Artigo Anterior

Perfeitos desconhecidos: o fenómeno das relações parassociais

Próximo Artigo

E viveram divorciados (mas felizes) para sempre

Tendências 24. 6. 2022

Onde está o queer nos contos de fadas?

by Pedro Vasconcelos

 

Entre comunidades ímpares de anões e bruxas que se transformam em dragões, o mundo dos contos de fadas rege-se pela representação do imaginário comum. Mas, mesmo neste mundo, sente-se a ausência estridente de personagens e narrativas LGBTQ+, ainda completamente inexistentes nestas fábulas fantásticas.

© Getty Images

Click here for the English version.

Não foi preciso muito para perceber que era diferente. Desde que me lembro que a diferença paira sobre mim como uma nuvem omnipresente, desafiando-me constantemente para que a esquecesse, um esforço que frequentemente fazia, mas que raramente sentia. Essas pequenas vitórias eram conseguidas através do refúgio fantástico dos contos de fadas, tão importantes na idade primaveril por nos mostrarem o potencial da nossa imaginação. Ainda assim, mesmo no mundo do fantástico, de princesas e bruxas, príncipes e dragões, sentia-me diferente, excluído. As fábulas que nos contam histórias que trespassam os limites da lógica continuam a não albergar sinais de homossexualidade. Se tratamos de sereias com tanta seriedade, porque é que não se considera a existência de um personagem nestas histórias que não seja heterossexual e cisgénero? Se nunca considerou esta ausência, existe a possibilidade de que agora, pela primeira vez, a tentemos justificar como um mero acaso, uma casualidade inexplicável. Mas, e se não for? E se a exclusão de narrativas, personagens e representação LGBTQ+ for não só intencional, como completamente deliberada? Esta noção torna-se dolorosamente óbvia quando, à procura de solucionar este eclipse, se revelam as multidões com forquilhas e tochas na mão. 

A Fairy Tale for Everyone, um livro húngaro que, como seria de esperar pelo seu título, contém contos de fadas que procuram ser o mais inclusivos possível, é a prova consumada deste fenómeno. Ao longo das suas dezassete histórias, o livro reinventa contos de fadas clássicos, acrescentando-lhes personagens da comunidade LGBTQ+, assim como de origens étnicas que estão ausentes nas narrativas tradicionais. Desde um veado transgénero, a uma Branca de Neve lésbica e uma Cinderela de etnia cigana, a antologia combina autores húngaros respeitados e novos talentos emergentes. O livro, que tinha uma edição de 1500 cópias, foi impresso por uma editora pouco conhecida e acabou por se tornar altamente controverso, posicionando-se no epicentro de uma campanha política que ameaça (ativamente) os direitos de cidadãos LGBTQ+. Esta pequena obra, direcionada para crianças, foi publicamente contestada por algumas das mais importantes figuras políticas da Hungria. 

O primeiro a reagir à publicação de A Fairy Tale for Everyone foi o líder do partido de extrema direita Mi Hazánk Mozgalom que, numa conferência de imprensa, rasgou e arrancou algumas das suas páginas, intitulando-o de “propaganda homossexual.” Passados poucos dias, foi o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, que se opôs a estes contos de fadas, declarando: “Existe uma linha que não se pode trespassar, é desta forma que sumarizo a minha opinião: deixem as nossas crianças em paz.” O desdém público por parte do primeiro-ministro autorizou uma campanha de ódio pública contra a antologia, legitimando as vozes que insistiam que todas as cópias fossem queimadas, imediatamente retiradas das prateleiras das poucas livrarias onde se podia encontrar o livro. Para Boldizsar Nagy, editor responsável pela publicação do livro, o ódio generalizado foi “uma experiência verdadeiramente aterradora” e a destruição pública de A Fairy Tale for Everyone fê-lo sentir-se “como um inimigo público enquanto editor do livro.” De acordo com Nagy, a resposta ao livro que editou não existe no vácuo, faz parte de uma “nova campanha homofóbica e transfóbica de grande escala, que tem continuado desde então, e se fundamenta com as novas leis anti-LGBT+.” Ainda que compreenda que a resposta à antologia seja um eco de um movimento político que, sobre pretensões de preocupação, aliena e criminaliza a existência de cidadãos queer, o editor confessa que não esperava esta resposta: “Queria apenas que este livro encontrasse crianças que estivessem à procura de respostas e validação para que percebessem que não estão, nem nunca vão estar, sozinhas, e que o mundo encantado dos contos de fadas também é deles.”

Os argumentos utilizados pela classe política húngara , que comparam o conteúdo queer a uma tentativa de sexualizar crianças, não são novos — são, aliás, a justificação mais recorrente para a prevenção de narrativas LGBTQ+ nos contos de fadas. Ao relacionar o espectro queer com pedofilia cometem-se falácias perigosas. A comparação entre os dois não só descarta e trivializa a gravidade de crimes e das experiências de vítimas de abuso sexual, como se fundamenta em argumentos sem qualquer tipo de alusão à psicologia e biologia modernas. As problemáticas da sexualidade e género são ainda muito recentes na consciência pública, particularmente quando se intersetam com a inocência pueril. Existe um temor em relação à identidade LGBTQ+ nas crianças que revela os preconceitos latentes na nossa cultura, a lente enviesada através da qual percecionamos os indivíduos queer. Como salienta Boldizsar Nagy, “é suposto sentirmos que é errado e imoral abordar tópicos LGBTQ+ com crianças, pelo medo de as sexualizar. Isto acontece porque a maioria dos adultos só entende pessoas queer através de uma ótica sexual. Mas as identidades LGBTQ+ são apenas um elemento das nossas individualidades complexas.”

Existem ainda outras preocupações, exponencialmente irracionais, que defendem que se uma criança for exposta a assuntos LGBTQ+ se tornará queer. Estes “argumentos” não só se baseiam em preocupações homofóbicas e transfóbicas, como pressupõem que uma pessoa “fica gay”, em vez de nascer desta forma. A impressionabilidade das crianças é gravemente sobrestimada — se esconder conteúdos LGBTQ+ fizesse com que as pessoas não se tornassem queer, após 23 anos de bombardeamento, tanto de personagens heterossexuais, como de narrativas heteronormativas, certamente a minha homossexualidade já deveria ter caducado. As crianças não se “tornam gays” por verem um beijo entre dois homens ou um protagonista transgénero, a perceção que as crianças têm, tanto da sua orientação sexual, como da identidade de género, é mais prematura do que se considera. De acordo com estudos publicados pelo John Hopkins Children’s Hospital, entre os dois e os três anos as crianças desenvolvem uma noção dos papéis de género, bem como se se encaixam neles, podendo, ou não, corresponder ao sexo atribuído à nascença. Não há ainda qualquer tipo de prova científica que corrobore a relação entre conteúdo queer e a identidade LGBTQ+ de uma criança, mas existe, no entanto, uma panóplia de estudos que detalham a gravidade que os contos de fadas têm no desenvolvimento emocional e psicológico da mente infantil. Em grande parte responsável pelo desenvolvimento de questões como a autoestima e a empatia, a representatividade no conteúdo infantil é basilar para a postura que as crianças terão perante o mundo. Nas palavras de Boldizsar Nagy, “o impacto dos contos de fadas inclusivos nas crianças dos dias de hoje é apenas para que as pessoas LGBTQ+ façam parte da sua normalidade.”

Se os estudos científicos comprovam que a representatividade nos contos de fadas não só aumentaria o bem-estar das crianças, como contribuiria para uma sociedade mais empática, porquê a sua raridade? De acordo com Nagy, a resposta é dissilábica: medo. “O mercado de conteúdo para crianças é financiado pelos seus pais, é preciso muita coragem por parte de um estúdio cinematográfico ou uma editora de livros para se atrever a experimentar com um protagonista LGBTQ+,” revela-nos o editor húngaro, experiente em matérias de coragem, tendo-se tornado um inimigo público à custa da sua. Ainda que o medo das consequências controle a forma como o conteúdo para crianças é produzido, começa-se lentamente a ver os prenúncios de mudança. A própria Disney, fonte de contos de fadas mais fidedigna do Ocidente, demonstra indícios da metamorfose pendente. Enquanto que no passado todos os seus filmes se centravam numa narrativa heteronormativa, onde o amor entre um homem e uma mulher totalizava o enredo — assim como o seu “e viveram felizes para sempre” — esta já não é a realidade dos filmes que a Disney produz hoje em dia. Filmes como Brave Indomável (2012) ou Vaiana (2016) abordam a história a partir de uma perspetiva completamente diferente, substituindo o amor romântico por manifestações de independência como catalisadores da narrativa. Mas Boldizsar Nagy avisa-nos para gerirmos as nossas expetativas. Ver uma protagonista LGBTQ+ num filme de uma magnitude como a da Disney é extremamente improvável, aconselhando a “aceitarmos o facto que livros e filmes para crianças queer serão sempre nunca escala bem mais pequena.”

Tudo o que envolve a sensibilidade acentuada das crianças exige uma atenção particular, especialmente os contos de fadas que lhes contamos. É através destas fábulas que aprendemos a sonhar, a amar, a ser. É imperativo que sejamos exigentes em relação às histórias com as quais as futuras gerações vão crescer, temos a responsabilidade de proporcionar às crianças do futuro sonhos onde estas se possam ver, fantasias nas quais possam participar, independentemente de serem ou não queer. O caminho terá de ser trilhado, novos contos de fadas terão de ser escritos. Como relembra Boldizsar Nagy, “deixemo-nos criar, deixemo-nos fazer erros, deixemo-nos melhorar, sempre com um objetivo em mente: não dececionar as crianças.” A responsabilidade é mais pesada nos nossos ombros do que a dos contadores de histórias de antigamente, pois viviam numa época diferente, não tinham acesso à mesma informação que temos hoje em dia. Trabalhemos para consertar os erros do passado, inventemos novas princesas, novos dragões, para que as crianças do futuro cresçam num mundo onde o porto-seguro da imaginação dos contos de fadas não seja outro perpetuador de exclusão. 

Artigo originalmente publicado no The Fairytale Issue da Vogue Portugal, disponível aqui.

Artigos Relacionados

Entrevistas 17. 6. 2022

Há cultura portuguesa em Nova Iorque

Do outro lado do Atlântico, existe uma organização sem fins lucrativos criada para fazer a divulgação da cultura portuguesa em território estrangeiro. A Vogue Portugal esteve à conversa com a sua fundadora, Ana Ventura Miranda.

Ler mais

Curiosidades 3. 6. 2022

"Running Up That Hill": 10 curiosidades sobre o tema de Kate Bush

Se achava que esta Kate é uma parente afastada de George W., este artigo é para si.

Ler mais

Curiosidades 11. 4. 2022

Todos os corpos

Cada um à sua maneira, com todos os pequenos detalhes que o torna únicos.

Ler mais

Tendências 16. 2. 2022

Perfeitos desconhecidos: o fenómeno das relações parassociais

Ainda que o nosso interesse por celebridades seja meramente virtual, muitas vezes as emoções associadas são, assustadoramente, reais.

Ler mais

Tendências 27. 1. 2022

Matrix e a alegoria transgénero da saga

“Essa era a intenção original mas o mundo não estava pronto” confessa a realizadora Lilly Wachowski.

Ler mais

Notícias 18. 11. 2021

Sou só eu, ou ... o trailer de "Pam & Tommy" é profundamente ofensivo?

Ler mais