Lifestyle   Roteiro  

Os cinco dramas históricos que primam pelo guarda-roupa

13 Jan 2022
By Mariana Silva

Com a entrada da award season, escolhemos revisitar alguns dos nossos coordenados históricos favoritos.

Com a entrada da award season, escolhemos revisitar alguns dos nossos coordenados históricos favoritos.

Marie Antoinette (2006)
Marie Antoinette (2006)

A Moda foi sempre uma parte integral da Sétima Arte e nunca isso transpareceu tanto como nos dramas históricos que se desafiam a retratar o modo de vestir da era que reproduzem. E enquanto alguns figurinos escolhem primar pela adequação à época, outros merecem ser relembrados pela sua ousadia e excentricidade. O que faz um bom costume design? Aqui a regra é simples: merecem destaque os filmes cuja história ganha vida graças ao guarda-roupa.

Emma (2020)

Desde o início, Emma tinha todos os trunfos do seu lado. Para começar, o filme dirigido por Autumn de Wilde vem adaptar a história de um dos livros mais conhecidos de Jane Austen. Depois, tem como protagonista a jovem promessa Anya Taylor-Joy. Mas a cereja no topo do bolo são os figurinos deste drama histórico, assinados por Alexandra Byrne. A figurinista britânica venceu um Óscar pelo seu trabalho em Elizabeth: The Golden Age (2007), e Emma colocou mais uma vez o seu nome na lista dos nomeados, embora desta vez não tenha saído vencedora.

 

O que faz deste guarda-roupa um pormenor a destacar é a perfeita conjugação entre peças adequadas à época da Regência britânica, mas que nem por isso se esbatem da nossa memória com facilidade. A peliça amarela que Taylor-Joy utiliza na capa de apresentação do filme é um dos melhores exemplos, mas quase todos os coordenados exibidos no grande ecrã são uma réplica de peças originais que podem ser encontradas em diversos museus de Inglaterra. Um verdadeiro must-watch.

Mulherzinhas (2019) 

Sob a pena de reavivar um dos debates mais acesos que marcaram a cerimónia dos Óscares de 2019, vamos fazer uma breve análise dos figurinos de Jacqueline Durran em Mulherzinhas. Comecemos pelo ponto mais consensual: não, os coordenados do filme de Greta Gerwig não seguem sempre uma linha concisa quanto à época temporal que se comprometem a retratar – isto é, a segunda metade do século XIX, em Massachusetts, nos Estados Unidos da América. Em entrevista à Vogue, Durran chegou mesmo a admitir que os coordenados foram criados com recurso a alguma “liberdade [criativa]”.

Agora, Mulherzinhas não terá vencido o Óscar de Melhor Figurino por nada. A paleta de cores que foi escolhida para caracterizar a personalidade de cada uma das irmãs, a adequação dos coordenados ao gosto do espectador moderno... Podem não haver bonnets (um dos acessórios de Moda mais populares da época retratada), mas nem sempre um guarda-roupa cinematográfico precisa de ser adequado historicamente para ser considerado bom – e Mulherzinhas é a prova disso.

Jackie (2016)

Em 2016, Jackie, de Pablo Larraín, perdeu o Óscar de Melhor Figurino para Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los (2016), ainda que o trabalho da figurinista francesa Madeline Fontaine tenha sido galardoado nos prémios BAFTA e Critics Choice Awards. Mas a verdade é que uma grande parte das cenas do filme consegue remeter de forma detalhada para as aparições de Jackie Kennedy no pequeno ecrã.

 

Desde o fato cor-de-rosa assinado por Chanel que Jackie estava a usar no dia em que o seu marido foi assassinado, até ao conjunto vermelho vestido pela primeira-dama numa tour à Casa Branca transmitida pela CBS em 1962, é de salientar as fortes semelhanças de guarda-roupa entre o filme e a vida real. E já que o estilo de Jackie Kennedy influenciou a indústria da Moda durante uma década inteira, seria difícil para o filme não o fazer.

Marie Antoinette (2006)

A obra cinematográfica de Sofia Coppola é uma delícia visual em todos os sentidos. Mais uma vez, estamos perante um filme que não reproduz de forma exata o seu período temporal, tanto na sua história de forma geral, como no seu guarda-roupa de forma particular, mas isso não impediu Milena Canonero de ver o seu trabalho celebrado com o Óscar de Melhor Figurino, em 2006.

Kirsten Dunst, que aqui interpreta o papel principal de Marie Antoinette, é vestida em coordenados pastel tão detalhados que nos apetece parar o filme sempre que um novo conjunto aparece no ecrã. Afinal, não queremos perder um único pormenor deste guarda-roupa. E no meio disto, alguém se lembrou de verificar a adequação histórica das silhuetas? Como diz Canonero: “Eu parto da fonte original e depois afasto-me – eu não sou uma professora. Sou uma figurinista.”

Elizabeth (1998)

Que esta menção sirva para destacar dois filmes de uma só vez. Primeiro, Elizabeth (1998) e, depois, Elizabeth: A Idade de Ouro (2007), com Shekhar Kapur na realização e Alexandra Byrne nos figurinos dos dois títulos. Embora aclamados de forma similar, apenas Elizabeth: A Idade de Ouro foi galardoado com o Óscar de Melhor Figurino, em 2007, enquanto que, em 1998, o prémio foi para Sandy Powell por A Paixão de Shakespeare (1998).

Tal como o seu trabalho em Emma, Byrne voltou a recorrer ao realismo para vestir Cate Blanchett, no papel de Elizabeth, com coordenados fiéis ao seu período histórico. Muitas das peças parecem ser reproduções detalhadas dos vestidos e acessórios que vemos pintados nos famosos retratos da Rainha, com destaque para o coordenado de coroação que aparece logo no primeiro filme de 1998. A única grande diferença passa pela paleta cromática adotada, já que a figurinista optou por peças coloridas ainda que Elizabeth preferisse, na realidade, tons mais sóbrios; contudo, esta divergência foi também essencial para que Blanchett se destacasse mais facilmente das restantes personagens do filme.

 

Mariana Silva By Mariana Silva

Relacionados


Notícias  

Roberto Cavalli morre aos 83 anos

12 Apr 2024

Moda   Estilo  

A Big Deal

12 Apr 2024

Atualidade   Estilo  

Uma banda surpresa (vestida em Marni) tomou conta dos Creativity Awards da GQ

12 Apr 2024

Lifestyle  

Quem é Jack Antonoff, o produtor por detrás de Taylor Swift e Lana Del Rey?

12 Apr 2024