Artigo Anterior

Os cinco maiores #fails que aconteceram no palco dos Óscares

Próximo Artigo

Jean-Paul Gaultier: 14 momentos que marcaram a sua carreira na passerelle

Curiosidades 21. 1. 2020

Como é que Harry e Meghan ganharam a sua luta pela liberdade

by Emily Chan

 

O Duque e a Duquesa de Sussex desistiram do título de “Sua Alteza Real". Mas, enquanto a Netflix adianta uma futura colaboração e Meghan supostamente assina um acordo de voiceover com a Disney, a Vogue analisa como a decisão do casal de deixar a chamada The Firm, como a imprensa britânica se refere à família real, mudou o futuro desta para sempre.

© Getty Images

É oficial: o Príncipe Harry e Meghan Markle estão a deixar para trás a vida real. No dia 18 de janeiro, uma declaração do Palácio de Buckingham revelou que os Duques de Sussex se afastariam dos deveres reais, mas "com a benção da rainha, eles vão continuar a manter o seu mecenato e associações particulares". O casal vai deixar de usar os títulos His e Her Royal Highness. A partir da próxima primavera, serão conhecidos como Harry, Duque de Sussex e Meghan, Duquesa de Sussex.

Trocado por miúdos, os Duque de Sussex não vão receber mais dinheiro do Sovereign Grant (o pagamento anual do governo à Rainha para financiar deveres oficiais) e pretendem devolver 2,4 milhões de libras aos contribuintes que usaram para cobrir o custo de renovação de sua casa, a Frogmore Cottage em Windsor. O casal irá agora dividir o seu tempo entre o Reino Unido e o Canadá, onde levarão uma vida independente com o filho de oito meses, Archie.

No entanto, a última declaração vai muito além da proposta inicial de Harry e Meghan, na qual eles esperavam "honrar o [seu] dever com a rainha". Isto foi interpretado como sendo uma abordagem 'metade dentro, metade fora’, na qual ambos cumpririam deveres reais e assegurariam interesses comerciais, uma vez que já não seriam financiados pelo público.

O resultado mostra os passos que os Duques estavam dispostos a dar para alcançar a ambicionada autonomia. "Não acho que eles tenham tudo o que esperavam", disse à Vogue o biógrafo real Penny Junor. "Mas o que é certo é que eles partem com a bênção da rainha e da família e podem permanecer com o seu mecenato, ambos extremamente importantes para eles”.

© Getty Images

“Não tinham escolha”

Dia 19 de janeiro, durante um evento para a instituição de caridade Sentebale, dedicada ao combate ao vírus HIV, Harry confirmou que o casal achava que não tinha escolha a não ser deixar para trás a vida real. “Sinto-me muito triste por ter chegado até aqui [...] mas realmente não havia outra opção”, disse ele aos convidados. “A nossa esperança era continuar a servir a Rainha, a comunidade e as minhas associações militares, mas sem financiamento público. Infelizmente, isso não foi possível.”

De facto, em Harry & Meghan: An African Journey, um documentário da ITV que estreou em outubro de 2019, o casal falou sobre as dificuldades que enfrentaram devido ao intenso escrutínio dos meios de comunicação social britânicos. "É realmente difícil colocar-se no nosso lugar“, disse Meghan. "Há muito tempo que eu digo ao H - é assim que eu lhe chamo - não basta sobreviver a algo, certo? Esse não é o sentido da vida. É preciso prosperar. Eu tentei realmente adotar essa sensibilidade britânica de rigidez [...] mas acho que o que isso faz a nível mental é, provavelmente, muito prejudicial.”

O ataque dos meios de comunicação social britânicos incluiu abordagens racistas a Meghan. "Acho que o racismo que ela tem enfrentado é parte da razão pela qual esta decisão foi tomada", comenta Afua Hirsch, autora do livro Brit(ish): On Race, Identity and Belonging. "[Meghan e Harry] estão a dizer que não vão tolerar o tratamento que receberam até aqui e vão construir uma vida melhor para si mesmos.”

© Getty Images 

Uma perda para a família real

No entanto, a saída de Harry e Meghan dos deveres reais será, sem dúvida, uma enorme perda para a família real, dada a popularidade do casal em todo o mundo. As suas visitas reais - incluindo a viagem de outono de 2018 à Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Tonga - foram consideradas um enorme sucesso. O casal também foi elogiado pela sua capacidade de se conectar com o público. 

"Eu não acho que Harry e Meghan tenham modernizado a monarquia sozinhos nos anos em que estiveram juntos, mas mostraram um lado mais realista da realeza e do trabalho que pode ser feito", diz Victoria Howard, editor do The Crown Chronicles. 

A entrada de Meghan deu, sem dúvida, um novo sopro de vida à família real. "Meghan é o primeiro membro da família real com quem me identifico", acrescenta Hirsch. “A sua presença nos níveis mais altos da família real como uma mulher negra e alguém que não se desculpa pela sua herança são realmente positivos. Não me lembro de um membro feminino da família real que se identificasse como feminista antes e realmente assumisse o seu feminismo”.

© Getty Images 

Decalcando uma nova pegada azul

Não é novidade para a realeza ser financeiramente independente, como a filha da princesa Anne, Zara Tindall, ou as filhas do príncipe Andrew, Beatrice e Eugenie. O poder de Harry e Meghan significa que a sua marca vale até 400 milhões de libras (embora ainda não seja claro se eles poderão usar a marca comercial Sussex Royal depois de abandonarem os seus títulos ou não).

Os Duques de Sussex estarão agora livres para assinar acordos comerciais, pois não receberão mais fundos públicos. Meghan já assinou uma dobragem com a Disney em troca de uma doação à instituição de caridade Elephants Without Border e o príncipe Harry está a colaborar com a Oprah numa série sobre saúde mental para a Apple TV+. Enquanto isso, um acordo com a Netflix também pode estar em cima da mesa: o diretor de conteúdos Ted Sarandos disse que gostaria que o serviço de streaming colaborasse com o casal. 

No entanto, tudo isto não significa que eles se afastem do seu trabalho filantrópico. Nos próximos meses, espera-se que eles lancem uma nova fundação de caridade para apoiar as causas que são importantes para eles, que provavelmente vão incluir o empoderamento feminino, a saúde mental e as alterações climáticas. Também podemos esperar mais visitas privadas a instituições de caridade, como aconteceu nas reuniões de Meghan com Justice for Girls e Downtown Eastside Women's Center em Vancouver, no Canadá.

Independentemente do que façam a seguir, uma coisa é certa: Harry e Meghan poderão agora viver a vida independente que tanto desejam. "Isto cria um precedente positivo para a ideia de que uma nova geração de membros da família real possa viver de uma forma autêntica e que esteja alinhada com o seu propósito", conclui Hirsch. "Muitas pessoas podem-se relacionar com a ideia de querer afastar-se e fazer as suas próprias coisas.”

 

Artigos Relacionados

Notícias 25. 9. 2019

Baby Archie: tudo o que precisa de saber sobre o primeiro filho dos Duques de Sussex

Os Duques de Sussex deram as boas-vindas ao seu primeiro filho a 6 de maio de 2019. Das primeiras imagens ao primeiro compromisso oficial do pequeno Archie, reunimos tudo o que precisa de saber sobre o royal baby.

Ler mais

Tendências 24. 4. 2019

Como as crianças da família real inglesa estão a criar tendências

Enquanto o mundo aguarda a chegada de mais um royal baby, olhamos para o guarda-roupa das crianças da família real inglesa, em especial para o da princesa Charlotte e o dos príncipes George e Louis, e analisamos o impacto do "efeito Cambridge".

Ler mais

Curiosidades 15. 10. 2018

Royal Baby: tudo o que precisa de saber

Os Duques de Sussex vão ser pais. Meghan Markle e o Príncipe Harry anunciaram a 15 de outubro, que estão à espera do primeiro filho. A Vogue reuniu tudo aquilo que já se sabe sobre o próximo bebé Real.

Ler mais

Notícias 15. 3. 2018

Meghan Markle e os ensinamentos reais

Fazer parte da família real não é fácil. Markle é noiva de Harry e a 19 de maio de 2018 vão jurar amor eterno na Capela de S. Jorge, em Windsor. Mas até isso acontecer, é preciso que Meghan esteja pronta para as as situações, mesmo as mais difíceis.

Ler mais

Notícias 21. 12. 2017

Retratos de uma história de amor

Era uma vez uma atriz de Hollywood que conheceu um príncipe encantado(r). O seu nome era Meghan e, em novembro de 2017, ficou noiva de Harry, da Família Real britânica.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK