Artigo Anterior

O orgulho de Pabllo Vittar

Entrevistas 2. 7. 2018

O que aconteceu nos bastidores de Leviano…

by Ana Carvas

 

Não ficou só nos bastidores. Leviano chega aos cinemas já no dia 5 de julho e, em antecipação à tão aguardada estreia, a Vogue falou com os atores protagonistas da primeira longa-metragem de Justin Amorim para desvendar algumas curiosidades sobre as gravações do filme.

 

A “geração mais leviana de sempre” está prestes a chegar às salas de cinema nacionais. Pela visão do realizador luso-canadiano Justin Amorim, o filme português promete quebrar tabus e desmistificar alguns preconceitos em relação à sexualidade. Mas, mais importante do que isso, chega para provar, mais uma vez, que o que é nacional é bom.

Com um elenco de luxo, do qual fazem parte nomes como Anabela Teixeira, Diana Marquês Guerra, Mikaela Lupu, Alba Baptista, José Fidalgo, Ruben Rua, João Mota, Pedro Barroso, Vitor Silva Costa, Gabriela Brooks e as gémeas Inês e Joana Aguiar, o enredo gira em torno de duas famílias, Paixão e Silva. Inteiramente rodado no Algarve, a história foca-se nos acontecimentos após um violento crime que abalou o país.

Colocámos 6 questões em cima da mesa, e este foi o resultado.

Sobre as filmagens, desde os momentos mais descontraídos aos mais sérios, chegaram-nos algumas confissões das situações mais engraçadas, dentro e fora de cena:

“Sem dúvida a dança das Doce. Os ensaios foram absolutamente hilariantes.” - Gabriella Brooks;

“Num dos dias em que filmámos durante a noite, os irmãos Silva (Leonardo, eu e o Ruben) decidimos cantar para o elenco como se fôssemos uma boys band.” - João Mota;

“Sempre que me perguntavam a mim e à Anabela Teixeira se éramos mesmo mãe e filha por sermos parecidas.” - Mikaela Lupu; 

“Na cena que tenho com o Ruben Rua na piscina dei por mim a fazer flexões para ficar com os braços mais definidos… um truque que ele me ensinou. Apesar de toda esta minha esforçada preparação, acho que na cena acaba por se notar mais a definição nos braços dele!”- Anabela Teixeira;

“Ver o Ruben Rua a sair da água” - José Fidalgo;

“Um gato, muito bonito, entrou vezes sem conta no set de filmagens e impediu o desenrolar de uma cena muito delicada, por ser trágica. Acabou por arrancar gargalhadas a muita gente.” - Vítor Silva Costa.

Quisemos também saber os grandes desafios com os quais se debateram durante as filmagens. Para Alda Gomes, o maior desafio foi “manter-me acordada durante o único dia de filmagem por causa da direta.”. Já Diana Marquês Guerra considera que foi “superar o frio no último dia de filmagens, já no inicio de Novembro onde gravámos numa ilha de Faro. Toda a equipa usava casacos de inverno e eu tinha de gravar o dia inteiro de fato de banho, constantemente a entrar e sair do mar. Acho que só recuperei a temperatura normal depois de um banho de 1 hora.”.

A forte componente musical do filme foi um desafio para Anabela Teixeira, que revelou que o seu principal obstáculo foi “entregar-me ao ritmo que o realizador definiu para a minha personagem Anita Paixão. Tive de deixar-me ir com a música que o Justin colocava em cena ou que, simplesmente, me fazia imaginar. Foram vários os momentos em que senti uma energia muito especial que define o filme.”.

 

Uma publicação partilhada por LEVIANO (@levianofilm) a

Para as irmãs Joana e Inês Aguiar foi a adaptação ao ritmo das filmagens um dos maiores desafios, uma vez que este foi o primeiro filme para ambas.

Quando pedimos aos atores que nos desvendassem um fun fact sobre o realizador, Mikaela Lupu revelou que Justin Amorim “não conhecia o trabalho de nenhum dos actores até aos castings”. Mas houve outras respostas surpreendentes:

“Um miúdo em terras de velhos do Restelo” - José Fidalgo;

“Eu e o Justin somos amigos desde os 4 anos. Lembro-me de ele estar convencido de que iria ser chefe de cozinha! ahah, felizmente não seguiu essa vontade.” - Gabriella Brooks;

“Fecha os olhos e balança-se ao vento, como uma árvore jovem ou uma planta. E é uma inspiração vê-lo nesse estado de criação.” - Anabela Teixeira;

“É sempre quem tem mais estilo no set de gravações. Tanto pode ser 80’s ou uma conjugação de cores diferente, ou até mesmo de pijama sem quase ninguém perceber. Ganha sempre!” - Diana Marquês Guerra.

Numa viagem introspectiva, os atores partiram em busca de semelhanças com as suas personagens: “A indignação é a característica mais semelhante”, afirma Alda Gomes. Para Ruben Rua, é “a maturidade, o gosto pelo desporto e o facto de não julgar a idade no amor.”. Vítor Silva Costa considera que partilha a sensatez com Niko Neves, a sua personagem, e Anabela Teixeira tem em comum com Anita Paixão a vontade de ser livre e feliz. 

Segundo Diana Marquês Guerra, “é a primeira vez que não me identifico com a minha personagem, a Adelaide é totalmente diferente de mim o que foi maravilhoso. Se tivesse de escolher algo, escolheria talvez o facto se sermos ambas pessoas reservadas.“. Já Gabriella Brooks admite que partilha com a sua personagem Soraia Lima características como ser “sedutiva, leviana e rebelde. Eu era bastante rebelde enquanto teenager. Dei umas quantas dores de cabeça à minha família durante um período.”.

Pedimos ainda ao elenco para atribuir títulos às personagens. Não foi consensual mas, como numa democracia vence sempre a maioria, estas foram principais escolhas dos protagonistas:

A mais hilariante: Carolina Paixão (Alba Baptista).

A mais odiável: Filipe Frazão (José Fidalgo).

A mais ousada: Adelaide Paixão (Diana Marquês Guerra) - quase com maioria absoluta. 

A mais sonsa: Anita Paixão (Anabela Teixeira).

Por fim, perguntámos: se Leviano fosse uma música popular portuguesa, qual seria? As respostas incluiam singles como Paixão dos Heróis do Mar, Amanhã de manhã das Doce e Azar na Praia de Nel Monteiro. Mas a principal escolha foi mesmo O corpo é que paga de António Variações.  

Artigos Relacionados

Agenda 28. 6. 2018

3, 2, 1, Ação: a sétima arte em 2018

Percorremos as próximas estreias da indústria cinematográfica e elegemos as seis que nos vão prender ao ecrã até ao último minuto.

Ler mais

Curiosidades 21. 6. 2018

Lana Del Rey, a videografia

Foi através da melancolia que transpõe para letras como Born To Die, ou Video Games, que ficámos a conhecer a cantora norte-americana. Seis anos depois do seu primeiro lançamento mais mainstream, Del Rey continua a ecoar em loop nas playlists do comum mortal.

Ler mais

Tendências 14. 6. 2018

Je suis Louis Garrel

Todos os dias são bons para celebrar o menino prodígio do cinema francês.

Ler mais

Tendências 12. 6. 2018

10 filmes LGBTQ+ para ver ou rever

O que têm em comum estas películas? Amor sem rótulos.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK