Artigo Anterior

Cinco regras para entrar no lifestyle do desperdício zero

Próximo Artigo

A casa cor-de-rosa de Jamie Nelson

Tendências 24. 9. 2019

Desperdício Zero, por Lauren Singer | Trash is for Tossers

by Lauren Singer

 

É fundadora do blogue Trash is for Tossers (trashisfortossers.com), que documenta a sua viagem em função do desperdício zero desde 2012, partilhando a sua experiência pessoal, mas também vendendo artigos sustentáveis para contribuir ativamente para promover o zero waste um pouco por todo o mundo. Singer, que se formou em Estudos Ambientais e chegou a trabalhar para o Departamento de Proteção Ambiental de Nova Iorque, como analista de sustentabilidade, partilhou com a Vogue o lado bom e… - bom só há este - do estilo de vida desperdício zero.

Lauren Singer 

"A minha viagem começou com os meus estudos em ciências ambientais, na faculdade. Foi o que me fez tomar consciência dos problemas à minha volta, tomar contacto com a sustentabilidade ambiental, e o impacto estudantil nesta área incutiu-me algum receio pelo futuro. Soube que queria fazer algo em função disso. Para mim, no início, isso significou agir enquanto ativista, ou seja, protestando, criando grupos estudantis e embrenhando-me cada vez mais nisso, mas apercebi-me que o que eu estava a fazer era a julgar outras pessoas por não serem mais sustentáveis, marcas por não serem mais transparentes, governos por não agirem mais, quando na verdade também não estava a olhar para a minha própria vida, porque achava que estava a fazer tudo o que era possível. Quando me dei conta, eu não estava a agir de acordo com os princípios que moviam as minhas ações: usava plásticos descartáveis, consumia fast fashion, produtos de beleza sintéticos, todas estas coisas que fazia no meu dia-a-dia estavam a contribuir para os danos ambientais que eu tanto lutava por erradicar. Nessa altura, percebi que tinha de mudar. Comecei por eliminar o plástico da minha vida e adotei o estilo de vida zero waste, que foi, para mim, a decisão mais empoderadora que tomei, porque fez-me sentir que, fora do ativismo, eu era responsável pelas minhas próprias ações, eu conseguia controlar como impactava o planeta. Perceber que tinha de fazer uma mudança foi definitivamente um aha moment, aperceber-me ‘Oh meu Deus, estou em piloto automático há tanto tempo, preciso mesmo de fazer algo’.

"É óbvio que não há uma fórmula certa para começar este caminho e adotar o estilo de vida desperdício zero, porque somos todos diferentes, cada um deverá adotar as mudanças à medida da sua vida."

Não sei se se pode realmente falar sobre partes difíceis, nisto, porque não há nada de difícil sobre reduzires o teu desperdício, no que diz respeito a sacrifícios que tens de fazer e assim, são mais os teus preconceitos mentais, aquilo que normalmente as pessoas sentem em relação ao desperdício zero - que isso é impossível, que quem faz está a fazer batota ou a mentir ou a fazer algo errado -, e assim que ultrapassas este tipo de preconceitos, percebes que há coisas que fazes que vão, de facto, conseguir que reduzas o teu lixo, como não usar copos de café descartáveis ou usar uma barra de champô em vez de uma embalagem, comprar roupa em segunda-mão… especialmente agora, com a tecnologia, é mais fácil do que nunca adotar um estilo de vida zero waste. Não sinto que haja algo particularmente difícil nisto, aliás, as razões pelas quais faço isto são ambientais, mas as razões pelas quais sou capaz de manter este lifestyle é que simplificou mesmo muito a minha vida: tens menos coisas, sentes-te melhor, não acumulas tanta tralha, poupas dinheiro porque comprar produtos sem embalagem é mais barato, a roupa em segunda-mão também é mais barata, compras apenas o que precisas e consomes alimentos frescos, que são menos caros, por isso eu poupo dinheiro e sinto-me melhor por estar a tomar decisões alinhadas com os meus valores. Saio sempre a ganhar.

É óbvio que não há uma fórmula certa para começar este caminho e adotar o estilo de vida desperdício zero, porque somos todos diferentes, cada um deverá adotar as mudanças à medida da sua vida. É como as dietas - cada um faz o regime que sente que funciona melhor para si, porque o dia-a-dia de cada um é distinto. Mas há coisas, mesmo antes da questão do consumo e dos gastos, que podes fazer e que podem colocar a tua mente em piloto automático, evitando que caias naquilo que chamo de lixo circunstancial, que é lixo que entra na nossa vida sem que nos apercebamos, como as palhinhas de plástico ou guardanapos de papel num restaurante, ou talheres de plástico quando encomendas comida, ou seja, estares consciente destes pormenores e dizeres ‘não, eu não preciso de um saco de plástico ou palhinha ou qualquer uma destas coisas’, ou seja, recusar este tipo de extras e estar preparada com objetos do género reutilizáveis para estas situações, como talheres em metal, termo ou garrafa de água em vidro. Por isso, há muitos passos fáceis de tomar que reduzem o lixo que acontece sem que sequer nos apercebamos.

Em relação a ceticismos, não tive nenhum tipo de resistência das pessoas ao meu redor, porque não houve alterações visíveis no meu aspeto - vestia-me da mesma maneira, continuava com o mesmo ar, fazia as mesmas coisas, só que o modo como o fazia tinha pequenas diferenças, como o uso de objetos reutilizáveis e não de uso único. Acho que o desafio maior foi a minha família, por exemplo, quando íamos de férias, eu não comia nada que estivesse embalado, por isso, ia ao mercado comprar os meus alimentos, e acho que isso ao início implicou alguma adaptação, porque a tua família assume que alimentar-te é o seu trabalho. Mas acho que, assim que se aperceberam que não estava a tentar dificultar-lhes a vida, ficaram felizes por fazer concessões nisto de ser eu a ir comprar a minha comida, e apoiaram-me muito, mesmo quando decidi começar a compostar. É importante não ligar muito ao que as outras pessoas vão pensar, mas admitir que estás feliz sabendo que estás a fazer algo com um propósito, que é proteger o planeta que adoras. Eu não quero saber o que comentam os outros, porque faço o que faço para estar alinhada com os meus princípios, adotando um estilo de vida que cria o mundo que eu quero. Não há nada que alguém possa dizer que me faça sentir mal em relação a isto. Além disso, é uma boa oportunidade de convidar pessoas a entrar na tua vida, mostrando-lhes a experiência de ir a um mercado de produtores locais ou cozinhando-lhes uma refeição, deixá-las entrar na tua vida e lifestyle, por isso, sempre que há uma adversidade, é uma oportunidade de fazeres um novo amigo e mostrares a quem quer que seja um pouco mais sobre as tuas mudanças. E acho que muita gente também acabou por se deixar contagiar por isto, na verdade. Eu fiquei com vontade de escrever sobre isto depois da Bea Johnson, a mulher que me inspirou - na altura não havia ninguém a escrever sobre isto, de um ponto de vista individual. E agora está em todo o lado, o conceito de desperdício zero e uma vida livre de plástico, por isso, já não sou só eu e os meus amigos e família, é um movimento global em prol do zero waste e orgulha-me muito que isso esteja a acontecer.

"Não acho que a responsabilidade na sustentabilidade esteja mais do lado do governo do que das pessoas, nem acho que seja uma divisão que se faça de forma equitativa, tipo metade-metade."

O que estou a tentar fazer ao levar uma vida sem embalagens não se prende só com mudar as pessoas, mas antes inspirá-las a fazê-lo, provando que não é difícil viver package-free ao introduzir escolhas que são fáceis e mais convenientes. Eu comecei a fazer isto por mim, apercebendo-me que havia outras pessoas interessadas em resolver o mesmo problema que eu, que passa por responder a ‘como é que me alinho com os meus valores?’. E nesse sentido, comecei a fazer os meus próprios produtos e, depois, comecei a consumir produtos sem embalagem porque quis apoiar quem estivesse a criar artigos sustentáveis e facilitar o acesso a quem estivesse à procura deste mesmo tipo de produtos. E é isso que estou a fazer com os produtos package free, tornando-os o mais acessíveis possível. Mesmo que a sustentabilidade não esteja na tua lista de interesses, podes comprar produtos destes que são seguros para o teu corpo e para o ambiente, e esse é o meu próximo passo. Claro que me interessa alertar as pessoas para as alterações climáticas e sustentabilidade, que é a essência do que faço, mas eu sei que, apesar de eu fazer tudo neste estilo de vida, nem toda a gente consegue ou quer fazê-lo a 100%, por isso, o objetivo é tornar as escolhas o mais simples e o mais acessíveis possível, porque se não conseguirmos alterar o comportamento de consumo da sociedade, talvez consigamos alterar o tipo de produtos que consomem, garantindo que compram produtos mais sustentáveis em vez dos tradicionalmente embalados. Acho que muitas coisas têm de acontecer para o mundo inteiro se tornar zero waste, mas não acho que seja utópico ou impossível. Como a minha mãe me dizia, quando eu era pequena, as pessoas não mudam, mas podem aprender a fazer as coisas de forma diferente. Ou podem ser forçadas a fazê-lo, criando obrigações de compostagem ou reciclagem em alguns sistemas, haver regulamentações em relação ao tipo de embalagens que podem ser produzidas. Ou mais exemplos de produtos sustentáveis que funcionam, acho que há novas empresas a fazerem coisas fantásticas e a colocar produtos sustentáveis no mercado e eu espero ser uma dessas forças de mudança na sociedade. Porque acho que, além de possível, é necessária. E acredito que há cada vez mais esta consciência e cada vez mais pessoas a aderirem ao movimento. Mesmo por uma questão emocional: as pessoas querem cada vez mais adotar escolhas com propósito, com uma missão. E isso será cada vez mais óbvio, até nos líderes mundiais.

Não acho que a responsabilidade na sustentabilidade esteja mais do lado do governo do que das pessoas, nem acho que seja uma divisão que se faça de forma equitativa, tipo metade-metade. Uma das minhas licenciaturas na faculdade prendia-se com política, porque eu queria fazer política, quando era mais nova queria ser Presidente, agora já acho que… bem, não é um objetivo completamente inatingível, tendo em conta o Presidente que temos eleito, mas enfim, eu achava que era através da política e fazendo parte do governo que conseguiria mais facilmente aplicar estas alterações e impactar o Mundo. Cheguei a trabalhar no governo, durante uns tempos, e apercebi-me que há tanta burocracia e logística, e não apenas por causa das políticas de Donald Trump, mas porque os governos não são geridos como negócios, porque se fossem, talvez se revelassem mais eficientes. Eu comecei a envolver-me mais em gestão e negócio porque é a maneira mais eficaz de aplicar mudanças em larga escala de forma rápida. E acho que os governos vão atrás e aproveitam-se do sucesso de negócios, do sucesso de indústrias privadas, porque é um exemplo de algo que funciona, mas não confio definitivamente nas entidades governamentais para serem eficazes a fazer as alterações que estou a tentar fazer acontecer com o meu negócio. Acho que podem ajudar a apoiar o trabalho que temos feito, talvez criando subsídios de compensação ou tornando o plástico mais caro, ou fazendo com que os produtos não sustentáveis não sejam de tão fácil acesso, nivelando a coisa para os produtos sustentáveis, ou seja, decisões políticas que podem ter impacto no ecossistema, como criar um mercado mais livre. Mas eu acredito no indivíduo, e no poder do indivíduo, para fazer alterações e educar-se e empoderar-se a si mesmo e ser mais consciente das decisões que toma diariamente, trazendo isso para a sua comunidade e para a sua casa. E, através do meu negócio, quero fazer a mesma coisa: colocar a abordagem aos produtos de consumo através da lente da sustentabilidade e usar o venture funding e a economia de escala para tornar esses produtos mais acessíveis. Por isso, criei a empresa para aprofundar o que estava a fazer, mas também para as outras pessoas que viam a sustentabilidade desta forma e que queriam democratizar o acesso. Eu acredito que o acesso a produtos sustentáveis é um direito básico, não interessa quem és, de onde vens, qual a tua profissão. O meu objetivo na vida é fazer isso acontecer. Se ainda sou ativista? Talvez, mas não digas a ninguém.”

Artigos Relacionados

Notícias 5. 9. 2019

Nas bancas: 11 destaques da edição de setembro 2019

A Vogue Portugal de setembro — com as suas quase 400 páginas — já está nas bancas. Eis os destaques desta edição inteiramente dedicada à temática da sustentabilidade.

Ler mais

Guestlist 5. 9. 2019

Sinal verde

Também fazemos a nossa parte para renovar o pulmão do Mundo - ainda que só com uma espécie de afluente de uma veia que seja.

Ler mais

Curiosidades 5. 9. 2019

O ABC da sustentabilidade

Com 26 letrinhas apenas se escreve “salvar o mundo”. Por isso, de A a Z, empregue-se ativamente o vocabulário que pode garantir nunca virmos a precisar de um planeta B.

Ler mais

Editorial 3. 9. 2019

Editorial Setembro 2019

"Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho a certeza absoluta." - Albert Einstein

Ler mais

Tendências 3. 9. 2019

Cinco regras para entrar no lifestyle do desperdício zero

Bea Johnson, da Zero Waste Home, acrescenta uma mnemónica fácil (os cinco Rs) para que comece a aplicar o zero waste sem dúvidas.

Ler mais

Vídeos 3. 9. 2019

Heal the World

Salve-se o planeta. Ou o que resta dele.

Ler mais

Entrevistas 3. 9. 2019

The Level: "Encontrar inspiração no presente para redescobrir o passado e criar um futuro melhor"

Conversámos com Maria Rocha e Joe O’Neill, os nomes por detrás da The Level, um projeto de e-commerce que parece já estar a dar cartas no mercado online de venda de roupa em segunda mão.

Ler mais

Tendências 3. 9. 2019

Cinco formas sustentáveis de limpar o rosto

Este é o guia prático da Vogue para criar uma rotina de limpeza de rosto sustentável.

Ler mais

Notícias 23. 8. 2019

Sustentabilidade: a indústria da Moda une-se ao G7 em nome do meio ambiente

Marcas como Burberry, Chanel e Nike, acompanhadas de grupos como o H&M Group, a Inditex e a Kering, vão unir forças com os líderes do G7, num pacto que visa uma indústria mais sustentável, consciente do seu impacto no meio ambiente e comprometida com uma mudança real e significativa.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK