Artigo Anterior

Vogue Blind Date Box: Celebration Edition

Próximo Artigo

O que lhe reservam os astros para esta semana?

Palavra da Vogue 22. 3. 2022

#VogueBookClub: Sonetos, de Florbela Espanca

by Pedro Vasconcelos

 

Um livro de leitura obrigatória, os Sonetos são a derradeira coleção de poemas da poetisa, abordando todo o espectro da emoção humana.

"Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!"

Florbela Espanca é uma figura de tal magnitude na poesia portuguesa que se tornou um verdadeiro sinónimo da arte nacional. Os seus poemas criam um imaginário que, até à sua chegada ao panorama literário, não tinha precedente. Os seus versos, que abordam tópicos desde o amor ao desespero, da tristeza à euforia, encontram-se todos enraizados na capacidade extraordinária da poetisa de capturar todo o espectro da emoção humana. Os Sonetos são o livro mais emblemático do ícone da arte portuguesa, e ainda que seja uma compilação feita postumamente, é com certeza a melhor forma de iniciar uma relação com a poesia de Florbela Espanca.

O livro inclui a totalidade dos sonetos das obras Livro de Mágoas, Livro de Soror Saudade, Charneca em Flor e Reliquiæ. Desde Amar! até As minhas Ilusões, os poemas mais famosos da poetisa encontram-se reunidos nos Sonetos. Ainda que seja extremamente polivalente enquanto artista, é na sua poesia que Florbela Espanca mais brilha, abordando temas que, na sua maioria, circundam o tema do amor. Este conceito, nas mãos da poetisa, é explorado até ao seu expoente máximo. Amor romântico, amor próprio, amor pela própria vida, entre outros.

Os seus poemas são, para a época em que os escreveu, particularmente modernos, especialmente nos temas abordados, mas a sua estética é claramente influenciada pela poesia neorromântica, optando pela forma tradicional do soneto. O génio de Florbela Espanca possibilitou que trespassasse todos os impedimentos na sua frente, como o seu género, uma interdição colossal. Ainda que declaradamente feminina, a sua voz é universal, concedendo à poetisa o estatuto priveligiado que detém na arte portuguesa.

"As minhas ilusões, doce tesoiro,
Também as vi levar em urna de oiro,
No mar da Vida, assim… uma por uma…"

Pontuação:

O Vogue Book Club é uma rubrica semanal, neste espaço um membro da equipa Vogue Portugal propõe-se a refletir, ou apenas comentar, um livro - seja uma novidade literária ou um clássico arrebatador. Pode participar nesta discussão através da hashtag #VogueBookClub.

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 15. 3. 2022

#VogueBookClub: Circe, de Madeline Miller

Em Circe, Madeline Miller angaria todo o entusiasmo da mitologia grega e reescreve-a através de uma narrativa feminista que a torna extremamente relevante para os dias de hoje.

Ler mais

Palavra da Vogue 8. 3. 2022

#VogueBookClub: Uma ode a mulheres escritoras

Esta semana, o #VogueBookClub celebra o Dia da Mulher, honrando cinco escritoras que revolucionaram o meio literário.

Ler mais

Palavra da Vogue 1. 3. 2022

#VogueBookClub: A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera

É com cerca de 300 páginas se diz adeus à estabilidade emocional. Mas é uma despedida que aquece o coração.

Ler mais

Palavra da Vogue 22. 2. 2022

#VogueBookClub: The Wild Iris, de Louise Glück

A poesia de Louise Glück é como uma confissão feita na linguagem das flores. No decorrer desta alegoria a poetisa faz considerações sobre a morte, a vida e o amor.

Ler mais

Palavra da Vogue 15. 2. 2022

#VogueBookClub | The Ex Talk, de Rachel Lynn Solomon

O melhor romance de todos os tempos? Este não é o livro. Mas uma história que nos abstrai, um bocadinho que seja, da realidade este é o livro - mas vamos reforçar a palavra bocadinho.

Ler mais

Palavra da Vogue 8. 2. 2022

#VogueBookClub: O Filho de Mil Homens, de Valter Hugo Mãe

Há escritas que parecem demasiado simples para o desafio emocional que estamos prestes a enfrentar. Assim foi com O Filho de Mil Homens.

Ler mais