Moda   Coleções  

Chanel: Alta-Costura primavera/verão 2021

27 Jan 2021
By Rui Matos

A família foi o ponto de partida para a Alta-Costura estival de Virginie Viard, revelando uma coleção mais curta e coesa. Uma história com principio, meio e fim.

A família foi o ponto de partida para a Alta-Costura estival de Virginie Viard, revelando uma coleção mais curta e coesa. Uma história com principio, meio e fim.

De regresso ao espaço de eleição da maison, o Grand Palais, situado numa das principais artérias da cidade francesa, Virginie Viard escreveu mais um capítulo na história Chanel. Foi com a luz muito própria da cidade de Paris, que invadiu os mais de 200 metros de comprimento, através dos tetos de vidro, que assistimos a um reunião familiar muito especial. “Adoro grandes reuniões familiares, quando todas as gerações se juntam. É tão caloroso. Há esse espírito na Chanel, que também é como uma família”, afirma Viard. 

O mundo continua em stand by e este desfile, assim como toda a Semana de Moda de Alta-Costura, foi transmitido online. Mas para contar esta história familiar, Virginie convidou o fotógrafo e cineasta holandês Anton Corbijn - o autor da emblemática biopic Control e de videoclipes das bandas U2 e Depache Mode. “Sabia que não poderíamos organizar um grande show, teríamos que inventar outra coisa, então tive a ideia de um pequeno cortege que desceria as escadas do Grand Palais e passaria por baixo de arcos de flores. Como uma festa familiar, um casamento”, afirma a designer. Mas não esta não é uma boda über-chique como aquelas que são retratadas nas coleções de Alta-Costura, é mais “um estilo boémio - é mais uma casamento numa vila do que no Ritz!”, explicou Viard a Hamish Bowles, da Vogue norte-americana.

As silhuetas desta coleção podem até ser simples: sweaters ou coletes sem mangas usados com calças de cintura subida, cardigans e camisas de cetim com grandes saias, muito semelhantes àquelas que vemos num bailado. Mas a beleza desta coleção recai nos detalhes, afinal é de Alta-Costura que estamos a falar. Os bordados foram feitos pelos ateliers Cécile Henri, Hurel, Montex, Emmanuelle Vernoux e Lesage e as rendas foram pintadas à mão pelo atelier Solstiss, que concedem um toque sedutor e delicado a estas criações, uma condição sine qua non Chanel.

De mão das com silhuetas femininas que apresentou na tarde de 26 de janeiro, está o lado masculino, que apresentou através de coordenados mais austeros compostos por coletes e calças, relembrando a estética da fundadora da maison que adorava o menswear, chegando mesmo a apropriar-se das roupas dos seus amantes, como Boy Capel e o Dude de Westminster. Como seria de esperar, o grand finale ficou entregue à noiva que surgiu num cavalo cinza num vestido digno dos anos 20 em cetim cristalino com a parte da frente aberta e uma cuada de tule com três metros bordada pelo atelier Lesage.

Pénelope Cruz, Vanessa Parradis, Charlotte Casiraghi e Lily Rose-Depp foram quatros das sortudas que se sentaram para assistir a esta reunião familiar que teve continuidade na famosa Rue Cambon 31, mais propriamente nos renovados salões de Alta-Costura que o arquiteto de interiores Jacques Grange terminou recentemente.

Rui Matos By Rui Matos

Relacionados


Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024

Compras   Roteiro  

As melhores lojas vintage da Europa

22 May 2024

Moda  

For life

22 May 2024