Artigo Anterior

Sabina Jakubowicz em Cannes e agora queremos ser Lara Croft na red carpet

Pessoas 17. 6. 2022

#MustFollow: Os influencers queer a mudar o panorama das redes sociais

by Pedro Vasconcelos

 

©mattxiv

Nos dias que correm, as redes sociais são tanto uma fonte de entretenimento e abstração, como uma ferramenta de instrução. Graças a criadores como os mencionados entre as nossas sugestões, plataformas como o Instagram transformam-se em espaços onde se aprende mais do que qualquer escola ensina, particularmente no que se trata de assuntos sociais.

Existe toda uma geração de criadores que se ocupam de muito mais que as expectáveis atividades de influencer, encarregando-se de educar os seus seguidores das formas de opressão quotidianas e estruturais sentidas por comunidades marginalizadas. A comunidade LGBTQIA+ em particular distingue-se pela sua presença online. Historicamente muito isolada, esta comunidade encontrou no ciberespaço uma forma segura de se interligar, criando uma cultura que promove aceitação e aprendizagem. 

Chella Man (@chellaman)

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por Chella Man (@chellaman)

 

Certamente um dos mais bem sucedidos influencers da sua geração, Chella Man não se restringe à categoria de influencer. Ainda que tecnicamente possa ser classificado como um, este ativista transgénero em muito expandiu o seu campo de ação. Desde artista a modelo, ator a ativista, o asiático-americano é conhecido pelo seu ativismo online, debatendo-se sobre assuntos que envolvem a expressão queer, discriminação racial e capacitismo. O artista acumulou muita da sua audiência por realizar versões em linguagem gestual de músicas populares, mas recentemente é possivel vê-lo em passerelles, campanhas publicitárias, programas de televisão e, claro, na sua página de Instagram. 

Matt Bernstein (@mattxiv) 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por matt bernstein (@mattxiv)

 

Este jovem americano de 23 anos está a reinventar a maquilhagem como um instrumento político. Ainda que Benstein se tenha popularizado no Instagram pelas publicações onde, na sua cara perfeitamente maquilhada, colocava frases extremamente relevantes como “queer women do not exist to be a straight man’s fantasy”, hoje em dia foca-se em conteúdo puramente educativo. Ao partilhar notícias relacionadas com a comunidade LGBTQIA+, o ativista americano faz com que informação queer seja acessível a uma audiência de mais de um milhão de seguidores. 

Alok (@alokvmenon) 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por ALOK (@alokvmenon)

 

Intitular Alok Vaid-Menon de influencer é capaz de ser limitativo, já que o trabalho dê ativista em muito ultrapassa as redes sociais. Vaid-Menon é ê escritore, artista e ativista não-binário que está a desconstruir padrões género, trauma e da própria condição humana. Ao questionar o que passámos a aceitar como a norma, expõe um futuro onde a libertação destes condicionamentos é palpável. Femme in Public, Beyond the Gender Binary, and Your Wound/My Garden são algumas das suas obras mais importantes. 

Adam Eli (@adameli)

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por Adam Eli (@adameli)

 

Adam Eli tornou-se um sinónimo de ativismo LGBTQIA+ no Instagram, angariando mais de 100 mil seguidores na plataforma, o escritor americano publica quase exclusivamente conteúdo informativo. Mas não se restringe a uma educação teórica, Eli incentiva o envolvimento público, frequentemente partilhando informação sobre diferentes rallies e paradas de protesto, tendo até criado uma plataforma, intitulada Voices4 (@voices_4), que organiza marchas em apoio à comunidade queer. O ativista analisa frequentemente a interseção entre assuntos LGBTQIA+, identidade, imagem corporal e racismo. 

Munroe Bergdorf (@munroebergdorf)

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por Munroe ✨ (@munroebergdorf)

 

Como a primeira modelo transgénero do Reino Unido, as publicações de Munroe Bergdorf combinam naturalmente o seu ativismo e o dia a dia de uma das mais bem sucedidas modelos britânicas de hoje . Bergdorf é conhecida pela forma como discute assuntos políticos e sociais destemidamente, aproveitando a sua plataforma de quase 560 mil seguidores para a discriminação global da comunidade LGBTQIA+. A dedicação da modelo à identidade queer não se restringe ao seu Instagram, colaborando com várias marcas para garantir diversidade e representação nas suas campanhas. 

T Guys Cuddle Too (@tguyscuddletoo)

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por T GUYS CUDDLE TOO (@tguyscuddletoo)

 

T Guys Cuddle Too é o projeto criado e protagonizado por Isaac dos Santos (@dorpheu) e Ary Zara (@_aryzara_) que ambiciona educar sobre temas trans, de identidade de género e da comunidade LGBTQIA+. A conta de Instagram é complementada por um canal de Youtube, onde se desenvolvem muitos dos assuntos abordados nas suas publicações. A dupla disseca, de forma leve e interativa, assuntos extremamente importantes, partilhando a realidade quotidiana de pessoas trans.

Artigos Relacionados

Notícias 3. 6. 2022

Rainbow Washing: o pote de ouro no fim do arco-íris

No mês de junho, muitas são as empresas que demonstram o seu apoio pela comunidade LGBTQIA+, mas, com a latente falta de transparência por parte destas, questiona-se: será este apoio apenas uma estratégia de marketing?

Ler mais

Curiosidades 29. 3. 2022

Ways of seeing: o corpo como objeto

Onde todos veem um corpo, alguns veem um objeto.

Ler mais

Curiosidades 7. 3. 2022

São mamas, estúpido!

O título deste texto não pretende ser ofensivo. Pretende, antes, ser elucidativo.

Ler mais

Notícias 25. 2. 2022

Ucranianos LGBTQ+ alertam para abuso de direitos humanos com invasão russa

Ativistas do país afirmam que uma possível ocupação poderá fazer retroceder uma década de progressos.

Ler mais

Notícias 21. 2. 2022

Sex Work Is Work: a luta pela legalização do trabalho sexual

Os direitos dos trabalhadores sexuais são direitos humanos.

Ler mais

Curiosidades 30. 6. 2021

Qual o impacto que as redes sociais têm na nossa vida?

Instagram, Facebook, Tiktok, Clubhouse, Tinder... todas diferentes, todas iguais. No dia mundial das redes sociais questionamo-nos sobre qual o impacto que tiveram nas nossas vidas.

Ler mais