Artigo Anterior

Um guia para eventos virtuais LGBTQ+ durante o mês do Pride

Notícias 18. 6. 2020

Léa Seydoux, um ícone multifacetado que pertence ao mundo

by Rui Matos

 

“Bardot com Binoche com Kate Moss e, às vezes, as três ao mesmo tempo.” É assim que Thierry Frémaux, o diretor do Festival de Cinema de Cannes, descreve Léa Seydoux. Sublinhamos, destacamos a negrito, usamos o itálico para reforçar a ideia e ainda assinamos por baixo. Não há como não adorar Léa.

Colar ‘Happy Hearts’ e relógio ‘Happy Sport’, ambos Chopard. © Fotografia de Benoît Peverelli

É a atitude effortless de Léa, ou melhor, o je ne sais quoi francês, que faz de Léa um ícone da nova geração do cinema europeu. O début no grande ecrã deu-se em 2006 com Mes Copins, mas, dois anos depois, veio o breakthrough com La Belle Personne de Christophe Honoré, um papel sumptuoso que lhe valeu uma nomeação ao César Award (o equivalente francês ao Óscar) e ainda o galardão de Best Upcoming Actress da Chopard Award, em 2009 - troféu que, todos os anos, distingue os jovens atores e atrizes em ascensão durante a mostra cinematográfica de Cannes. E, de facto, ascensão é um bom vocábulo para caracterizar Seydoux que rapidamente foi catapultada para a indústria cinematográfica internacional, chegando mesmo aos blockbusters de Hollywood (Inglourious Bastards, Robin Hood, Misson: Impossible - Ghost Protocol). 

Mas se, em 2012, pensamos que já tínhamos visto todo o potencial de Léa, eis que em 2013 surge La Vie d’Adèle, de Abdellatif Kechiche, que percorreu mundo e levou para casa o prémio mais desejado de Cannes, a Palma de Ouro. A crítica especializada não lhe poupou elogios. Emma foi, sem dúvida, a performance mais ousada de Seydoux, mas apesar dos aplausos esta história é vista por muitos como uma fantasia masculina. “Sem dúvida que sim, acho que foi”, contou a atriz francesa ao The Guardian. “É muito provável que se um homem faz um filme sobre duas mulheres acaba por ser uma fantasia. Mas o filme tem a sua verdade, o seu próprio poder.” Não por isso de estranhar que a rodagem não tenha sido um mar de rosas. Léa revelou que a experiência foi “horrível” pelo abuso emocional que as duas protagonistas sofreram durante o processo de gravações - com cenas que foram gravadas cem vezes, uma carga emocional muito grande e um grande jogo psicológico.

Brincos e anel ‘Haute Joaillerie’ e relógio ‘Sport Joaillerie’, tudo Chopard. ©Fotografia de Benoît Peverelli

Depois de La Vie d’Adèle, Léa deixou de pertencer somente ao cinema francês ou europeu e conseguiu, definitivamente, um lugar na mesa dos grandes nomes da indústria. Como é o caso de Daniel Craig, que interpreta o agente secreto mais desejado da sétima arte, o über-famoso James Bond. Ao lado de Craig, a atriz francesa interpretou, em 2015, Dr. Madeleine Swann, que regressa ainda este ano para o suposto último filme de Craig como o agente 007. Sobre ser uma Bond Girl e, em específico, Swann a atriz confessou à Revista C: “Ela  não é uma personagem escrita para satisfazer os homens. Ela não é objetificada. Ela não se define pela sua sexualidade. Ela é inteligente. Ela é independente. E acho que tem um grande profundidade.” O próximo capítulo de James Bond estreia-se em novembro deste ano (se esta pandemia assim o permitir) e para Léa este é um filme muito emotivo. “Há muita emoção neste Bond. É muito emocionante. Aposto que vais chorar. Eu chorei, o que é estranho, porque eu entro no filme.”

Além do cinema, mas longe das redes sociais (“Tive Instagram durante um tempo, mas achei aquilo horrível. Não quero que as pessoas saibam o que estou a fazer. Não quero mostrar o backstage da minha vida. Prefiro a intimidade.”), Léa tem uma ligação forte à sustentabilidade, um valor que partilha com a Chopard - a marca apresentou em 2013 a primeira coleção sustentável, a Green Carpet Collection, durante o Festival de Cannes, e que desde julho 2018 só usa ouro 100% ético em todas as criações de relojoaria e joalharia. Daí partilhar dos mesmos valores éticos, e morais, da atriz - que, para a edição deste ano dos Prémios da Academia, Léa optou por usar um vestido sustentável, porque acredita que com aquilo que está a vestir pode passar uma mensagem. “Nós, os atores, temos que mostrar o exemplo, porque temos acesso a uma audiência maior”, confessou a atriz num vídeo. “A Moda pode estar também envolvida na mudança do mundo.”

Seja num argumento mais experimental, num blockbuster de Hollywood, a interpretar uma Bond Girl, com as joias sustentáveis da Chopard, com os vestidos vintage que encontra nas lojas de segunda mão de Paris ou Los Angeles, o ícone em que Léa se tornou será sempre pequeno para ficar delimitado num continente e é por isso que hoje Léa Seydoux é um verdadeiro ícone multifacetado da nova geração de atores da sétima arte.