Artigo Anterior

& Other Stories chega a Portugal

Próximo Artigo

Lupita Nyong’O junta-se a Michael Kors para a campanha solidária Watch Hunger Stop

Notícias 30. 9. 2019

A Moda sustentável e solidária de Gabriela Hearst

by Vogue Portugal

 

A designer nascida no Uruguai desenhou, em exclusivo para a plataforma de e-commerce Mytheresa, uma coleção-cápsula cujo lucro reverte a favor da organização não-governamental Save the Children. Falámos com ela sobre esta parceria, os atuais desafios da indústria e a importância de desenvolver uma marca de luxo assente na sustentabilidade.

 Gabriela Hearst

“Podes tirar a mulher do país, mas não o país da mulher.” As palavras são de Gabriela Hearst, a designer nascida no Uruguai que, através da sua marca homónima, vai dando cartas no mundo da Moda sustentável diretamente de Nova Iorque. Fá-lo desde 2015, devagar, devagarinho — porque, para ela, esta é a única forma de “fazer crescer o verdadeiro luxo” — sem nunca esquecer de onde veio e para onde quer ir. Por ter passado boa parte da sua infância e adolescência na fazenda da sua família, longe dos centros urbanos, Hearst ficou familiarizada com os conceitos de longevidade e qualidade. “Quando cresces num rancho, tens uma visão sempre à frente do acontecimento. Crias coisas com qualidade porque elas precisam de durar”, afirmava em abril de 2018, perante a audiência da CNI Luxury Conference, em Lisboa.

Qualidade é, de facto, uma palavra importante no vocabulário de Gabriela Hearst. Sustentabilidade, idem. Os dois vocábulos cruzam-se na hora de definir o trabalho da designer, que, com frequência, faz uso de materiais já existentes para criar as peças de vestuário e os acessórios da sua marca. Para a coleção-cápsula que desenhou recentemente para a plataforma de e-commerce Mytheresa, no âmbito do projeto Mytheresa Women, Gabriela Hearst seguiu a mesma lógica: 90% dos materiais que compõem as 19 peças da coleção foram reaproveitados.

Falámos com a designer sobre esta coleção exclusiva, os atuais desafios da indústria, a importância de desenvolver uma marca de luxo sustentável e o seu compromisso com a organização não-governamental Save the Children.

O que pensa sobre fazer parte da Women Series da plataforma Mytheresa?
É uma honra fazer parte de uma série que destaca mulheres que, através das suas plataformas, apoiaram outras pessoas: empreendedoras, mães e profissionais que trabalham para fazer o melhor possível.

Como surgiu esta colaboração com a Mytheresa?
Diria que começou com Michael Kliger [CEO da Mytheresa] a ser persuadido com um bom chocolate alemão. Não tenho interesse em fazer uma coleção-cápsula apenas para estar a fazer algo. A Mytheresa é uma plataforma tão incrível que eu queria criar algo com propósito. Dado o meu envolvimento com a [ONG] Save the Children, pensei logo na Eglantyne Jebb, a sua fundadora, e nela tomei inspiração para a coleção. A paleta de cores surge das cores usadas no logotipo icónico [da Save the Children; branco, vermelho e preto]. 20% das receitas obtidas com a venda desta colaboração irão apoiar a campanha global do centenário [da organização]. Tenho uma profunda admiração pelo trabalho passado, presente e futuro da Save The Children.

Gabriela Hearst.

A sua educação no Uruguai influencia a sua estética e design?
Sim. Eu costumo dizer que podes tirar a mulher do país, mas não o país da mulher. Preciso de um certo espaço, de limpeza e de um certo nível de harmonia e paz, que advém do estar na natureza. E, ao mesmo tempo, estou sempre a olhar para o aspecto utilitário que tens, quando cresces numa fazenda. E, obviamente, também penso no aspeto sustentável, porque quando cresces num local tão remoto, tendes a estimar realmente aquilo que tens, porque não podes entrar numa loja e comprar qualquer coisa. Só precisas de ter qualidade. Tudo isto está na essência da nossa coleção.

Como é que, na sua marca homónima, desenvolveu uma abordagem sustentável?
Começámos por ter dois valores principais: uma visão a longo prazo e sustentabilidade. Em todas as decisões que tomamos, verificamos sempre estes valores.

 

Quão importante é para si ver o setor tornar-se mais responsável na promoção da sustentabilidade?
Acho que é fundamental. A importância é uma necessidade real, porque não podemos continuar como estamos, precisamos de descobrir o caminho para fazer aquilo que amamos e em que somos bons. Precisamos de pensar no negócio que estamos a criar, mas também no custo real para o mundo e para a nossa própria humanidade. Precisamos de repensar como fazemos as coisas. O lado positivo disso é que já existem todas as ferramentas, agora só precisamos de fazer as alterações.

Qual considera ser o maior desafio que enfrentamos, atualmente?
O consumo excessivo, o existirmos sem estarmos em contato com a nossa humanidade. Precisamos de entender que estamos todos conectados. O mundo inteiro está a enfrentar uma crise de mudanças climáticas e precisamos de reconhecer esta crise e de agir.

Como olha para a nova onda da Moda norte-americana? E como gostaria de a ver desenvolvida?
Acho que vivemos num mundo global e acho que a América, atualmente, está a passar por muitas mudanças, e alguma turbulência. Acho que estes são momentos ótimos para os criativos expressarem as sua visões, as suas ansiedades e novos caminhos para onde queremos ir. Acho que quando existe um desafio, existe sempre uma oportunidade.

Como deseja fazer crescer a sua marca?
Só existe uma maneira de conseguir fazer crescer o verdadeiro luxo, e é devagar. Há quase cinco anos que controlamos o nosso crescimento e garantimos que crescemos organicamente. Passo a passo, é assim que se faz. Tenho muita clareza quanto à missão das minhas coleções durante a minha vida. Depois, haverá outra pessoa para pensar sobre isso, na próxima.

Gabriela Hearst.

O que é mais importante para se ser bem sucedido, a ambição ou o talento?
Tenho dificuldade em ver-me como alguém bem-sucedida. Acho que o que é preciso é ter um pouco de coragem. E de ter ambição e talento. E, acima de tudo, é preciso ter perseverança para se trabalhar muito. Mais do que ter talento, mais do que ter ambição, é preciso ter perseverança.

Tem um estilo de vida muito agitado. Como lida com o stress?
Eu faço ioga três vezes por semana e trabalho com meu treinador, Jake, a quem me refiro como "o lutador da gravidade". Também medito diariamente por vinte minutos e leito bastante. Ainda é muito difícil [lidar com o stress], mas é preciso fazer estas coisas, porque a saúde é a prioridade número um.

Quem é seu ícone de estilo?
Lauren Hutton.

 

A coleção Gabriela Hearst x Mytheresa já está disponível no site da plataforma.

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK