  

Trend Alert | Deep V

20 Jun 2024