Lifestyle   Notícias  

Sou só eu, ou ... o trailer de "Pam & Tommy" é profundamente ofensivo?

18 Nov 2021
By Hayley Maitland

Na primavera de 1998, apenas três anos após o casamento de Tommy Lee e Pamela Anderson numa praia em Cancún, um juiz de Malibu condenou o baterista da banda Mötley Crüe a seis meses de prisão por agressão à sua esposa. “O que eu observo é um bastante claro - muito perturbador, a meu ver - padrão de comportamento em que assuntos facilmente solucionáveis estão a ser resolvidos através de violência”, constatou o juiz Lawrence J Mira em tribunal. Anderson procedeu com uma ação judicial após Lee a ter atacado enquanto segurava o filho bebé dos dois - pedindo o divórcio pouco depois do incidente - com Lee a não contestar face à acusação de violência doméstica.  

Alguns anos após o incidente, Lee escreveu em The Dirt, a biografia de 2001 dos Mötley Crüe: “Não conseguia perceber o porquê de a Pamela ter prosseguido com a apresentação de queixa. Ela estava provavelmente assustada e pensou que eu era um monstro louco e violento; provavelmente pensou que estava a fazer o que era certo para os miúdos; e provavelmente queria uma saída fácil para uma situação complicada. Por mais que ame a Pamela, ela tinha um problema a lidar com as coisas”. Esta é a opinião dolorosamente insensível que Lee tem repetido ao longo dos anos - a mais recente ocasião foi num discurso no Twitter após uma entrevista em 2018 a Anderson onde abordou o abuso que sofreu. “Seria de pensar que ela encontrasse alguma coisa nova para falar em vez de remoer merdas do passado mas suponho que não tem mais nada para fazer e precisa de atenção.”   

Não existe no entanto nenhum sinal desta violenta e traumática dinâmica no primeiro trailer da série da Hulu Pam & Tommy - uma “série limitada de comédia” que, como enunciado no trailer, é “baseado no verdadeiro escândalo" da primeira sex tape de uma celebridade. Em vez, temos Seth Rogan como Rand Gauthier, o electricista frustrado que roubou o cofre do casal após Lee o ter ameaçado com uma espingarda, e Nick Offerman como o pornógrafo Milton Ingley, que copiou e vendeu o VHS de Pamela’s Hardcore Sex Video. “Porra, isto é tão… privado,” reflete o último enquanto o video começa. “É como se estivéssemos a ver algo que não era suposto, o que é exatamente o que o faz tão excitante. Se isto alguma vez é libertado…” 

Sim, o vídeo verdadeiro é - ou era - privado. Em contraste com vídeos pornográficos de celebridades atuais, não existe dúvida alguma que Lee e Anderson não tiveram qualquer envolvimento no seu lançamento. (Gauthier, por sua vez, também não tinha ideia nenhuma sobre os conteúdos do cofre que assaltou.) E, como a Pamela de Lily James salienta no trailer, a reação sexista ao vídeo corromperia a sua reputação enquanto que realçaria a persona rock ‘n’ roll de Lee. (Lee famosamente iniciou a sua biografia com uma conversa entre ele e o seu famoso pénis.) “Não é nada de especial para mim - eu estou no vídeo, tal como tu”, diz o Tommy Lee de Sebastian Stan no trailer, ao que Pamela responde, “Não, como eu não estás.” (Significativamente, quando o Ingley da vida real originalmente registou o site, escolheu os nomes pamsex.com, pamlee.com, e pamsextape.com.)  

Tudo isto levanta a pergunta: porque é que esta situação está a ser revisitada para a televisão sem o consentimento ou envolvimento de Anderson? Num clima pós #MeToo, é difícil imaginar que qualquer plataforma de streaming dê a luz verde para uma série sobre o escândalo do leak das nudes de celebridades de 2014 - muito menos se estas fotos tivessem sido tiradas no meio de uma relação abusiva. Porque é que esta situação é diferente? Em parte, eu espero, é o legado das reações das pessoas ao vídeo nos anos 90. A opinião geral do público foi que Anderson e Lee disponibilizaram o vídeo como um golpe publicitário. A Penthouse, que escreveu sobre a existência do vídeo na sua capa, acompanhada de polaroids de Pamela nua, teve os seus advogados a argumentar que, já que esta já tinha posado nua e já tinha falado sobre a sua vida sexual em entrevistas, abdicou do direito que o vídeo ficasse privado.      

O realizador Craig Gillespie está claramente consciente do medo que a sex tape gerou em Anderson e, de forma mais reduzida, em Lee. “Todos os segundos que passam, este vídeo pode estar a ser espalhado,” diz James ansiosamente. Na vida real, o casal tomou ação legal para parar a sua distribuição - eventualmente chegaram a um acordo privado com o grupo Internet Entertainment Group - mas a esse ponto o mal já estava feito. O 2000 Guinness Book of World Records deu a Anderson o prémio de “most downloaded star” na história, enquanto que um artigo da Rolling Stone reportou que milhões de websites tinham Pamela Anderson nos seus metadados numa tentativa de aumentar tráfego - independentemente se estava ou não na sua página. Em que mundo é que esta série vai fazer alguma coisa para além de dar vida ao vídeo - e sobressaltar a sua existência a uma nova geração?     

Se calhar foi Courtney Love, uma amiga de longa data de Anderson, que o disse na agora publicação apagada de Facebook em maio passado. “Acho completamente revoltante”, escreve, enquanto partilha as suas memórias de ser uma das poucas “mulheres sozinhas" a gravar música em Hollywood após o leak do vídeo. "Todos os engenheiros/produtores/proprietários estavam a ver a sex tape com imenso schadenfreude [e] gargalhadas. Foi nojento. Bani toda a gente [de] falar sobre ele. Destruiu a vida da minha amiga Pamela. Completamente.” As palavras de despedida? “Cavalheiros não aprovam este género de coisa.” 

Hayley Maitland By Hayley Maitland

Relacionados


Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024

Compras   Roteiro  

As melhores lojas vintage da Europa

22 May 2024

Moda  

For life

22 May 2024