Atualidade   Entrevistas  

Stylists de Hollywood falam sobre a estratégia por trás de um look de red carpet

21 Dec 2018
By Radhika Seth

Qual o segredo em criar um look de red carpet que se destaque? Três dos melhores stylists de Hollywood revelam o processo à Vogue.

Qual o segredo em criar um look de red carpet que se destaque? Três dos melhores stylists de Hollywood revelam o processo à Vogue.

As passadeiras vermelhas nas premières de filmes e de festivais de cinema acontecem durante todos o ano, mas a award season - o período de dois meses no qual se destacam os Golden Globes e os Óscares - representa um desafio único. Para os atores, realizadores e guionistas nomeados, espera-os um ciclo de entrevistas, sessões de conversas e eventos de atribuição de prémios que requerem uma série de looks impressionantes. E é aqui que os stylists entram em jogo - pessoas especializadas em interpretar os dress codes, com um olhar meticuloso para os detalhes e com os contactos necessários para conseguir o vestido de sonho do cliente, diretamente da passerelle.

"Há tantas coisas a considerar", diz Penny Lovell, a stylist britânica residente em Los Angeles, responsável pelos looks de red carpet de Rose Byrne e Chrissy Metz. “Com que designers queres trabalhar? O cliente quer algo personalizado? Devemos adaptar um vestido já existente?”. Num mundo onde a red carpet season de uma celebridade se traduz em galerias de Instagram, a forma como os looks funcionam lado a lado também é importante. “Estou sempre a pensar na história”, concorda Jason Bolden, o stylist responsável pelos sucessos de red carpet de Taraji P. Henson e Yara Shahidi. “Tem que fazer sentido para o cliente e mostrar também o seu ponto de vista. Às vezes o processo é muito pessoal.”.

Com Hollywood a recuperar do impacto sísmico dos movimentos #MeToo e Time’s Up, os stylists devem também considerar o impacto politico através do seu trabalho. “Os looks em preto dos Golden Globes tiveram um grande impacto”, disse Elizabeth Saltzman, que vestiu nomes como Saoirse Ronan e Gwyneth Paltrow. “Eu levo o meu trabalho muito a sério. Cada look tem de ser bem pensado. O mês passado, nos Governors Awards, eu escolhi um vestido branco com gola alta da Calvin Klein para a Saoirse. Foi o momento certo para aquele vestido, com os incêndios florestais a acontecer na Califórnia. Mas será que seria uma boa altura para usar lantejoulas?”.

Em contagem descrescente para a award season, a Vogue falou com Saltzman, Bolden e Lovell com o objetivo de aprender o processo, descodificar os looks perfeitos para a red carpet e descobrir os seus planos para o próximo ano. 

Elizabeth Saltzman

Clientes: Saoirse Ronan, Gwyneth Paltrow, Uma Thurman, Gemma Arterton, Phoebe Waller-Bridge e Jodie Comer.

 

Como se tornou stylist

Devo agradecer a Giancarlo Giammetti da Valentino. Eu e a Gwyneth éramos amiga há anos, mas o Giancarlo foi o primeiro a sugerir que eu a vestisse. Eu era editora de Moda da Vogue US, e depois da Vanity Fair, e por isso conseguia sempre arranjar vestidos às minhas amigas, mas não achava que conseguisse ser stylist. Mas um dia sentei-me com a Gwyneth, entrevistei-a e medi cada centímetro do seu corpo. Se ia fazer isto, queria faze-lo bem. Por sorte, foi um match perfeito. 

 

Sobre ser metódico

Fazer styling é como jogar xadrez - tens que estar sempre um passo à frente. Eu gosto de conversar com as pessoas e entender o que está a acontecer nos seus mundos e como se sentem. Depois penso nos designers com quem quero trabalhar, nas cores que me interessam e se o vestido já foi usado antes. Por fim, escolhemos o vestido, ou criamos um, e marcamos o fitting. Eu não costumo escolher muitos vestidos porque não gosto de dar falsas esperanças aos designers caso o look não funcione. 

A sua abordagem editorial 

A história como um todo é muito importante. Quando uma cliente está numa press tour, para mim é como trabalhar numa revista. Isso vem do meu treino de editorial - tu não trabalhas 30 anos numa revista e não sais a pensar assim. Há looks que são como as capas, que para mim são os looks de imprensa, aqueles que ela veste para pequenas entrevistas de pergunta-resposta e visionamentos de filmes. Depois há os looks nas páginas da revista, que contam histórias diferentes de noite e de dia. Por último, a parte de trás da revista é para os looks de festa.  

Sobre vestir Saoirse Ronan para a press tour de Lady Bird

Foi um dos meus trabalhos preferidos porque todos os looks da tour foram muito fortes. O vestido preto da Versace que levou aos Golden Globes deixou-me sem palavras, assim como o Gucci cor de laranja e cor-de-rosa, conjugado com os brincos Fernando Jorge. Depois tivemos o Calvin Klein com o laço cor-de-rosa nos Óscares. Eu e a Saoirse fomos de autocarro do hotel para a cerimónia - ela não se podia sentar porque não queríamos marcas de óleo no laço. Foi um grande momento que partilhei com ela. 

Os seus planos para a award season

Uma das minhas mulheres, Sandra Oh, vai ser anfitriã dos Golden Globes! Estou a começar a trabalhar com o designers nisso. Vou também vestir outra pessoa para basicamente todos os eventos no calendário.

Jason Bolden 

Clientes: Yara Shahidi, Sasha Lane, Taraji P. Henson, Ava DuVernay, Ryan Coogler e Zazie Beetz.

 

Como começou na indústria da Moda

Cresci no centro oeste dos Estados Unidos da América e frequentei o curso de medicina, mas não me identifiquei. Acabei por conseguir um trabalho na área do retalho, e isso levou-me a abrir a minha própria loja vintage em Nova Iorque. O meu primeiro trabalho como stylist aconteceu quando recebi uma chamada da minha amiga Gabrielle Union. Ela convidou-me para ir à Art Basel e pediu-me para levar coisas da minha loja. Eu levei alguns vestidos vintage da Lanvin e Alaïa, aparecemos nos meios de comunicação e o resto é história. As chamadas começaram a chegar. 

Os seus métodos pouco convencionais

Isto pode soar um pouco estranho, mas quando recebo o calendário com os eventos vejo quais dos meus clientes estão convocados, aponto essa informação na minha cabeça e, em poucos dias, acordo com uma ideia na cabeça. Para mim o segredo está sempre nas silhuetas, por isso vou em busca das marcas que têm as que eu quero. Depois começo a pesquisar nas imagens dos desfiles, a percorrer as últimas cinco estações e a ver o que gosto. Sou um sortudo por ter clientes que confiam completamente em mim. Acho que na cabeça da maior parte das pessoas, os fittings envolvem sete charriots e 900 pares de sapatos. Os meus fittings consistem em dois ou três vestidos e cinco pares de sapatos, e no máximo fazemos dois fittings. 

O seu look favorito

O vestido customizado Alberta Ferretti que Taraji P. Henson levou aos Óscares, em 2017, é um dos meus preferidos. Esse foi um ano monumental para ela, com a estreia do filme Hidden Figures, e esse look foi uma homenagem a Katherine Johnson, a personagem dela no filme. Eu trouxe a equipa da Alberta Ferretti até ela, ajustámos a cintura, subimos um pouco a racha e foi isso!

Planear a red carpet season

Às vezes, o primeiro look de red carpet é o que dá mais nas vistas e depois vou escolhendo looks mais discretos. Ou então começo com algo mais simples e depois aposto tudo nos Óscares. Depende de outras coisas também, como se o cliente tem um grande filme este ano. Por exemplo, Zazie Beetz estava a fazer uma press tour para o Deadpool 2. Ela entra nesse filme com vários atores homens e, por isso, quis algo divertido e relaxado: como t-shirts vintage com calças. Depois, para a última red carpet, que foi a estreia do filme em Nova Iorque, usou um vestido romântico e floral de Alta-Costura da Valentino. Foi, sem dúvida, o seu momento digno de um conto de fadas, e acredito que teve ainda mais impacto porque os seus outros looks foram mais discretos. 

Regra de ouro para as escolhas de red carpet

Ter a certeza que o look espelha o estilo pessoal da cliente. Questionar: se eu não existisse, seria algo que iriam ter nos seus armários? 

Penny Lovell

Clientes: Kristen Wiig, Rose Byrne, Chrissy Metz, Taylor Schilling, Bella Heathcote e Mary Elizabeth Winstead.

Penny Lovell ©GettyImages
Penny Lovell ©GettyImages

Background em Moda

Eu costumava trabalhar com o John Frieda, e depois fui relações públicas para a Burberry. Quando comecei a fazer styling, trabalhei para o The Sunday Telegraph, The Independent e Condé Nast Traveller. Depois disso, mudei-me para Nova Iorque e conheci a Keira Knightley numa sessão fotográfica. Ela era jovem e precisava de uma stylist para a sua próxima press tour, então perguntou-me se podia ser eu. Foi assim que comecei. 

O processo de planear um look

Para mim tudo depende da cliente, e cada caso é um caso, e são sempre todos diferentes. Às vezes tenho uma ideia e junto imagens para me exprimir, e às vezes a cliente tem uma ideia e vem ter comigo. Há uns anos atrás, numa altura em que as mulheres não usavam jumpsuits na red carpet, Rose Byrne quis usar um. Ela ligou-me e eu sugeri um jumpsuit de Alta-Costura da Elie Saab. Lembro-me do Ryan Seacrest na red carpet a dizer “Wow! Ela está a usar calças!” e a Rose disse, “Porque é que isso é relevante?”. Para mim o mais importante é que as minhas clientes possam sair à rua confiantes e fazer o trabalho delas. 

Sobre ter sempre opções suficientes

Às vezes vês algo na passerelle e sabes que é a escolha certa. Pode ser assim fácil, ou pode ser o último vestido que a cliente experimentar. Obviamente que também tens que ter backups. E se entornarem café na parte da frente do vestido à saída para o evento? Pode acontecer. Se não for um vestido customizado, então tenho que ter algumas opções. Vou sempre ter os meus favoritos, mas também vou ter outros para o caso desses não funcionarem tão bem.

A importância dos fittings

Eu evito sempre aqueles momentos em que as pessoas estão a usar algo sem alças e têm que estar sempre a puxar. Experimentar é mesmo importante para mim, e eu trabalho com uma costureira excelente. Ninguém devia ter de se preocupar com a possibilidade de o vestido cair na red carpet. Nós garantimos que esse tipo de coisas não acontecem para que a cliente posso estar à vontade.

A irreverência na red carpet

Um dos looks do qual estou muito orgulhosa este ano foi o da Chrissy Metz nos Emmys. Optamos por um look estilo anos 50 e sem alças. Eu trabalhei de perto com o designer para obter a forma e cor que queríamos. O resultado ficou fiel aos requisitos de Chrissy, que se sentiu fantástica com o vestido! Tu consegues sentir quando alguém se sente realmente bem com algo vestido.

Radhika Seth By Radhika Seth

Relacionados


Moda   Coleções  

Max Mara Resort 2025

12 Jun 2024

Moda  

Open Call | Metropol

11 Jun 2024

Notícias  

Como assistir à transmissão do livestream do Vogue World 2024: Paris, apresentado por Cara Delevingne

11 Jun 2024

Palavra da Vogue  

O que lhe reservam os astros para a semana de 11 a 17 de junho

11 Jun 2024