Moda   Tendências  

Na mira: She made me

24 Jul 2018
By Sara Andrade

O crochet volta a reivindicar o seu lugar no swimwear com uma adição valiosa: uma vertente de ética e sustentabilidade.

O crochet volta a reivindicar o seu lugar no swimwear com uma adição valiosa: uma vertente de ética e sustentabilidade. 

She made me é uma marca pensada pela australiana Chloé Dunlop, cujo conceito cresceu de um par de primeiras peças feitas à mão pela avó da fundadora para uma etiqueta que hoje já é uma preferida nos feeds do Instagram, ocupando espaço no saco de praia de todo o género de nomes célebres. Das Kardashian às irmãs Hemingway, não é difícil perceber o apelo desta aposta em biquinis, fatos de banho e, agora, até pronto-a-vestir. Mais do que silhuetas boho que vão trazer os seventies para as praias um pouco por todo o mundo, é a filosofia por detrás que vai deixá-la sem hesitações na hora de fazer o checkout.

Nascida em 2012, She made me saiu das mãos da avó de Dunlop para as de artesãs de Bali, destino para onde se mudou da nativa Austrália, logo no início, por forma a fazer crescer o negócio. Hoje, de volta à Costa Este do seu país natal, é das mãos dessas mesmas artesãs que saem autênticas peças de desejo, produzidas manualmente em quantidades limitadas, para garantir a sustentabilidade - "um biquini demora cerca de um dia a fazer e as nossas peças maiores de resort podem levar até uma semana", explicou à Vogue Austrália, argumentando que não é um objetivo a massificação da marca, mas antes o crescimento através da oferta de emprego a cada vez mais mulheres locais. Como espinha dorsal da marca - é do trabalho destas artesãs que surgiu o nome da etiqueta -, Dunlop procura retribuir o que as mãos de Bali lhe trazem.

Se se aguentou até este parágrafo sem pesquisar o nome da marca no Google em busca de e-commerce (não vale a pena fazê-lo, mais abaixo listamos alguns pontos de venda), há mais um argumento para ajudar a selar a paixão assolapada que está prestes a desenvolver por este swimwear em crochet: a razão pela qual Chloé criou a marca prende-se com a procura de biquínis deste género que assentassem bem. E não desistiu enquanto não o fez.

Seja uma adepta dos fatos de banho ou das versões de duas peças, há, em ambas, opções igualmente cool, sexy, naif e toda uma série de estrangeirismos capazes de veicular o toque vintage, quase Lolita, destas propostas que têm tanto de consciência ambiental como de variedade. Cuecas de cintura subida ou versões reduzidas, tops estilo bandeau, em triângulo ou crop top, as tonalidades naturais continuam a filosofia da marca, que produz todas as peças em 100% algodão.

Tradição e contemporaneidade - afinal, o que pode ser mais atual do que a sustentabilidade? - unem-se numa única marca que vai querer descobrir no site oficial e encomendar em e-shops de renome como Mytheresa.com, Shopbop.com ou Net-a-porter.com.

Sara Andrade By Sara Andrade

Relacionados


Moda  

Open Call | Time of Seasons

23 Jun 2024

Lifestyle   Tendências  

Onde está o queer nos contos de fadas?

22 Jun 2024

Moda  

Open Call | Hide and Seek

21 Jun 2024

Atualidade   Curiosidades  

Junho, o mês do orgulho

21 Jun 2024