Lifestyle   Tendências  

Cinco regras para entrar no lifestyle do desperdício zero

03 Sep 2019
By Sara Andrade

Bea Johnson, da Zero Waste Home, acrescenta uma mnemónica fácil (os cinco Rs) para que comece a aplicar o zero waste sem dúvidas.

Bea Johnson, da Zero Waste Home, acrescenta uma mnemónica fácil (os cinco Rs) para que comece a aplicar o zero waste sem dúvidas.

© iStock
© iStock

Além do testemunho, na edição de setembro 2019 da Vogue, que já nos está a criar imagens mentais da nossa casa, guarda-roupa e demais estilo de vida minimal — confesse, já está a fazer a lista do que manter e do que doar —, Bea Johnson acrescenta ainda uma mnemónica fácil (os cinco Rs) para que comece a aplicar o zero waste sem dúvidas. “Acho que para quem quer começar, e tal como falo no meu livro Desperdício Zero, o ideal é seguir as cinco regras que instituí.”

1. A primeira regra é RECUSAR o que não precisa, isso significa apenas aprender a dizer não: vivemos numa sociedade repleto de extras - desde palhinhas aos mini-frascos de champô nos hotéis, aos panfletos - sempre que aceitamos ou usamos este género de coisas desnecessárias, estamos a criar mercado para que se produzam mais e para que encham as nossas casas e causar um problema de lixo. Quando começas a dizer que não, percebes o volume de artigos que impedes que entrem na tua casa. 

2. O segundo passo é REDUZIR, descongestionar a casa. Claro que, se és uma aficionada de Moda, o melhor é não começar pelo guarda-roupa, talvez primeiro tratar do vestuário do marido ou dos filhos… se é um chef, talvez também será ideal começar por algo que não a cozinha. Começar por uma divisão mais fácil e gradualmente chegar àquele que será o maior desafio, para si. O que quer que seja, é importante ter consciência que tudo aquilo que abrir mão, será algo de valor para outra pessoa e está a possibilitar o acesso dessa pessoa àquilo. Por isso, desapegue-se. Deixe ir. Deixe que outra pessoa lhe dê uso.

3. A terceira regra do Zero Waste Lifestyle é REUTILIZAR, ou seja, trocar o que quer que seja descartável por uma alternativa reutilizável. Por exemplo, substituir papel absorvente por trapos. Eu uma vez perguntei ao meu filho se ele iria continuar este estilo de vida quando crescesse, e ele disse que ainda não sabia, mas que de certeza não ia comprar papel absorvente, “que desperdício de dinheiro!”, disse-me. Este passo é muito simples, a maioria das pessoas já tem em casa o que precisa para fazer estas alterações e eliminar os descartáveis da sua vida. Em vez de lenços de papel, por exemplo, pode cortar um lençol antigo e fazer lenços de bolso, ou ver em mercados de segunda-mão e procurar lenços de bolso como os avôs usavam e os nossos pais. Custam apenas alguns cêntimos, mas vai ficar surpreendida com o quanto poupará ao não comprar a versão em papel. “Descartável”é mesmo o que o nome indica: deitar o seu dinheiro fora. Os reutilizáveis vão fazê-la poupar imenso dinheiro a longo prazo. Há sempre uma alternativa para tudo o que é de uso único, no mercado. Eu encorajo também as pessoas a comprar em segunda-mão, mas só depois de analisarem se precisam mesmo daquele artigo. Diria que estas três regras são assim as que impedem que o lixe e o desperdício entrem em sua casa.

4. A quarta regra é a da RECICLAGEM, ou seja, o zero waste encoraja não a que recicle muito, mas que recicle apenas o essencial. A primeira fase é impedir que itens desnecessários entrem em sua casa, que é para isso que os três primeiros Rs servem.

5. E finalmente, para o que não foi contemplado nos primeiros quatro passos, a regra é COMPOSTAR - o quinto R: rotten (deixar apodrecer). Se olharmos, as três primeiras regras não são nada complicadas: aprender a dizer não, eliminar o que não precisa e trocar descartáveis por reutilizáveis.

PS: uma boa maneira de chegar à compostagem sem embalagens pelo meio é comprar a granel. Eunice Maia, da Maria Granel, também deixa exemplos para facilitar a adaptação ao desperdício zero, numa lista a que chama “o poder dos pequenos gestos”.

Reutilizar sacos que já tenha em casa; Preferir frascos de vidro a embalagens;Fazer compras a granel;Andar com uma garrafa ou copo reutilizável;Dizer não às palhinhas;Usar escova de dentes de madeira; Optar por copo menstrual e pensos reutilizáveis; Usar discos desmaquilhantes reutilizáveis;Preferir detergentes ecológicos e a granel;Dizer não aos balões;Usar champô sólido ou a granel;Recusar cotonetes de plástico;Andar sempre com um kit de talheres;Pedir sempre o gelado no cone (e não copo);Substituir a película aderente por panos encerados.

Há discurso direto de quem já faz do zero waste uma forma de viver: saiba como Ana Milhazes (Ana, Go Slowly), Eunice Maia (Maria Granel), Bea Johnson (Zero Waste Home) e Lauren Singer (Trash is for Tossers) estão a salvar o mundo do lixo, na Vogue Portugal de setembro 2019.

Sara Andrade By Sara Andrade

Relacionados


Moda   Coleções  

MFW outono/inverno 2024 | Na Semana de Moda de Milão, o jogo de cadeiras não pára

29 Feb 2024

Tendências  

Nailed it

29 Feb 2024

Moda   Eventos  

PFW Backstage | Cecille Bahnsen

29 Feb 2024

Lifestyle  

Hermès: reabertura da icónica loja em Lisboa

28 Feb 2024