Artigo Anterior

We got the blues for you: a história do género musical que é a base para toda a música popular e comercial

Tendências 15. 11. 2020

The Crown: o que é real na quarta temporada? A equipa de pesquisa da série conta-nos tudo

by Radhika Seth

 

Sobre o que é que a Rainha Elizabeth e o homem que invadiu o Buckingham Palace conversaram? O que é que a família real pensava sobre Margaret Thatcher? A chefe de pesquisa da série, Annie Sulzberger, e a produtora Oona O’Beirn respondem a todas as nossas perguntas sobre a quarta temporada, que se estreia já no próximo dia 15 de novembro, na Netflix.

Todas as fotografias © Netflix

O que é preciso para criar uma das séries mais ambiciosas da atualidade? Para Annie Sulzberger e Oona O’Beirn o processo começa, geralmente, um ano antes da produção. Uma vez que o período histórico da temporada é definido, começam as investigações nos arquivos, as entrevistas e a escrita de cronogramas detalhados que moldam o que vemos depois no ecrã. Para a quarta temporada do sucesso da Netflix - que se centra na década de 80 e apresenta Emma Corrin como Lady Diana Spencer e Gillian Anderson como a primeira-ministra Margaret Thatcher - a fasquia está mais alta do que nunca. 

“Fica mais difícil quanto mais nos aproximamos dos dias atuais, porque as pessoas pensam que conhecem esta era muito bem e têm opiniões fortes sobre ela”, diz O’Beirn. “Pode não haver uma verdade definitiva, mas o nosso trabalho é puxar os dois lados e entender os envolvidos.” Eles conseguiram fazer exatamente isso ao longo de 10 episódios meticulosamente elaborados, que traçam o tumultuoso casamento e separação de Charles e Diana, ver Thatcher ser eleita e destituída do cargo e encontrar a Rainha a questionar o seu compromisso com a neutralidade política.

Embora grande parte do enredo seja baseado em factos históricos, algumas linhas do tempo foram ajustadas, eventos e sequências inventadas para efeitos dramáticos. “Uma das coisas que nos irrita é quando os artigos dizem que erramos”, diz Sulzberger. “Quando nos desviamos do que aconteceu, essas são escolhas ativas e a maneira como chegamos a essas cenas é através de uma pesquisa exaustiva.”

É ainda mais frustrante quando tropeçam numa anedota incrível que não pode ser inserida na narrativa. “Houve um oficial de honra que nos disse que a Rainha gostava de assistir a Embarrassing Bodies no canal Channel 4”, ri O’Beirn. “À medida que avançamos, dizemos ao [o criador de The Crown] Peter [Morgan]:‘ Tenho uma história incrível para ti!’”, Acrescenta Sulzberger. “E ele diz,‘ Não quero saber de Embarrassing Bodies ’, e tu ficas,‘Mas por quê? É tão bom!’”

Com a chegada da quarta temporada à plataforma de streaming no próximo dia 15 de novembro,  Sulzberger e O’Beirn juntam-se a nós para uma discussão cheia de spoilers sobre os seus momentos-chave desta temporada e ainda nos ajudam a separar os factos da ficção.

Na quarta temporada, testemunhamos o momento em que Charles e Diana se conheceram, enquanto a última está fantasiada de árvore em A Midsummer Night’s Dream. Vamos saber como é que realmente se conheceram?

Oona O’Beirn: “[A fantasia] foi uma invenção de Peter [Morgan], mas veio da pesquisa que fizemos sobre o fato de que [Diana] adorava dançar e se apresentar quando era adolescente. Sabemos que ela e Charles se conheceram quando Diana tinha 16 anos, quando ele namorava [a sua irmã mais velha] Sarah [Spencer]. Foi em Althorp, a casa da família Spencer. Então, o segundo encontro deles, que temos no Badminton Horse Trials, mas que na verdade aconteceu na propriedade de [amigo de Diana, Philip de] Pass - ela mesma falou sobre isso no [documentário] Diana: In Her Own Words. Ela disse que se sentaram num fardo de feno e ela falou com ele sobre o funeral de Lord Mountbatten [o tio do pai de Charles] e como ela sentia pela perda dele. ”  

A série retrata também o relacionamento da Rainha com Margaret Thatcher como bastante tenso. Quanto sabemos realmente sobre o que pensavam uma da outra?

Annie Sulzberger: “Há uma quantidade substancial de trabalho por aí e fizemos algumas entrevistas bastante úteis com pessoas que estavam na periferia das suas esferas. Não acho que alguém poderia alegar que [o relacionamento] não era tenso.”

OO: “Nós sabemos um pouco sobre as visitas [de Thatcher] a [propriedade da rainha escocesa] Balmoral, e de todos os primeiros-ministros que foram lá, ela entrou e saiu muito rapidamente. Ela adorava trabalhar e esse tipo de feriado não combinava com ela. Ouvimos dizer que ela foi forçada a jogar jogos de salão."

Testemunhamos o assassinato de Lord Mountbatten em 1979, quando o Exército Republicano Irlandês (IRA) explodiu o seu barco de pesca. Isso aconteceu como vimos no ecrã?

OO: “Sim, é muito próximo do que realmente aconteceu. Tivemos problemas para filmar naquele dia porque o tempo estava terrível e foi difícil sair para o mar. Tivemos mais algumas cenas que não terminaram na edição final, que mostrava dois homens [do IRA] no carro com um controlo remoto. A cena parecia algo que não poderíamos deixar de fora, porque Mountbatten foi um personagem muito significativo na série, especialmente com o relacionamento próximo com Charles. ”

Numa outra cena memorável, vemos Diana a patinar pelo Palácio de Buckingham enquanto ouve a música Girls on Film dos Duran Duran. Isso aconteceu?

OO: “É verdade! [A nossa pesquisa mostrou que] ela também andou de bicicleta [dentro do palácio] na noite antes de se casar, mas não conseguimos fazer isso. É difícil de fazer em alguns dos tapetes. Acho que ela provavelmente se prendeu a partes menos interessantes do palácio, mas queríamos colocá-lo nas partes do palácio que já tínhamos visto. Isso lembra-nos que Diana tinha apenas 19 anos naquela época. ” 

Há também um episódio independente sobre o intruso do Palácio de Buckingham, Michael Fagan, que invadiu o quarto da rainha em 1982. Sabemos do que os dois realmente conversaram? 

AS: “Michael Fagan mudou a história muitas vezes. [Encontramos entrevistas] nas quais ele disse que queria que [a Rainha] entendesse o que as políticas de Thatcher estavam a fazer para a classe média. Ele disse que procurou ajuda do governo, mas não havia nenhuma. Mas a versão que ele deu à polícia quando foi preso foi que ele estava muito nervoso para dizer qualquer coisa e apenas ficou sentado ali até ser levado embora.

“Lemos mais entrevistas e tentamos juntar as peças. O que continuava a aparecer como o tópico mais comum era: ‘Sou uma pessoa comum e quero-lhe dizer como é’. Então, essa é a versão que nos sentimos confortáveis ​​em fazer. ” [Nota: Michael Fagan disse recentemente ao The Daily Telegraph que The Crown “usou muita licença artística” porque ele e a Rainha trocaram muito poucas palavras. Ele afirma que não consegue explicar porque entrou, embora estivesse frustrado com o desemprego e a separação do casamento e não concordasse com as políticas do governo de Thatcher.]

OO: “[Fagan] conseguiu ser um veículo para representar muitas pessoas neste período em que o desemprego era tão alto.”

AS: “Devemos muito a Michael Fagan porque quando tentamos incluir o público em geral na série antes, pode parecer forçado porque não é como se [a Rainha] jamais tivesse realmente interagido com essas pessoas. Tentar encontrar a ponte entre o mundo dela e o deles sempre foi difícil, mas com Fagan a entrar literalmente pela porta dela, esses mundos colidiram. ”

Num outro episódio autónomo que segue Charles e Diana na sua digressão pela Austrália em 1983. Quanto sabemos sobre o relacionamento deles naquela época?

AS: “Foi um momento decisivo no casamento deles. Há muita coisa escrita sobre isso, incluindo a própria perspectiva de Diana no livro de Andrew Morton [Diana: Her True Story - In Her Own Words], que saiu em 1992. Ela era muito natural com as pessoas e as multidões começavam a gritar por ela. [Ela e o Charles] andariam em lados separados da caminhada e qualquer um do lado [de Charles] ficaria audivelmente desapontado. Foi doloroso para ele. Em alguns aspectos, eles tinham personalidades semelhantes - ambos precisavam de incentivo, mas não podiam dar um ao outro. ” 

O sétimo episódio conta a história verídica de Nerissa e Katherine Bowes-Lyon, primas da rainha, que foram internadas secretamente num hospital para pessoas com dificuldades de aprendizagem em 1941 e depois listadas no Burke's Peerage como tendo morrido na década de 1960, quando na verdade elas ainda estavam vivas. Porque é que essa história foi importante de contar nesta temporada?

OO: "Era uma época muito diferente e esse tipo de coisas não eram incomuns, por isso era importante para mim continuar a lembrar da importância do não julgamento, mas todos ficamos chocados e devastados com essa história.”

AS: “Tivemos que tentar construir quase um diagnóstico para [as irmãs] com base em notas que não tinham sentido na terminologia médica de hoje. Tentar entender que distúrbio genético eles tinham e que tipo de atributos provêm disso, foi algo que trabalhamos de perto com historiadores de saúde mental. Uma das coisas que os médicos disseram [sobre elas] foi que elas só se podiam reconhecer. Então, se você fosse uma mãe viúva [como a delas] no meio de uma guerra e essas duas meninas precisassem de cuidados em tempo integral, qual seria o ambiente certo para elas? De que maneira é que tornamos esta situação mais simpática enquanto reconhecíamos que ainda era chocante, esse foi o nosso ponto de vista para criar essa cena.”

Perto do final da temporada, Charles está infeliz com a atuação de Diana em Uptown Girl na Royal Opera House em 1985 e, em seguida, fica confuso com o presente que ela lhe deu, um vídeo em que cantava uma música de The Phantom of the Opera. Isso é verdade?

AS: “[Em relação à Uptown Girl] isso obviamente aconteceu e a resposta mais consistente que ouvimos é que Charles estava chateado com a forma como Diana [atingiu os limites] da propriedade real. Com [The Phantom of the Opera.], acho que ela já tinha assistido várias vezes e tocava as músicas no seu carro. Isso realmente aconteceu também, mas a parte do canto é interessante. Diana foi ver West End, e teve o set [para ela] e sabemos que Andrew Lloyd Webber estava lá, mas ninguém sabia exatamente o que ela fez porque ninguém viu [o vídeo]. Não sabemos se ela dançou, imitou ou cantou a música. Nós pensamos: ‘O que teria mais impacto?’ Emma [Corrin, que interpreta Diana] tem uma voz adorável para cantar, então não podíamos perder essa oportunidade. Tínhamos espaço para sermos criativos com isso. ”

OO: “Quando Emma fez o primeiro casting, o Peter [Morgan] estava na sala e mencionou esse momento. Ela estava tipo, ‘Essa é minha música favorita!’ E ela cantou. Estávamos do lado de fora e todos ouvimos. Foi nesse momento que todos se apaixonaram por Emma. Quando filmamos essa cena, as pessoas na [produção londrina do The Phantom of the Opera] foram tão generosas. Cederam-nos o cenário, os figurinos e a orquestra que vês no ecrã é a verdadeira orquestra do Phantom! ”

Artigos Relacionados

Roteiro 29. 10. 2019

The Crown: 8 cenários da série que estão abertos ao público

Da Lancaster House, em Londres, à Catedral de Winchester, no Hampshire, a Vogue reúne os principais locais de filmagem de The Crown que estão abertos ao público e podem ser visitados.

Ler mais

Agenda 21. 10. 2019

The Crown: tudo sobre a terceira temporada

Do mais recente trailer ao novo elenco, reunimos tudo o que precisa de saber sobre a terceira temporada de The Crown, que se irá estrear na Netflix no dia 17 de novembro.

Ler mais

Notícias 10. 4. 2019

Façamos uma vénia a Emma Corrin, a princesa Diana de The Crown

Uma atriz britânica praticamente desconhecida do público ficou com o papel de Diana Spencer na aclamada série original da Netflix The Crown. Mas quem é Emma Louise Corrin?

Ler mais