Artigo Anterior

#VogueBookClub: Memórias da Plantação, de Grada Kilomba

Próximo Artigo

O que lhe reservam os astros para a semana de 16 a 22 de agosto

Palavra da Vogue 16. 8. 2022

#VogueBookClub: Em Parte Incerta, de Gillian Flynn

by Mariana Silva

 

Se ainda não viu o filme homónimo, não veja. Antes disso, comece a viagem pelo universo de Amy Dunne na escrita de Gillian Flynn. 

Há duas coisas que sinto que não são valorizadas o suficiente pela maioria das pessoas: cinnamon rolls (são os bolos perfeitos para qualquer ocasião) e o livro Em Parte Incerta. Ainda que não me faltem argumentos para escrever um texto sobre o primeiro, é sob o segundo que nos iremos debruçar hoje - afinal, isto ainda não é um food club. 

Li Em Parte Incerta, da autoria de Gillian Flynn, antes de estar disponível a sua adaptação cinematográfica e ainda hoje agradeço por essa ter sido a ordem com que entrei neste universo. É difícil negar a importância do filme realizado por David Fincher, que conta com Rosemund Pike e Ben Affleck no elenco, para a popularização da história de Amy Dunne, uma verdadeira donzela em apuros que desaparece no dia do seu aniversário de casamento. Porém, nada se compara à forma como Gillian Flynn pinta o retrato deste casamento pouco funcional. 

A grande diferença entre a obra literária e o filme - e aquilo que, para mim, torna um superior ao outro - é a ordem segundo a qual a história é contada. Não querendo estragar a surpresa da narrativa, pois é aí que reside a grande magia de Em Parte Incerta, esta história chega até nós segundo dois pontos de vista: o de Amy Dunne, a mulher desaparecida, e o de Nick Dunne, o marido que se torna no principal suspeito do caso. Enquanto que, no filme, estes dois pontos de vista foram separados, parecendo não coexistir na mesma linha temporal, no livro, Gillian Flynn dedica cada capítulo a uma das personagens, intercalando o ponto de vista dos dois narradores sem retirar poder ao momento de viragem da história. 

Para além disso, por muito que o filme tenha contribuído para difundir os momentos-chave do livro, foi a escrita de Gillian Flynn que nos trouxe maravilhas literárias como o monólogo de cool girl que ainda hoje é citado por milhares de mulheres em todo o mundo. No final do dia, como poderíamos dizer para uma grande parte das obras que foram adaptadas ao grande ecrã, o filme é bom, sim, mas o livro é melhor. 

Pontuação:

 

OVogue Book Club é uma rubrica semanal. Neste espaço, um membro da equipa da Vogue Portugal propõe-se refletir, ou apenas comentar, um livro - seja uma novidade literária ou um clássico arrebatador. Pode participar nesta discussão através da hashtag #VogueBookClub.

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 2. 8. 2022

#VogueBookClub: 18 leituras de verão

O rebentar das ondas ecoa lá ao fundo e nós, sentadas na areia, folheamos histórias de encantar.

Ler mais

Entrevistas 25. 5. 2022

"Life in Paris": um testemunho do quotidiano parisiense por Meyabe

"O detalhe é tudo. Às vezes, é na simplicidade que apreciamos uma imagem. A vida é simples no dia a dia e o meu papel é destacar esses detalhes. Vejo tudo o que fazemos como uma obra de arte", diz Meyabe, o nome por detrás das imagens que compõem este coffee table book já disponível.

Ler mais

Entrevistas 27. 4. 2022

Sónia Balacó: "O Poema Sou Eu"

Falar em Sónia Balacó é saber que a sua imagem vale mil palavras. Aquelas com as quais gosta de brincar para fazer valer o seu maior amor: a sua liberdade de expressão.

Ler mais

Palavra da Vogue 19. 4. 2022

#VogueBookClub: Quatro livros para ler hoje (porque antes não podia)

Nada demonstra o poder da palavra tanto como os livros que são banidos, considerados demasiados perigosos para serem lidos.

Ler mais

Curiosidades 29. 3. 2022

Ways of seeing: o corpo como objeto

Onde todos veem um corpo, alguns veem um objeto.

Ler mais

Palavra da Vogue 1. 2. 2022

#VogueBookClub: My Year of Rest and Relaxation, de Ottessa Moshfegh

De relaxante não tem quase nada. Frustrante é a palavra que melhor descreve esta história - frustrante e verdadeira.

Ler mais