Artigo Anterior

As palavras são delas: Cristina Norton

Próximo Artigo

Em nome da liberdade melódica

Retratos do Brasil, por Naia Ceschin

Entrevistas 10. 4. 2018

by Rui Matos

 

É através das cores vibrantes e das figuras geométricas que conhecemos o trabalho de Naia Ceschin, a ilustradora brasileira que colaborou com a Havaianas na segunda edição de Retratos do Brasil, um projeto que visa a divulgação da cultura brasileira para o resto do mundo.

Naia Ceschin 

Vê na natureza o grande entusiasmo para a realização do seu trabalho, sendo que é a fauna e flora diversificada do seu país que vão inspirando Naia. Nasceu e foi criada em São Paulo, fundou um atelier homónimo, em 2013, e já vende as suas criações para o mundo através da loja online.

O métier de Ceschin é, essencialmente, focado no artesanato, mas vai desenvolvendo ilustrações digitais. Mesmo assim, todos os seus trabalhos têm o ponto de partida no papel.

O projeto Retratos do Brasil está na sua segunda edição e tem como papel principal divulgar a cultura de um país tão rico culturalmente como o Brasil. Para 2018, foram elaborados dois pares de Havaianas: um modelo feminino com motivos florais e um modelo unissexo com padrões geométricos, ambos evocando a fauna e flora do território. 

A propósito desta colaboração com a Havaianas, a Vogue Portugal conversou com a ilustradora brasileira para perceber como tudo isto aconteceu e para ficar a conhecer Naia Ceschin.

O que significou receber a proposta para colaborar na segunda edição do projeto Retratos do Brasil?

Fiquei muito feliz. A Havaianas é uma marca de muito prestígio tanto no Brasil como no mundo e poder fazer um desenho exclusivo para eles é muito gratificante. 
 
Com uma fauna e flora tão diversificadas, como é que surgiu a ideia de transportar esses elementos para os dois pares de Havaianas?

O meu trabalho já sofre uma forte influência das formas, contornos e cores da fauna e flora brasileira.  Quando recebi o briefing do projeto achei que esse caminho era perfeito para retratar o Brasil. A biodiversidade do meu país é uma fonte inesgotável para criação a artística. 
 
De que forma é que a cultura brasileira se revê neste projeto?
A cultura brasileira é uma mistura de influências de vários povos e etnias. Essa mistura de raízes é muito presente no meu trabalho. Os padrões que aparecem em algumas pinturas minhas remetem para a cultura africana, indígena, portuguesa…. E, neste projeto, aparece através de contrastes de cores vibrantes e formas orgânicas e geométricas.  Brasil é mistura, é contraste, é cor. 
 

Quais são as principais influências no trabalho?

A minha inspiração vem de diversos lugares e momentos. Uma respiração mais profunda, uma viagem, uma imersão na natureza, um filme, um livro… A inspiração vem de estar presente, percebendo o mundo. 

Que artistas influenciam o trabalho de Naia?
Os artistas que me inspiram são vários, cada dia me apaixono por um trabalho novo mas aqui vão meus favoritos (que são de diferentes movimentos artísticos): Tarsila do Amaral, Sonia Delaunay, Henri Rousseau, David Hockney, Luiz Zerbini, Gilvan Samico…
 
Com que artista, ou marcas, gostava de colaborar no futuro e porquê?

Eu adoro poder levar o meu desenho para outras superfícies. Então, qualquer parceria que sugira isso, interessa-me. Logo que comecei a trabalhar como designer (há 10 anos), eu já sonhava um dia trabalhar com grandes marcas como a Havaianas, por exemplo.
 
Quais as músicas que preenchem a sua playlist de trabalho?

Eu fico mais concentrada com o silêncio, mas adoro um jazz também (Miles Davis, Chet Baker…). Às vezes, também coloco umas músicas mais animadas (Glass Animals, Devendra Banhart..), geralmente quando já desenhei na tela e entro no processo de colorir, ai danço e pinto ao mesmo tempo. 

Para Naia, qual é o melhor, ou o retrato ideal, do seu país?

Nós brasileiros estamos num momento na história de muita luta, provação e instabilidade política. Acordamos para uma realidade e estamos à procura de mudanças… E essa procura deve ser feita com união, respeito e comprometimento de todos nós. Acredito que as mudanças começam em nós mesmos, no nosso dia a dia. Uma democracia justa, um governo transparente, florestas preservadas, doentes assistidos, educação de qualidade, acesso à água e comida para todos, animais protegidos… Esse sim seria um retrato ideal do meu país! Sou otimista, vamos chegar lá.

Pode conhecer mais do trabalho de Naia através da sua conta de Instagram ou no site oficial.

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK