Artigo Anterior

#VogueBookClub: Na Terra Somos Brevemente Magníficos, de Ocean Vuong

Próximo Artigo

O que lhe reservam os astros para a semana de 5 a 11 de julho

Palavra da Vogue 5. 7. 2022

#VogueBookClub: O Ódio que Semeias, de Angie Thomas

by Mariana Silva

 

Um livro da categoria young adult que deveria ser lido por miúdos e graúdos.

Aqui me confesso: não comprei O Ódio que Semeias com o intuito de o ler, era suposto ser um presente que viria a oferecer. Aliás, ao ler a contracapa da versão portuguesa, ressaltou de imediato a nota de que era um livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura e, por esse motivo, achei (estupidamente) que já tinha ultrapassado a faixa etária a que se dirige. No entanto - e por sorte minha -, a vida meteu-se e acabei por guardar a obra na minha prateleira. E lá não ficou nem mais do que um dia.

Comecei o primeiro capítulo, num ato envolto em timidez, e logo confirmei a minha perceção: “É um livro de adolescentes, porque falam tão bem dele?” Chegada ao segundo capítulo já tinha percebido o porquê. Sim, é uma história de adolescentes no sentido em que estes protagonizam a narrativa, mas isso em nada impede que a sua mensagem se mantenha centrada numa faixa etária tão reduzida. Muito pelo contrário: esta é uma obra que deveria ser lida por miúdos e graúdos.

Racismo, violência policial, injustiça. Se tivesse de reduzir O Ódio que Semeias a três temas, estes seriam aqueles que destacaria. A obra inspira-se numa história verídica, passada nos Estados Unidos, de uma adolescente afro-americana que assiste ao assassinato do seu amigo por um polícia norte-americano. E tal como muitas das histórias que vemos noticiadas nos dias de hoje, ele estava inocente. Tudo não passou de um “mal-entendido” (nas palavras da polícia), uma confusão em que uma escova de cabelo foi confundida com uma arma - e que resultou no assassinato de um adolescente. Um adolescente inocente.

A narrativa desenvolve-se, a partir desse momento, na perspetiva da testemunha, num rodopio entre manifestações, motins e julgamentos cujos resultados parecem ser tão inúteis quanto aqueles a que assistimos na vida real. Cada página é um murro no estômago, um vale de lágrimas perdidas, choradas por um sistema que está podre desde a raiz. 

O Ódio que Semeias é um livro que merece ser lido por todos e todas, independentemente de idade, género, raça ou religião. Não há fronteiras que consigam travar o poder da história contada por Angie Thomas. 

Pontuação:
 

O Vogue Book Club é uma rubrica semanal. Neste espaço, um membro da equipa da Vogue Portugal propõe-se refletir, ou apenas comentar, um livro - seja uma novidade literária ou um clássico arrebatador. Pode participar nesta discussão através da hashtag #VogueBookClub.

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 28. 6. 2022

#VogueBookClub: Na Terra Somos Brevemente Magníficos, de Ocean Vuong

Ocean Vuong parte-nos o coração da melhor forma possível, através de uma narrativa complexa e linguagem poética.

Ler mais

Palavra da Vogue 14. 6. 2022

#VogueBookClub: Apenas Miúdos, de Patti Smith

Artista em todos os sentidos da palavra, é por meio de uma história de amor que Smith pinta um retrato do panorama musical das décadas de 60 e 70.

Ler mais

Palavra da Vogue 31. 5. 2022

#VogueBookClub: Conversas entre amigos, de Sally Rooney

Aquando da adaptação televisiva, recuperamos o conto sobre o valor da amizade.

Ler mais

Palavra da Vogue 17. 5. 2022

#VogueBookClub: Os Interessantes, de Meg Wolitzer

Através da história de uma amizade que abrange quatro décadas, Wolitzer analisa a natureza complicada da natureza humana de forma extremamente digerível.

Ler mais

Palavra da Vogue 10. 5. 2022

#VogueBookClub: A Grande Magia, de Elizabeth Gilbert

Há uma história por detrás do famoso livro Comer, Orar, Amar. E, aqui, essa história é contada.

Ler mais

Palavra da Vogue 19. 4. 2022

#VogueBookClub: Quatro livros para ler hoje (porque antes não podia)

Nada demonstra o poder da palavra tanto como os livros que são banidos, considerados demasiados perigosos para serem lidos.

Ler mais