Artigo Anterior

Veganuary: um roteiro vegan para janeiro - e 2019

Próximo Artigo

Something old, something new: um roteiro de lojas vintage

Roteiro 18. 1. 2019

SÁLA, do chef João Sá: uma cozinha "simples"

by Sara Andrade

 

Nunca o termo "simples" foi tão complexo. Porque fazer "simples" tem muito que se lhe diga.

Salada de Legumes da Quintal Urbano

"Simples". Como a decoração: uma paleta cromática em tons naturais veiculados pela madeira clara e um toque dourado convida à descontração e denuncia a alta qualidade da cozinha, mas apenas o suficiente para não intimidar quem entra para um espaço que se quer como a sala lá de casa (se na sua casa morasse o chef João Sá, que prepara manjares de fazer as papilas gustativas delirar). O processo até chegar à arquitetura final, porém, não foi tão simples.

Quando Sá encontrou a morada onde agora se ergue o SÁLA, gostou da zona, da vizinhança (não foi à toa que o Avillez se instalou ao lado) e de quem por lá passava - estamos a falar de uma Rua dos Bacalhoeiros e área circundante que promete ser um dos spots a frequentar na capital -; considerou a proximidade ao estacionamento - porque "os portugueses gostam de estacionar 'à porta'" -; e regozijou-se na coincidência do número, o 103. "Faço anos a 01 de março", partilha connosco. Designíos de algo que tinha que ser, mesmo depois de ser preciso arranjar uma solução para a caixa de elevador que conquistava uma parte daquela gruta luminosa e que o interior tivesse de ser largamente renovado numa série de obras que se arrastaram por cerca de um ano até à abertura em setembro passado. De simples teve pouco. Mas foi o necessário para que a experiência do cliente fosse - e é - descomplicada.

"Descomplicada". Que é como quem diz "simples". Simples como os ingredientes. Simples como forjar parcerias com a Quintal Urbano, uma quinta na zona oeste que produz legumes da horta especialmente pequenos na dimensão, mas gigantes em sabor, confiando no que é 'nosso' em vez do que é dos 'outros'. Simples como procurar farinhas de qualidade no Google e encontrá-las no moleiro Sr. Valentim para criar magia numa massa-mãe feita in-house para um pão que faz bem a tudo - como o do antigamente. Ou simples como ir à Sedimento criar cerâmicas do zero e que enchem o olho, tanto quando os pratos aos quais servem de palco, para uma apresentação que é sempre única - todas as peças são diferentes porque são artesanais -, em vez de comprar diretamente de uma prateleira. Parece-nos elementar.

"Elementar". Ou simples, como a confeção. Como mudar a carta de dois em dois meses, sensivelmente, para manter a criatividade ao rubro, a degustação entusiasmante e a frescura dos ingredientes o mais sazonal possível. Simples como criar pratos apresentados simplesmente como tarte de vegetais e que aparecem na mesa com a simplicidade do grão de bico em puré com vegetais da horta em versão mignon polvilhados com tempeh ralado e adornados com massa de folha de areia. Coisa "simples" para o chef, o paraíso num prato para qualquer vegan (ou não-vegan). Sim, a carta contempla este tipo de regime, lado a lado com opções como o bao de carne de porco à alentejana, que é basicamente o oriente e o ocidente a encontrarem-se com o surf & turf numa deliciosa e tenra bola ao vapor. Coisa simples, repito.

Couve, pimentão e trigo sarraceno.

Simples como o sabor. É que cada prato pode até pressupor horas de preparação, minuciosa seleção de ingredientes, cozinhar de forma exímia cada elemento da iguaria ou garantir que cada componente vem de uma fonte fidedigna, que é como quem diz os produtores escolhidos a dedo do SÁLA, mas provar uma garfada do que quer que lhe coloquem à frente é sentir cada alimento no seu mais puro estado, pouco adulterado pelos condimentos, temperado apenas o suficiente para exponenciar o seu paladar original.

O mais simples? Só precisa de ir ao SÁLA para comprovar tudo em primeira mão. Não tão simples? Escolher apenas dois ou três pratos de um menu que se come também com os olhos. O melhor mesmo é pedir um cocktail - ou mocktail - preparados na hora e à medida do gosto do freguês para acompanhar enquanto decide.

SÁLA de João Sá
M. R. dos Bacalhoeiros, 103, Lisboa
H. Ter. a sáb., das 12h30 às 15h e das 19h às 23h
T. 21 8 873 045

 

Artigos Relacionados

Roteiro 4. 1. 2019

Veganuary: um roteiro vegan para janeiro - e 2019

Nunca foi tão fácil - ou menos complicado - ser vegan em Portugal, principalmente se falarmos dos dois pólos urbanos com maior população. Numa altura em que a ideia do "Veganuary" (a Vogue já explica) prolifera, faça do mês de janeiro o seu test-drive para uma alimentação vegetal.

Ler mais

Roteiro 6. 12. 2018

Soy to the world

A alimentação vegana nunca teve tantos adeptos. E esses adeptos nunca tiveram tanto oferta em Portugal como agora.

Ler mais

Roteiro 4. 12. 2018

Casa Fortunato: um brunch "em casa"

Todos os domingos de dezembro, sinta-se em casa neste espaço de família.

Ler mais

Roteiro 19. 9. 2018

Um lugar ao sol

Num dia quente de verão, a Vogue sentou-se à mesa na Doca de Santo para provar as iguarias da renovada carta que une a tradição aos sabores contemporâneos.

Ler mais

Roteiro 17. 9. 2018

Um jantar muito doce

O restaurante Cave 23, do Torel Palace, organiza uma jantar pop up dedicado inteiramente à parte mais doce de um menu: a sobremesa.

Ler mais

Roteiro 16. 4. 2018

O pecado mora ao lado

Após uma visita ao 7º piso do El Corte Inglés, percebemos que pecar nunca nos soube tão bem.

Ler mais

Roteiro 3. 1. 2018

O Balcão de Henrique Sá Pessoa

Com o intuito de homenagear a tradição gastronómica lusitana, o Chef português cria Balcão, um novo espaço no sétimo piso do El Corte Inglês, em Lisboa.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK