Lifestyle   Tendências  

Será o sono um luxo a que só os ricos têm acesso?

26 Oct 2020
By Clementine Prendergast

O sono é vital para o nosso bem-estar e, como muitos de nós nunca dormimos o suficiente, o impacto na nossa saúde mental pode ser devastador. Mas estamos todos ao mesmo nível quando se trata de dormir? Ou os ricos não têm nada com que se preocupar...

O sono é vital para o nosso bem-estar e, como muitos de nós nunca dormimos o suficiente, o impacto na nossa saúde mental pode ser devastador. Mas estamos todos ao mesmo nível quando se trata de dormir? Ou os ricos não têm nada com que se preocupar...

©Getty Images
©Getty Images

A primeira-ministra britânica, Margaret Thatcher, sobreviveu famosamente ao mandato com apenas quatro horas de sono por noite, Donald Trump proclama o mesmo e se já leu um Business Insider Day In The Life, saberá que para ser um líder Fortune 500 - uma pessoa de sucesso portanto (o que não quer dizer simpática), deve acordar antes das 5 da manhã. Vivemos numa cultura de ocupação, onde trabalhar mais e mais arduamente do que todos os outros se tornou um símbolo de status, e a capacidade de sobreviver com o mínimo de sono possível é reverenciada.

Ao longo da vida, o ser humano terá passado em média um terço da sua vida na cama, mas a realidade para muitos é que o sono de qualidade é raro. Apenas 1 em cada 3 americanos adultos dorme o suficiente, o US Centers for Disease Control and Prevention alega que estamos a ponto de uma crise do sono.

“Queremos parecer ocupados e uma forma de o fazer transparecer é proclamando o quão pouco dormimos”, explica Matthew Walker, cientista do sono e autor de Why We Sleep: Unlocking the Power of Sleep and Dreams, numa entrevista de 2017, “É uma medalha de honra”. Mas, em vez de repensar a nossa obsessão com produtividade, agora estamos a criar toda uma indústria em volta do auxílio ao sono, tanto que em 2025, o mercado global de comprimidos para dormir será avaliado em cerca de 115,4 mil milhões de dólares. 

Comprimidos para dormir não são novidade. Vários remédios à base de ervas têm sido usados ​​em diferentes culturas durante séculos e, desde o seu aparecimento na década de 1970, os medicamentos para dormir têm sido consumidos prontamente. Embora o mercado ofereça hoje algumas soluções acessíveis - máscaras para os olhos, óleos de aromaterapia, meditação do sono e aplicações de análise do sono - devido aos investimentos de inovação neste campo, o mercado é dominado por soluções premium, à medida que o sono parece estar a tornar-se o mais recente luxo obrigatório.

"Dormir não é um luxo, é uma necessidade biológica."

De modificações de ambiente (colchões, almofadas e iluminação), monitorização do sono e despertadores inteligentes a tratamentos terapêuticos (cirurgias e aparelhos de tratamento de apneia), parece haver um produto disponível para quase todos. Algo que eles parecem ter em comum: o preço exorbitante. Cobertores de gravidade ponderada a custar 190 libras; Colchões ‘verdes’ por pouco menos de mil libras; pijamas, roupa de cama e lençóis de seda orgânica; almofadas de seda para dormir (que ainda por cima são um produto de Beleza de acordo com a Goop); e até um difusor de pedra por 100 libras.

Mas, claro, dormir não é um luxo, é uma necessidade biológica. “Em humanos, períodos de privação total de sono de 72 horas podem resultar em graves sintomas mentais e emocionais”, diz o Dr. Ebrahim, diretor médico do The London Sleep Centre. “A redução do sono total por um período mais longo [insónia] resulta em aumentos nos sintomas relatados de ansiedade, depressão e por um período mais longo, redução da resposta imunológica e aumento de distúrbios cardíacos e metabólicos, como diabetes e obesidade”.

Existem várias razões pelas quais muitos lutam para conseguir dormir o suficiente. Pesquisas comumente citadas apontam para mudanças no estilo de vida, ou seja, aumento do consumo de álcool, cafeína e falta de exercício físico, que funcionam como estimulantes no nosso cérebro, dificultando o relaxamento e o sono.

Mudanças culturais mais amplas também são consideradas responsáveis. “A sociedade que nos obriga a estar ativos 24 horas por dia, 7 dias por semana e 365 dias do ano tem feito exigências únicas à nossa fisiologia”, continua Ebrahim. “Durante a última década, o acréscimo da era digital - em particular das redes sociais - interrompeu a nossa fisiologia de dormir-acordado, elevando falsamente os nossos níveis de alerta, mantendo-nos em níveis de temperatura corporal semelhantes aos que temos quando estamos acordados. A luz 24 horas por dia, 7 dias por semana, significa uma confusão entre trabalho e lazer; já não estamos restritos aos ciclos diurnos e noturnos naturais  e, como tal, podemos ficar acordados a trabalhar, a fazer exercício físico ou a festejar até tarde com um nível de alerta suficiente, mas em detrimento da nossa saúde do sono.” 

Fotografia de Pavel Golik. Styling de Lil Burlac. | Vogue Portugal 'Freedom on Hold', abril de 2020
Fotografia de Pavel Golik. Styling de Lil Burlac. | Vogue Portugal 'Freedom on Hold', abril de 2020

"Para um sono ideal, precisamos de nos sentir relaxados e calmos."

Mas nem todos são afetados da mesma forma, uma vez que a privação de sono se tem tornado uma realidade cada vez maior para aqueles cujas origens socioeconómicas são baixas, expondo esse grupo demográfico a maiores problemas de saúde física e mental. De acordo com a professora Lauren Hale, da Renaissance School of Medicine, Stony Brook University, Nova Iorque, as pessoas que têm menos recursos financeiros têm menos controlo sobre as suas vidas, incluindo as circunstâncias à volta do seu próprio sono (por exemplo, tempo, iluminação, ruído, etc.). “Podemos imaginar que uma mãe solteira com vários empregos pode não ser capaz de priorizar o seu sono porque está mais preocupada em pagar a renda de casa e colocar comida na mesa”, diz Hale. 

Para um sono ideal, precisamos de nos sentir relaxados e calmos. Precisamos de estar seguros e protegidos do perigo. No entanto, embora possa ser verdade que soluções de sono de luxo, como umidificadores de ar e cobertores robustos ​​atendem às mesmas necessidades humanas profundas que todos nós temos, os seus preços elevados não são apenas inacessíveis para quem mais sofre com o sono, mas ignoram a raiz do problema. Embora opções mais baratas estejam disponíveis para fornecer algum alívio a curto prazo, a realidade é que nenhuma quantidade de óleo de aromaterapia vai mitigar essas desigualdades estruturais no que diz respeito ao sono. 

“Os nossos líderes devem abraçar e celebrar o sono, em vez de o considerar uma fraqueza pessoal.” Lauren Hale

Para soluções de sono a curto prazo, o Dr. Ebrahim recomenda manter uma rotina regular de sono-alerta, exercitando-se diariamente durante 30-40 minutos antes das 16h, bem como evitar todos os dispositivos digitais durante pelo menos uma hora antes de ir dormir. No entanto, é necessário que haja uma mudança estrutural para lidar com as disparidades do sono. “A comunidade de saúde pública precisa de considerar a saúde do sono como um comportamento de saúde fundamental a par com a dieta e o exercício físico”, continua Hale. “Os nossos líderes devem abraçar e celebrar o sono, em vez de o considerar uma fraqueza pessoal.”

Numa época de incerteza crescente, não é de admirar que tantos de nós estejamos numa luta para dormir. No entanto, hoje a nossa incapacidade de descansar tem um preço alto, não só pela nossa saúde, mas também pelos nossos saldos bancários. Não há dúvida que existe um fascínio à volta de soluções luxuosas para dormir. Mas é injustificável que esses produtos não estejam disponíveis nem acessíveis para quem deles mais precisa. À medida que a luta por igualdade de acesso à habitação, educação e saúde continua, podemos adicionar o sono a esta lista e permitir que toda a gente em todo o mundo tenha uma noite de sono tranquila.

Clementine Prendergast By Clementine Prendergast

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024