Moda   Notícias  

Vogue Forces of Fashion: os quatro momentos-chave do primeiro dia

17 Nov 2020
By Rui Matos

Da perspetiva sobre o futuro da criatividade de Sarah Burton, diretora criativa na Alexander McQueen, ao body positivity, aqui está um resumo do dia 1 da Vogue Forces of Fashion, uma conferência que reune alguns dos bigs players da indústria.

Da perspetiva sobre o futuro da criatividade de Sarah Burton, diretora criativa na Alexander McQueen, ao body positivity, aqui está um resumo do dia 1 da Vogue Forces of Fashion, uma conferência que reune alguns dos bigs players da indústria.

Os eventos virtuais são uma realidade à qual já nos habituamos. O Zoom, além de ser o nosso novo melhor amigo, é uma ferramenta essencial para que este tipo de conferências continue a chegar a um maior número de pessoas possível, e foi isso mesmo que aconteceu com a conferência anual Vogue Forces of Fashion. Na edição de 2020, nomes como Sarah Burton, Paloma Elsesser, Precious Lee, Bella Hadid, Virgil Abloh, Jonathan Anderson e Sarah Jessica Parker juntam-se - em estúdio ou a partir de casa - para partilharem pontos de vista sobre Moda, e tudo aquilo que deambula neste universo tão vasto e fugaz.

A criatividade durante o período de confinamento, o movimento do body positivity e o poder de apoiar e nutrir uma comunidade foram três dos temas que subiram ao palco da Vogue Forces of Fashion. Abaixo, fazemos um round up dos quatro momentos-chave desta primeiro dia. 

Whose Positivity, com Paloma Elsesser, Precious Lee, Tess McMillan e Jill Kortleve

“Temos que reconhecer o facto de que houve um tempo, não muito longínquo, em que todo esse painel não existiria”, afirmou Gabriella Karefa-Johnson, a moderadora desta conversa, ao referir-se às grandes mudanças que ocorreram durante a última década na indústria. “Devíamos falar e pensar de forma crítica sobre a indústria em que atuamos. Ainda há muito para fazer, mas este é um começo fenomenal.” A representação de mulheres com medidas maiores na indústria das Moda é um desenvolvimento relativamente recente, mas mais necessário que nunca. O impacto destes movimentos continua a ser bastante inspirador. 

À medida que a indústria continua a desenvolver as suas mensagens sobre Beleza e inclusão, há uma nova geração de modelos na linha da frente. A conversa entre Paloma Elsesser, Precious Lee, Tess McMillan e Jill Kortleve são quatro dos nomes que estão a tomar conta da indústria da Moda. Estão em capas de revista, a protagonizarem campanhas e a desfilarem para as casas e Moda mais prestigiadas da indústria. Um passo determinante e muito necessário para uma maior representação na indústria. 

Numa conversa bastante positiva, estas quatro forças falaram sobre questões relacionadas com a imagem corporal, política e feminismo. Estes são quatro dos rostos mais requisitados do momento, seja para a passerelle da Versace ou para as campanhas da Marc Jacobs. 

O futuro é promissor e estamos aqui para aplaudir cada uma destas conquistas. 

Envisioning a Future, com Sarah Burton

Foi no segundo piso da flagship store da Alexander McQueen, na Bond Street, em Londres que a designer britânica Sarah Burton recebeu Sarah Mower para conversarem sobre o futuro. O local onde esta conversa teve lugar é agora um estúdio de design. “Quando comecei na McQueen, não tínhamos uma secretária, tínhamos apenas uma grande mesa de corte e padrões no centro do estúdio,” contou sobre a configuração deste estúdio. A ideia aqui é promover a Moda e desmistificar o processo de criação a todos os visitantes desta loja. “Qualquer pessoa pode vir. Os alunos vêm, os adolescentes vêm, os avós vêm. É, de facto, um espaço para todos verem como é que idealizamos uma coleção.”

Um momento fundamental durante esta conversa foi, sem dúvida, a preservação do artesanato e a importância de criar uma nova geração de designers. Nesse sentido, Burton partilhou algumas das coisas que fizeram da equipa Alexander McQueen tão forte como hoje é: o sentido de comunidade. “Não há hierarquia de ideias. É um processo, verdadeiramente, colaborativo.” O processo criativo desta equipa passa por viagens ao redor do Reino Unido onde procuram por inspiração para a coleção que estão a preparar e ainda tropeçam em novas ideias de unir a equipa. Burton recordou uma visita a uma igreja em Cornwall onde “cada bordado era feito por uma pessoas diferente. Quase que conseguias sentir o sentido de comunidade naquela sala, a sensação de pessoas a unirem-se.”

Ao ritmo que a conversa ficava cada vez mais interessante, a designer levou Sarah Mower numa visita guiada ao estúdio onde está patente a exposição Roses, explicando os segredos por detrás de cada vestido, dizendo: “Para mim, a rosa é a flor britânica e símbolo da mulher.” 

Para a diretora criativa da McQueen, o futuro passa por um sentido de comunidade cada vez maior e 2020 provou-nos isso mesmo.

Blazing A Trail, com Virgil Abloh e Bella Hadid

Se ainda agora lhe acabamos de dizer o quão importante o sentido de comunidade é para Sarah Burton, Bella Hadid e Virgil Abloh corroboram isso mesmo. Numa conversa moderada por Mark Guiducci, diretor criativo editorial da Vogue norte-americana, os dois amigos explanaram como toda a gente consegue fazer mudanças e defender aquilo em que acreditam, seja através das redes sociais, no local de trabalho ou entre amigos. Blazing A Trail, como foi denominada esta talk, focou-se na forma como Hadid e Abloh chegaram ao lugar cimeiro na indústria da Moda e de que forma é que estão a ajudar outras pessoas a conseguirem o mesmo. 

Tudo se resumo ao já citado sentido de comunidade: criar uma e consequentemente apoiá-la. “A parte divertido deve ser de igual forma para criar e defender, falar e criar conquistas para as pessoas,” afirmou Virgil Abloh. O fundador da Off-White e diretor artístico da divisão masculina da Louis Vuitton, recentemente lançou duas iniciativas que pretendem apoiar os jovens: uma bolsa escolar e uma plataforma online que dá dicas para todos aqueles que pretendem fundar uma marca. Já no caso e Bella Hadid, a sua presença massiva, perante uma audiência de mais de 35 milhões de seguidores, permite com que a modelo norte-americana consiga defender as causas com que se identifica, como o registo eleitoral ou ainda dar uma maior visibilidade às pessoas que trabalham no backstage da indústria. Para estas duas forças, a empatia é a palavra-chave. 

Tanto Bella como Virgil, concordaram na importância de aumentar a comunidade e desafiar os parceiros a terem conversas difíceis e ainda tocaram no equilíbrio entre a vida profissional e pessoal e o que é que fizeram para encontrarem essa linha, que muitas vezes é tão ténue que se torna invisível mas é essencial para uma saúde mental feliz. 

Fashion’s Curator, com Jonathan Anderson

Anderson é um dos designer mais influentes da sua geração. O criador britânico funde a Moda com a cultura e como o próprio afirmou durante a conversa com Reggie Yates: “Eu não trabalho para uma casa de Moda, trabalho para uma marca cultural.” 

Durante toda a conversa, Jonathan Anderson desvendou a natureza nada convencional do seu processo criativo e expôs o que para ele significa trabalhar com alguns dos seus heróis criativos, entre eles Gilbert and George e, mais recentemente, com a ceramista norte-americana Ken Price. Para o designer, as colaborações são uma ferramenta de aprendizagem. 

Fazendo parte de uma nova trupe de designers e criativos da geração Y, Jonathan entende a importância que a ruptura tem e falou ainda sobre como podemos redefinir radicalmente a noção do luxo - que muitas vezes é ainda associada ao old glamour.

Todas as conversas vão estar disponíveis, para compra, até ao dia 08 de dezembro em vogueforcesoffashion.com. 

Rui Matos By Rui Matos

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024