Artigo Anterior

O que lhe reservam os astros para a semana de 5 a 11 de abril

Próximo Artigo

Lighthouse Quotes | Não se mexe em equipa vencedora

Palavra da Vogue 12. 4. 2022

#VogueBookClub: Meio Sol Amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie

by Pedro Vasconcelos

 

Numa leitura que é tão desesperante como importante, Adichie representa um cenário de guerra de forma extremamente íntima.

O livro de Adichie narra a Guerra Civil da Nigéria, retratando esta através das vidas de cinco personagens: duas filhas gémeas oriundas de uma família rica, um professor universitário, um imigrante britânico e um rapaz de uma aldeia pobre na Nigéria. À medida que a guerra se desenrola, também as suas relações pessoais se complicam e se aprofundam.

O livro na sua integridade faz um excelente trabalho de demonstrar a realidade da guerra, em toda a sua confusão, em todo o seu desespero. Conflitos deste género são muitas vez pensados de uma forma mais geral, analisando a guerra de uma forma mais objetiva, menos pessoal. Adichie concretiza uma abordagem refrescante, mais inteligente, com o objetivo de personalizar os horrores de guerra. Acompanhamos a forma como, progressivamente, as vidas quotidianas destas personagens se adaptam a uma realidade infeliz, ajustando-se ao derramar de sangue dos seus amigos e família.

A natureza da guerra civil é abordada de forma extremamente inteligente, um povo que se vira contra si próprio é um fenómeno específico. Estas peculiaridades são exploradas na primeira pessoa, sentimos empatia pelas personagens que vemos lentamente a sentir o caos totalizante de uma guerra. A despersonalização daqueles que estes pensavam que conheciam é verdadeiramente sofrida, sentimos a dor de ver vizinho a lutar contra vizinho, irmão contra irmão.

A forma como está escrito, e como acaba, contribuem para esta mensagem. Se o livro começa de uma forma mais organizada e simples, à medida que avançamos os desenvolvimentos da guerra tornam o livro cada vez mais exasperante, desesperante de se ler. O caos latente da guerra é colocado debaixo da nossa pele de forma gradual, quando chegamos às últimas páginas do livro, este sentimento é quase totalizante. Não é um livro fácil de se ler, especialmente quanto mais se avança, mas mesmo assim a sua leitura é viciante, ficamos agarrados à esperança que é característica das vítimas de guerra, vivemos no medo que esta seja uma mera futilidade. Meio Sol Amarelo é uma das obras-primas de Chimamanda Ngozi Adichie, uma das mais importantes vozes da literatura atualmente.

Pontuação:
 

 O Vogue Book Club é uma rubrica semanal. Neste espaço, um membro da equipa da Vogue Portugal propõe-se refletir, ou apenas comentar, um livro - seja uma novidade literária ou um clássico arrebatador. Pode participar nesta discussão através da hashtag #VogueBookClub.

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 5. 4. 2022

#VogueBookClub: Overdressed, The Shockingly High Cost of Cheap Fashion, de Elizabeth Cline

Esta obra documental é o ponto de partida perfeito para quem quer aprender mais sobre Moda sustentável.

Ler mais

Palavra da Vogue 29. 3. 2022

#VogueBookClub: All the Frequent Troubles of Our Days, de Rebecca Donner

O título do novo livro de Rebecca Donner é um verso de Goethe — e não foi escolhido ao acaso. Faz parte de uma compilação de poemas do escritor alemão que foi encontrada na cela de Mildred Harnack no dia da sua morte, a 16 de fevereiro de 1943.

Ler mais

Palavra da Vogue 22. 3. 2022

#VogueBookClub: Sonetos, de Florbela Espanca

Um livro de leitura obrigatória, os Sonetos são a derradeira coleção de poemas da poetisa, abordando todo o espectro da emoção humana.

Ler mais

Palavra da Vogue 15. 3. 2022

#VogueBookClub: Circe, de Madeline Miller

Em Circe, Madeline Miller angaria todo o entusiasmo da mitologia grega e reescreve-a através de uma narrativa feminista que a torna extremamente relevante para os dias de hoje.

Ler mais

Palavra da Vogue 8. 3. 2022

#VogueBookClub: Uma ode a mulheres escritoras

Esta semana, o #VogueBookClub celebra o Dia da Mulher, honrando cinco escritoras que revolucionaram o meio literário.

Ler mais

Palavra da Vogue 1. 3. 2022

#VogueBookClub: A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera

É com cerca de 300 páginas se diz adeus à estabilidade emocional. Mas é uma despedida que aquece o coração.

Ler mais