Artigo Anterior

13 Reasons Why: tudo sobre a quarta e última temporada

Agenda 26. 6. 2020

Há festa (virtual) no Lux

by Rui Matos

 

Se não vamos à festa, a festa vem até nós.

Chima © Luisa Ferreira

Enquanto houver internet, há celebração. Enquanto houver música, há dança. Enquanto houver junho, há Pride Month. Este sábado, dia 27, o Lux e a ILGA celebram o Orgulho com um evento digital. “Por causa da pandemia não era possível a ILGA concretizar o Arraial Pride, que faz todos os anos, e lembrei-me que podíamos tentar fazer uma espécie de festa onde toda a gente poderia comemorar, cumprindo as regras impostas pelo governo,” explica-nos Vasco Araújo, responsável pela organização deste evento.

O artista plástico, que leva no currículo duas décadas de trabalho, está este ano a colaborar, como voluntário, com a ILGA para pensar em várias iniciativas para o mês Pride. Uma das iniciativas é conta de Instagram Isto Diz-me Respeito, “que serve para tornar visível determinadas pessoas que são silenciadas, ou determinados casos que são silenciados, ou pessoas que estão no armário e que ali possam assumir ou possam tornar publico uma posição,” conta Araújo. O facto de, neste ano, o Arraial não se poder concretizar, serviu de rastilho para Vasco criar uma ligação entre o Lux e a ILGA. “É a primeira vez que acontece, mas penso que seja importante, tanto para uma instituição como para outra.” 

Fazes por aqui?” vai levar até casa de todos aqueles que se ligarem das 19h às 22h30, um line-up soberbo com alguns dos nomes mais conhecidos da noite lisboeta. Chima, Varela e House of Frágil (Dexter e Schuro) a dar-nos música e André Cabral e Piny a dançar. A dupla de artistas João Pedro Vale e Nuno Alexandre contribuíram com uma obra para este live streaming - que vai ser transmitido no Facebook do Lux. 

Love Is Love Is Love é também mote para este evento e, sobre o amor, Vasco Araújo afirma que “amor é sempre a coisa mais importante que há para celebrar e de facto, neste momento, em que estamos todos confinados, em que tem que se repensar o que é que é esses modelos de amor, como é que se vai construir esta coisa da compaixão pelos outros, enfim parecem tudo coisas que não cabem numa ideia de noite como o Lux ou mesmo dos direitos LGBTQIA+, mas talvez a única coisa mais importante que nos une a todos é sempre o amor.”

Artigos Relacionados

Tendências 17. 6. 2020

O cinema LGBTQIA+

O que têm em comum estas obras cinematográficas? Amor sem rótulos.

Ler mais

Entrevistas 9. 6. 2020

E ao anoitecer

“E ao anoitecer adquires nome de ilha ou de vulcão/ deixas viver sobre a pele uma criança de lume/ e na fria lava da noite ensinas ao corpo/ a paciência o amor o abandono das palavras/ o silêncio/ e a difícil arte da melancolia.”

Ler mais

Notícias 8. 6. 2020

Um guia para eventos virtuais LGBTQ+ durante o mês do Pride

O mês do orgulho chegou e muitos eventos em todo o mundo se tornaram digitais. Desde a transmissão ao vivo do New York Pride até uma after party internacional no Zoom com o Club Quarantine, estão aqui 10 maneiras de celebrar a cultura LGBTQ+ este mês.

Ler mais

Pessoas 3. 6. 2020

Dorothy Todd, a diretora homossexual da Vogue que abriu o caminho para a visibilidade LGBTQIA+ nos media

Com uma inteligência sem igual e implicitamente queer, o reinado de Dorothy Todd durou pouco, mas foi radical. Gertrude Stein e Virginia Woolf tornaram-se colaboradoras, enquanto que o trabalho de Jean Cocteau e Man Ray apareceu junto pela primeira vez. Hoje, revisitamos um capítulo amplamente esquecido da história LGBTQIA+.

Ler mais