Entrevistas  

Stella McCartney, a mulher que transformou o luxo sustentável em moda desejável

13 Sep 2019
By Ana Murcho

A designer que revolucionou a forma de pensar, e fazer, peças de luxo sustentáveis é muito mais do que uma criativa de sucesso. É uma visionária, o epítome da mulher moderna do século XXI.

Stella McCartney, a designer que revolucionou a forma de pensar, e fazer, peças de luxo sustentáveis, é muito mais do que uma criativa de sucesso. Mãe de quatro filhos, ativista confessa, empreendedora comprometida com o ambiente, a britânica há muito que descartou o rótulo que a predestinava como “filha de…” Condecorada pela rainha Isabel II em 2013, McCartney é uma visionária, o epítome da mulher moderna do século XXI.

Stella McCartney © Lauren McCabee.
Stella McCartney © Lauren McCabee.

qualquer coisa que faz dela um caso à parte. Não é o pai, o ex-Beatle Paul McCartney, nem a mãe, a já desaparecida fotógrafa Linda McCartney. Talvez seja a obstinação, que com os anos se transformou numa filosofia de vida. Stella Nina McCartney (Londres, Reino Unido, 1971) tinha tudo para ser mais uma menina de boas famílias com sotaque posh e genes de ouro. Em vez disso, pegou nos exemplos de trabalho e superação que recebeu em casa e transformou-se numa lutadora que ousa desafiar as convenções dos maiores grupos de Moda do planeta. “É fascinante porque eu cresci numa quinta orgânica e agora o que eu faço para viver é realmente agricultura. Acho que isso é algo que as pessoas não percebem — que no design de Moda, na verdade, estamos apenas a cultivar a terra, mas em vez de fazer um hambúrguer vegan estamos a fazer um casaco. Essa conexão é algo que eu acho realmente inspirador e desafiador.McCartney resumia assim o seu ofício, aparentemente despojado de glamour, numa entrevista publicada, no início deste ano, no site Net-a-Porter.com. Como é que uma designer cujas coleções são amplamente apreciadas pela indústria consegue ter esta visão de si própria?

O estilo da Stella tem sido influente porque ela é a sua própria cliente, sugeria Tom Ford. Ela concorda, e desde cedo fez questão de o anunciar. Já em 2004, apenas três anos depois de lançar a sua marca homónima, avisava a edição americana da Vogue que estava sempre a desenhar as coisas que queria usar. De lá para cá foi um longa caminhada, uma espécie de green carpet com vários prémios e condecorações. O curriculum vitae de Stella lê-se como uma canção pop. Formada na prestigiada escola Central St. Martins, em 1995, o seu estilo chamou desde logo a atenção pelos traços de alfaiataria e uma certa feminilidade sexy. Após duas coleções foi nomeada diretora criativa da parisiense Chloé, onde ficou até 2001, altura em que lançou a sua marca.

"(...) no design de Moda, na verdade, estamos apenas a cultivar a terra, mas em vez de fazer um hambúrguer vegan estamos a fazer um casaco."

Vegetariana de longa data, McCartney transportou as suas preocupações para a moda, e destacou-se por ser totalmente leather/fur free. Agora que o mundo acordou para a importância da sustentabilidade, Stella assume que os primeiros passos não foram fáceis. “No começo as pessoas pensavam que eu era louca; diziam que eu nunca teria um negócio de acessórios de sucesso sem usar pele, ou [uma linha de] pronto-a-vestir de sucesso sem usar pele, mas eu queria abordar as coisas de uma maneira diferente. Era inédito estar na moda e não usar pele, pelo, PVC. Nós ainda somos a única casa de luxo que fornece este tipo de produtos e provamos que é fazível sem sacrificar o design. Acho francamente que é uma das coisas mais inovadoras que fizemos na indústria da moda, por isso não, não é um mito!

Além do ready-to-wear (mulher, homem e criança), das carteiras e dos sapatos, há os óculos de sol, a lingerie, os perfumes, e a colaboração com a Adidas, desde 2004, uma das mais aclamadas pela crítica. Nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2012, foi responsável pelo guarda-roupa da equipa do seu país, algo que ainda hoje recorda como um dos pontos altos da sua carreira (viria a repetir o feito em 2016). Em todas essas vertentes, a preocupação com o meio ambiente. E com a sua principal cliente: as mulheres. “Sou uma mulher, a desenhar para mulheres, e isso faz com que saber o que as mulheres querem seja mais fácil para mim. Desenho roupas para as mulheres usarem e isso não é tão simples quanto parece. Como designer, ver o meu trabalho entrar no mundo real e ser usado é a maior conquista, porque isso significa que [consegui] ir além do design e atingi o coração de uma pessoa, e saber que as roupas que desenho são feitas de forma consciente torna tudo ainda melhor.” E sublinha. “A mulher Stella McCartney é naturalmente confiante, é naturalmente sexy mas, acima de tudo, é moderna.

"Toda a gente tem o poder de fazer a mudança. A mais pequena interação que temos como humanos pode ter impacto no planeta, e se não pensarmos assim, não somos modernos."

No final de agosto, McCartney revelou um dos seus projetos mais inusitados: o lookbook das peças de merchandising inspiradas no álbum Love, de Taylor Swift. Uma edição especial que inclui t-shirts, sweatshirts, casacos, e até uma garrafa de água reutilizável. Foi um twist inesperado, tanto para os fãs da cantora como para os admiradores de Stella, habituados a associar a designer a nomes de estatuto hype (veja-se a cantora Grimes, protagonista das imagens distópicas que ilustram a mais recente entrega da Adidas by Stella McCartney, uma parceria que dura há 15 anos). Mas a música está nos genes de McCartney. Seja mais punk ou marcadamente rock, a sua alma estará sempre ligada aos hinos de (várias) gerações. Tanto assim é que no início do verão apresentou All Together Now, uma coleção totalmente inspirada na cena londrina e, como se subentende, pela canção dos Beatles com o mesmo nome. Ainda este outono, chegam igualmente às lojas as Stella Hunter Boots, uma visão renovada das conhecidas botas de borracha (a título de curiosidade, o marido de McCartney, Alasdhair Willis, é o diretor criativo da companhia desde 2014) e em novembro aterrará nos escaparates a cruise collection, parte importante das vendas de qualquer marca de luxo. Com uma agenda tão lotada, não admira que Stella, a mulher, se confronte com as horas infinitas de Stella, a criativa. Gostava definitivamente de ser uma pessoa menos ocupada. Mas nunca tenho realmente um momento para pensar sobre isso. E de qualquer maneira, tenho quatro filhos, por isso mesmo quando não estou ocupada, estou ocupada, confidenciou na conversa já citada. 

Campanha Agents of Change, outono/inverno 2019, Stella McCartney.
Campanha Agents of Change, outono/inverno 2019, Stella McCartney.

Filmada na costa Galesa pelo fotógrafo Johnny Dufort, a campanha outono/inverno 2019 de Stella McCartney chama-se Agents of Change e representa mais uma tomada de posição da designer inglesa na sua batalha pelo futuro do planeta. As imagens celebram a paisagem britânica em todo o seu esplendor, capturando as falésias de Llangattock Quarry e a imensidão de Nash Point. Ao mostrar estes locais, McCartney espera encorajar as pessoas a unirem-se, e inspirá-las a juntar-se na luta contra o aquecimento global.Mas a mensagem de sustentabilidade, inerente à marca em todas as suas comunicações (lembramo-nos dos anúncios da estação fria de 2017, em que as modelos posavam no meio de grandes quantidades de lixo), é reforçada pela presença da ambientalista Jane Goodall e de membros do grupo ativista Extinction Rebellion.

Uma série de vídeos com o título 5 ways to save the world serão o mote para esta mini-revolução ecológica, através da troca de informações e iniciando o debate com a assinatura irreverente de Stella; as modelos Amber Valletta, Chloe Pearson e Emma Laird vão partilhar as suas visões sobre o empoderamento do planeta (um dos conselhos é o aparentemente simples, mas tantas vezes esquecido, Be Kind, seja gentil). O ponto alto, contudo, será um segundo filme, narrado por Jane Goodall a partir de um poema de Jonathan Safran Foer. Esta obsessão com a saúde do planeta é, antes de mais, uma forma de estar. A única forma de ser verdadeiramente moderno é ser sustentável?, atiramos. Absolutamente. Apenas 1% das roupas são recicladas atualmente! Apenas 1%, o que significa que a indústria ainda tem um longo caminho a percorrer. Toda a gente tem o poder de fazer a mudança. A mais pequena interação que temos como humanos pode ter impacto no planeta, e se não pensarmos assim, não somos modernos. Esta é a maneira de vivermos as nossas vidas. Isto é o futuro!

Talvez por isso McCartney não vire as costas às novas formas de consumir roupa, nomeadamente os sites de revenda. A marca tem uma parceria inédita com o The Real Real, uma loja online que junta peças de luxo com o intuito de lhes dar uma segunda vida. É o seu contributo para a economia circular, na qual aposta ferozmente. "Acredito que a revenda, o e-commerce e a segunda-mão podem desempenhar um papel significativo na redução da quantidade de matérias-primas necessárias a cada ano no planeta. Ao garantir que os nossos produtos são usados durante todo o seu ciclo de vida é possível começar a desacelerar a quantidade de recursos naturais atualmente cultivados e extraídos do planeta por causa da moda. Internamente também procuramos ser o mais circulares possível, e a chave é ensinar os nossos clientes sobre a importância da circularidade e o que podem fazer para prolongar a vida útil das suas roupas.” Ela própria assume, em várias entrevistas, que as peregrinações às lojas vintage moldaram a sua relação com o panorama fashion.

Campanha Agents of Change, outono/inverno 2019, Stella McCartney.
Campanha Agents of Change, outono/inverno 2019, Stella McCartney.

Além, obviamente, da influência familiar — não é todos os dias que se cresce ao lado de um Beatle… “Sempre adorei vestir as roupas dos meus pais quando era mais nova, eles tinham roupa de palco muito divertida e um estilo pessoal incrível que sempre admirei. Eles ensinaram-me muito sobre roupa enquanto fui crescendo.” E se os trapos lhe merecem um estudo quase científico na hora de tomar decisões, o mesmo serve para outra das suas paixões, os animais. É perceptível que a forma como foi educada moldou a sua visão e os seus objetivos. “Os meus pais foram uma grande inspiração para mim a todos os níveis. O seu modo de vida inspirou-me. A minha mãe tinha uma autoconfiança e uma independência que sempre me fascinaram. Eles sempre nos ensinaram a ser verdadeiros e a defender as coisas em que acreditamos. Está enraizado em mim ter respeito pelas outras criaturas e ter consciência de como alguém aborda a sua vida, por isso foi uma escolha óbvia para mim transportar isso para a forma como conduzo os meus negócios.”

Sempre se bateu pela sustentabilidade. Foi capaz de criar uma marca de luxo mantendo-se fiel a princípios éticos, mesmo quando isso parecia uma ilusão. Como é que tem sido este trajeto? Se tivesse de contar a sua história à rapariga que lançou a marca, em 2001, o que lhe diria? “Sempre soube que se era isto que ia fazer, tornar-me designer de Moda, então teria de me manter fiel às coisas em que acredito, e sempre acreditei que não temos de sacrificar o estilo pela sustentabilidade. Sou, antes de mais, designer de Moda, quero criar produtos bonitos, luxuosos e desejáveis, mas quero que eles sejam responsáveis, conscientes e éticos. Tenho um grande respeito pela história e pela arte daquilo que faço, mas o modo como as coisas são feitas, os tecidos usados — eles não mudaram num século! Há uma resistência à inovação. Mais de 50 milhões de animais são mortos em nome da moda todos os anos. Isso tem impacto, acredito muito na conexão entre a produção de peles e de couro e o custo para o meio ambiente. Estou constantemente a trabalhar para mudar as coisas que são convencionais nesta indústria, e sim, pode ser uma luta, mas é isso que é excitante para mim.”

"(...) Sempre acreditei que não temos de sacrificar o estilo pela sustentabilidade. Sou, antes de mais, designer de Moda, quero criar produtos bonitos, luxuosos e desejáveis, mas quero que eles sejam responsáveis, conscientes e éticos."

É essa ambição que garante a Stella a sua condição de visionária. Os riscos que correu, desde o início da sua carreira, permitem-lhe agora falar em nome de uma enorme massa invisível. E em representação de muitas mulheres. Em 2018, comprou a parte do acordo que detinha com a Kering, grupo que a ajudou a lançar a Stella McCartney, e voltou a ganhar controlo total sobre a marca. No entanto, já este ano, anunciou que se juntava ao conglomerado rival, a LVMH, com o intuito de acelerar o desenvolvimento global da empresa e prolongar os seus compromissos de sustentabilidade. Não se pense que a criadora irá abdicar das suas convicções. Além de continuar com a maioria nesta parceria, torna-se conselheira de sustentabilidade da LVMH. “A paixão e o compromisso que expressaram em relação à marca Stella McCartney, a par das suas crenças nas ambições e valores enquanto líder global na moda de luxo sustentável foi realmente impressionante.”

Uma vez mais, a menina que podia ter sido apenas “filha de…” preferiu arriscar. E se há cada vez mais mulheres nomeadas para posições de poder na indústria da Moda, ela ainda é um mundo de homens. O que significa, atualmente, ser uma mulher de poder? “As mulheres são multitaskers e solucionadoras de problemas. Nós fazemos as coisas acontecer. Na Stella McCartney, por exemplo, há muitas mulheres que são mães-trabalhadoras ou esposas-trabalhadoras; elas têm de lidar com muitas coisas e eu acho que isso requer uma grande quantidade de força e precisão. Elas são poderosas e eu sinto-me constantemente inspirada e impressionada com isso.” Yes, she can. 

Artigo originalmente publicado na edição de setembro de 2019 da Vogue Portugal.

 

 

Ana Murcho By Ana Murcho

Relacionados


Moda   Compras   Tendências  

Trend Alert | Corporate Core

18 Apr 2024

Guestlist  

Tastes like summer, smells like Victoria

17 Apr 2024

Atualidade   Curiosidades  

Celeste Caeiro, do Franjinhas para os livros de História

17 Apr 2024

Moda   Tendências   Compras  

Trend Alert | As carteiras essenciais para esta primavera

16 Apr 2024