Artigo Anterior

Nova estação, nova decoração

Compras 26. 11. 2018

Velvet above ground

by Vogue Portugal

 

Há alguma coisa mais decadente que um bom veludo?

Que beba um shot de veneno num cálice de cristal quem nunca se sentiu dona do mundo quando estava espojada num enorme sofá de veludo. Pode ter a ver com uma paixão assolapada a séries como Downton Abbey ou The Crown que, de repente, nos fizeram a todos começar a beber chá a meio da tarde e a sonhar acordados com títulos de duquesas e condessas antes do nosso nome próprio, mas a sede por algo fácil que automaticamente grite glamour é tão facilmente saciada por qualquer coisa em veludo que se torna muito absurdo resistir. 

Associamo-lo frequentemente com estas noções magnificentes de aristocracia europeia, mas o veludo viu pela primeira vez a luz do dia no século IX, no Médio Oriente (ou na Índia – há uma batalha silenciosa entre os grandes inventores desta maravilha), esses sapientes de tudo o que é rico. E o veludo é rico. Ganhou o nome (e o estatuto) não por causa do tipo de fibra, mas pela forma como é feito, num tear especializado que enleia duas espessuras do material ao mesmo tempo: são fios de seda uniformemente distribuídos, cortados com precisão num processo demasiado complexo e caro para se tornar acessível a todos. Muito depressa começou a ser produzido no Cairo e a ser exportado para Veneza e pronto, a Europa estava apaixonada. Itália especialmente, com todo o clero sedento de aparato faustoso. Também aqui a revolução industrial deu uma mãozinha, acelerando a produção e permitindo que o tipo de fibras (olá, sintéticos) com que se cose o veludo fosse alargado, e o preço desceu. Mas ao contrário do papel de parede, o veludo não abdicou do trono e nunca perdeu a sua ligação emocional à aristocracia. 

Voltamos a vê-lo em força nos anos 20, com a Art Déco, e nos anos 70 na opulência de Beverly Hills, e agora, em todas as peças de decoração que compramos para que a nossa casa pareça saída do boudoir de Marie Antoinette. A verdade é que o veludo, por toda a graciosidade do toque, por toda a magnificência da forma como a luz lhe toca, alimenta-nos os sonhos de grandeza como mais nada consegue. Em camas de dossel. Em cortinas. Em puffs. Em sofás gigantes e profundos. Simplesmente, em almofadas de penas, qual fetiche de mil e uma noites. Ter veludo em casa é como ter diamantes no corpo – e nunca nos vão ouvir dizer mal de diamantes.

 

Texto adaptado da edição de setembro 2018 da Vogue Portugal.

Artigos Relacionados

Tendências 26. 11. 2018

O Primeiro Beijo

Não há amor como o primeiro, em que a inocência ainda mora no socalco do gesto.

Ler mais

Palavra da Vogue 7. 11. 2018

Céu estrelado

As estrelas e a lua ganham forma nos mules em veludo da Attico.

Ler mais

Pessoas 5. 11. 2018

Alexa Chung: 22 momentos de estilo que queremos canalizar

Quando a pergunta é ícone de estilo, a resposta é Alexa Chung. Se dúvidas restassem, estes são os 22 momentos que provam o porquê desta it girl veterana ser, ainda hoje, a epítome do espírito cool e effortless.

Ler mais

Pessoas 29. 10. 2018

Winona Forever: os 90’s no estilo único da estrela de Hollywood

É a madrinha do grunge em Hollywood e musa de Marc Jacobs. Em homenagem à estrela de Stranger Things, Winona Ryder, a Vogue reuniu o melhor do seu guarda-roupa dos anos 90, dos slip dresses aos jeans e fan-girl t-shirts.

Ler mais

Pessoas 20. 8. 2018

Waiting for tonight

Porque hoje à noite Jennifer Lopez será homenageada com o Michael Jackson Video Vanguard Award nos VMA’s.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK