Artigo Anterior

Xeque-mate

Próximo Artigo

Como comprar um vestido de noiva sustentável

Tendências 29. 1. 2021

Como construir um armário cápsula em segunda mão

by Mathilde Misciagna

 

Comprar em segunda mão pode ser uma ótima maneira de construir um armário cápsula sustentável. A chave é ser altamente seletivo, por isso reunimos algumas dicas para a ajudar a encontrar as peças perfeitas: versáteis, clássicas q.b. e de excelente qualidade.

Twiggy, 1967 ©Getty Images

Não foi há muito tempo que o mundo da Moda se entusiasmou com o conceito de armário cápsula – aquele armário compacto do qual só faziam parte um número muito pequeno de peças que ficavam exímias umas com as outras e poupavam muito tempo de manhã. O armário cápsula parecia ser a solução para o problema recorrente no universo do têxtil: o fator sustentabilidade.

Mas o que é realmente um armário cápsula?

O termo surgiu pela primeira vez com a consultora de imagem e autora Susie Faux nos anos 1970 devido à sua frustração com a falta de roupas bem feitas no mercado (parece-lhe familiar?). No entanto, só se tornou popular quando a designer Donna Karan decidiu criar a primeira coleção cápsula em 1985 intitulada "Seven Easy Pieces", composta de “fashionable workwear”. Hoje, o Business of Fashion define o conceito como: “As coleções cápsula foram originalmente popularizadas por Donna Karan na década de 1980. A ideia era criar um armário cápsula que apresentasse apenas as peças mais essenciais ou influentes de uma coleção. Uma coleção cápsula é essencialmente uma versão condensada da visão de um designer, muitas vezes de edição limitada, que transcende estações e tendências por ser funcional - leia-se comercial.”

Enquanto que a indústria da Moda utiliza as coleções cápsula para sublinhar a exclusividade e expressão artística de um designer, um armário cápsula centra-se no estilo pessoal. A maioria das pessoas que se tornou especialista no conceito abraçou o desafio devido a uma certa fadiga na questão de escolher algo para vestir todos os dias. O fast fashion e cultura consumista na qual estamos inseridos levaram-nos a acreditar que devemos ter tudo. O resultado é um armário recheado de roupas que talvez nunca cheguemos a usar. Um armário cápsula são então as suas peças de roupa essenciais, que servem como blocos de construção para o resto do seu armário. É possível criar looks inteiros usando esta “cápsula” ou construir a partir dela, com peças mais sazonais. O objetivo é incentivar-nos a pensar mais nas roupas que realmente usamos e se precisamos mesmo de cada peça no nosso armário. O truque está em editar o armário para que contenha apenas as peças favoritas (não as que são tendência ou as que são perfeitas), que estão em sintonia com o seu estilo de vida e corpo, misturá-las frequentemente e comprar menos e com mais intenção. 

Intenção tornou-se uma palavra muito popular ultimamente e, quando combinada com hábitos de consumo (especialmente quando se trata de roupa) eleva-se a todo um outro patamar: o do consumo consciente. Um estilo de vida sustentável resume-se a um consumo com intenção e à ideia da tomada de decisões. É importante enfatizar a questão da individualidade – o estilo pessoal é vital para nos sentirmos confiantes e isso significa que até combater a opção de consumo mais mainstream (comprar novo) não deve ser uma tirania. Além disso, os armários cápsula são frequentemente associados a um estilo minimalista, neutro e de linhas simples. Mais uma vez, não deve existir esse tipo de imposição tão rígida na construção do nosso armário cápsula – que deverá ser aquele que funciona para nós. 

Tomar decisões. Fazemo-lo a toda a hora e com tudo nesta vida. E a Moda que escolhemos é uma decisão importantíssima, por sinal. A cada segundo, o equivalente a um camião de lixo de tecidos é depositado num aterro ou queimado. Ao comprar peças em segunda mão, versáteis e de excelente qualidade, podemos sentir-nos bem sabendo que estamos a reduzir consideravelmente a nossa pegada de carbono e a prolongar ainda mais a vida das nossas roupas. Podemos ter peças bonitas e que sempre quisemos com um pouco de paciência – há sempre alguém a editar o seu próprio armário e a probabilidade de encontrarmos aquilo que sempre sonhámos é grande. O investimento em peças que já duraram uma vida e vão durar algumas outras (nomeadamente, a sua) é benéfico a todos os níveis e, sendo a Moda cíclica a ideia de algo ser datado deixou totalmente de fazer sentido. Tudo aquilo que gostamos agora, alguém já gostou antes de nós, o que nos abre um mundo de oportunidades.

Por onde começar?

Prepare um moodboard

A melhor maneira de se entusiasmar com este projeto é fazer um moodboard para o seu armário cápsula. Crie um quadro de inspiração, uma pasta com imagens que guardou no Instagram ou pegue em algumas revistas e recorte tudo o que a inspira.

Faça um guia de compras

Agora que tem um quadro de inspiração daquilo que gosta e com o qual se identifica, olhe para ele com atenção. Viu uma peça que gostaria realmente de ter? Identifique um esquema de cores e peças-chave a serem procuradas e faça uma lista. Isso torna as compras em segunda mão num processo menos complicado. Apesar de construir o seu guia, um conselho útil é não definir parâmetros com demasiada rigidez como se estivesse a comprar num centro comercial.

Identifique aquilo que já tem e gosta muito 

Com o mesmo guia de compras e moodboard que construiu, faça uma espécie de auditoria no seu armário. Escolha algumas peças-chave que se encaixam no tema do armário cápsula que está a projetar na sua cabeça. 

Venda, doe ou recorra aos arranjos

Depois de esclarecer qual é o seu objetivo e peças de desejo, os seus olhos estarão especialmente atentos ao que não está a funcionar atualmente no seu armário. Faça três montes: as peças que merecem uma segunda vida talvez através de arranjos de costura ou de um upcycling, as que podem ser doadas com responsabilidade e as que têm valor para vender. Esgote sempre a primeira opção, antes de se dirigir para as outras duas.

Usando o guia que construiu, compre em segunda mão os itens em falta 

Para adicionar novas peças ao seu roupeiro de forma sustentável, use o guia de compras que construiu para examinar os sites de roupa em segunda mão (e são muitos!). Este é especialmente útil quando se compra neste mercado, porque basta olhar para as cores e peças-chave que selecionou para ajudar a focar a sua procura. Algumas dicas para compras em plataformas de revenda online: procure marcas que já gosta e guarde as suas pesquisas. Verifique-as todos os dias. É assim que vai fazer as melhores descobertas! Além disso, não se limite apenas à categoria vintage, procure por segunda mão de marcas contemporânea. É preciso paciência e abertura à aprendizagem, mas com o tempo vai encontrar um ritmo, pesquisas de que gosta e será sempre mais fácil.

Experimente também algumas variações diferentes da sua pesquisa (através das palavras-chave) para restringir os resultados. Lembre-se de que pode alterar uma peça se tudo nela estiver perfeito exceto o fitting. Cada peça no seu armário cápsula deve assentar-lhe que nem uma luva, o que pode ser difícil quando se compra em segunda mão. Posto isto, ter um conhecimento básico de quais os tipos de alterações que podem ser feitas facilmente numa costureira ajudá-la-á a decidir se deve comprar uma peça ou não. Ao comprar, use as roupas que já tem como referência em termos de medidas (se os vendedores não as fornecerem na descrição, não tenha medo de perguntar). Por último, mas não menos importante, procure sempre na secção masculina por camisas e malhas de qualidade (fibras naturais).

As suas peças favoritas de sempre estarão por aí, nos confins da internet ou na loja em segunda mão mais próxima. Trata-se de ter a mente aberta para que possam ser suas. No início deste artigo falava-se em decisões. Encontrar excelentes peças em segunda mão é um bocado como escolher entre sair de casa com antecedência para apanhar o autocarro relaxadamente ou sair em cima da hora e ir a correr com o coração aos saltos. É uma decisão e parte da nossa vontade individual, considerando aquilo que implica uma e outra decisão. Considerando aquilo que é melhor para nós e para o planeta. Mas mais importante do que tudo isto é cuidar das roupas que temos para que possamos continuar a usá-las e para que um dia, quando já não estivermos apaixonadas, possam pertencer a outro alguém. Na galeria abaixo, encontrará uma seleção de peças em segunda mão partindo das premissas versatilidade, intemporalidade e qualidade. 

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 22. 4. 2020

Não há um planeta B

É hora de proteger a Terra. Não há planeta B. Vamos enterrar os erros e plantar a esperança.

Ler mais

Tendências 14. 2. 2020

Thrift soulmates

Sugerimos-lhe cinco pessoas que tem mesmo que seguir para uma dose de thrift inspiration.

Ler mais

Tendências 31. 1. 2020

A arte de comprar em segunda mão: guia completo

Todos os dias são lançadas marcas novas com conceitos e abordagens diferenciadoras que prometem revolucionar a indústria. Mas a verdadeira revolução está em comprar em segunda mão. A Vogue dá-lhe o guia completo para aquela que é a arte do preloved.

Ler mais