Moda   Notícias  

Saint Laurent pintou-se de néon e foi uma ode aos arquivos da marca

27 Feb 2019
By Rui Matos

A Moda também é afirmação e o que Anthony Vaccarello afirmou, ontem, no desfile da Saint Laurent, é que é possível repescar toda a extravagância dos anos 80 sem ser preciso cair em lugares comuns.

A Moda também é afirmação e o que Anthony Vaccarello afirmou, ontem, no desfile da Saint Laurent, é que é possível repescar toda a extravagância dos anos 80 sem ser preciso cair em lugares comuns.

© Getty Images
© Getty Images

Para começar foram os ombros estruturados, depois as silhuetas marcadas, as plumas e as lantejoulas. No segundo ato, os tons néon, que para uns são a melhor coisa dos anos 80 e para outros o pesadelo da década, tomaram de assalto a passerelle. Uma jogada inesperada, mas bem sucedida, para Vaccarello que habitualmente prefere o conforto do preto.

És o néon da noite

© Getty Images
© Getty Images

Nos jardins do Trocadéro, com a Torre Eiffel como pano de fundo, ergueu-se uma caixa de espelhos gigante, iluminada por uma infinidade de luzes de fazer inveja ao monumento que é o ex-libris da cidade. Uma estrutura, que trazia a memória os Infinity Room de Yayoi Kusama, e que tornou incandescentes os últimos 34 coordenados do desfile. 

Sob luz negra, vestidos estruturados, padrões zebra, laços imponentes e plumas ganharam vida e brilharam como se não houvesse amanhã (um efeito conseguido através da penetração dos raios de luz UV nos tecidos de cores fluorescentes). Uma maneira exagerada de lembrar tudo e todos que os anos 80 não querem mesmo ficar esquecidos no passado (e mesmo que tentassem não conseguiriam). A par do pronto-a-vestir, que pisou a passerelle neste segundo ato, estavam os acessórios, como carteiras, cintos, óculos de sol e sapatos, todos em perfeita harmonia com os tecidos mais-do-que-brilhantes que compunham as peças.  

Os arquivos e as musas de Yves Saint Laurent

“O que eu quero? Chocar as pessoas, forçando-as a pensar,” afirmou Monsieur Saint Laurent, à Vogue Paris, depois de apresentar a tão célebre coleção Scandal para a primavera/verão 1971. Nesta coleção, a linha de pensamento foi a mesma, mas Anthony Vaccarello fê-lo inspirando-se em três das musas de Yves: Catherine Deneuve, Bianca Jagger e Betty Catroux. 

A passerelle recebeu assim alfaiataria feminina e ombros marcados (não oversized, mas imponentes). “Tudo começa nos ombros. Não quero falar de silhuetas oversized, porque está toda a gente fazer isso. É uma silhueta reta. Quero dar poder às mulheres e acho que precisam de ombros,” afirmou Vaccarello, no backstage ao WWD. 

Para Anthony, a mulher Saint Laurent, como explicou ao diário britânico The Guardian, “não é uma guerreira, não é maldosa, é apenas confiante”. E, na verdade, há poucas coisas tão fundamentais como a confiança. 

A coleção completa

© ImaxTree

Rui Matos By Rui Matos

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024