Lifestyle   Compras  

Eu não existo longe de você

13 Dec 2019
By Rui Matos

Servimo-nos das palavras de Adriana Calcanhoto para relembrar o que por esta altura já devia ser óbvio: há objetos que não existem (mesmo) longe uns dos outros. Separá-los seria um crime punível pelas leis da decoração, da arte e do design.

Servimo-nos das palavras de Adriana Calcanhoto para relembrar o que por esta altura já devia ser óbvio: há objetos que não existem (mesmo) longe uns dos outros. Separá-los seria um crime punível pelas leis da decoração, da arte e do design.

Passamos grande parte do nosso dia com a cabeça inclinada, e não estamos sequer a cumprimentar nenhum membro da família real – estamos, isso sim, presos ao magnetismo dos vários aparelhos eletrónicos que nos rodeiam. É assim em todo o lado. Em casa. No carro. A caminho do trabalho. Sentados à secretária. À hora de almoço. Quantas vezes nos esquecemos de observar mais do que o ecrã que está à nossa frente ou o feed de Instagram que percorremos incessantemente? O jornalista que vos escreve, por exemplo, é grande entusiasta de toda a tecnologia que o novo milénio nos proporciona. Como tal, assume desde já que perde, muitas vezes, alguns detalhes do seu quotidiano. Viajar pode ser a melhor solução. As ruas por onde nunca andamos deixam qualquer um em alerta e com um défice de atenção superior ao do nosso dia a dia. Numa recente viagem, o teste foi efetuado: o smartphone que sempre me acompanha ficou no bolso, e a atenção redobrada alertou-me para questões que normalmente (me) passam ao lado: se as jarras não tivessem sido inventadas, onde é que íamos pôr as flores de plástico que compramos nas grandes superfícies comerciais? Será que tínhamos de continuar a recorrer a vasos de barro? 

As nossas desculpas se, por momentos, pairou no ar a ideia de que este seria um texto de reflexão sobre o impacto da tecnologia nos seres humanos. Não é. Estamos aqui para lhe falar de objetos que não vivem uns sem os outros – um assunto que merece a mesma atenção. Porque, matemáticas e clichês à parte, há de facto coisas que só fazem sentido aos pares; a dois. Juntas são invencíveis, sozinhas são precárias como um bilhete premiado que alguém deixou no fundo de um armário. E por falar em armários… Onde é que pousávamos os livros, se não tivéssemos estantes? Onde é que pendurávamos a roupa, se não fossem os cabides? Onde é que ligávamos uma lâmpada, se não existissem candeeiros? Onde é que deixávamos as pratas, se não tivéssemos recebido, de herança, um maravilhoso faqueiro? É verdade. O homem não é o único animal que precisa, e procura, uma alma gémea. Os objetos que meticulosamente escolhemos para adornar as nossas casas também precisam de um companheiro. De um (muito) fiel amigo. Mas atenção: não confundir a relação que uma lâmpada tem com um candeeiro com aquela relação, complicada, entre um napperon e uma televisão – a caixinha mágica levou demasiado a sério o complexo de magreza e tornou-se tão estreita que agora nem há espaço para o pequeno e inofensivo napperon. A bem dizer, nem para o smartphone.

 

Artigo originalmente publicado na edição de novembro de 2019 da Vogue Portugal.

Rui Matos By Rui Matos

Relacionados


Moda   Compras  

As melhores lojas vintage de Madrid neste momento

23 Apr 2024

Palavra da Vogue  

O que lhe reservam os astros para a semana de 23 a 29 de abril

23 Apr 2024

Compras  

Os melhores presentes para oferecer no Dia da Mãe

22 Apr 2024

Opinião  

A máquina do tempo

22 Apr 2024