Estilo   Pessoas  

Janis Joplin: a vida de uma lenda do rock

19 Jan 2022
By Marie Périer

Ícone feminino do Summer of Love e membro do Clube dos 27, Janis Joplin carimbou a indústria musical com a sua atitude rebelde e uma voz rouca. Olhemos para a curta e turbulenta vida da mulher que se tornou numa lenda do rock.

Janis Joplin em concerto, 06 de agosto de 1970 © Getty Images
Janis Joplin em concerto, 06 de agosto de 1970 © Getty Images

Ícone feminino do Summer of Love e membro do Clube dos 27, Janis Joplin carimbou a indústria musical com a sua atitude rebelde e uma voz rouca. Olhemos para a curta e turbulenta vida da mulher que se tornou numa lenda do rock. 

A infância no Texas

Janis Joplin, circa 1962 © Getty Images
Janis Joplin, circa 1962 © Getty Images

Janis Lyn Joplin nasceu a 19 de janeiro em Port Arthur, Texas.Teve uma infância calma de classe média alta - o pai trabalhava na indústria do petróleo - frequentava a igreja com os pais e os dois irmãos. As coisas começaram a mudar durante o secundário e mais tarde nos anos da universidade. Mostrando um grande interesse pelas artes e defendendo a comunidade negra, Janis não se enquadrava nos espaços habituais e foi rejeitada pelos seus pares. O facto de ter tido acne severo e “estar acima do peso” não ajudou, acabando por ser nomeada “a pessoa mais feia do campus” durante o curto espaço de tempo que frequentou a Universidade do Texas, em Austin. Escusado será dizer que regressou para uma school reunion no auge da sua carreira na década de 70. 

Uma artista com uma mente perturbada

© Michael Ochs Archives/Getty Images
© Michael Ochs Archives/Getty Images

Maltratada pelos seus colegas de turma, Janis Joplin cresceu com uma fúria constante. No entanto, a sua postura rebelde escondeu uma alma bondosa: “As pessoas esperam que Janis Joplin seja uma cabra e dizem que começo a falar com elas como uma menina solitário - isto não é a imagem que têm de mim - elas não a vêem.” Depois de sair de casa aos 17 anos, em 1963, começou a cantar nos cafés de Houston. Três anos mais depois, partiu sozinha à boleia para São Francisco, capital mundial dos beatniks. Enquanto cantava em bares, melhorou a sua voz e técnica vocal, revelando o som rouco que a tornou mundialmente famosa. Janis Joplin expressava os seus sentimentos através das suas canções. Sentimentos reprimidos, raiva, solidão e fracasso foram reunidos em letras e nas suas fortes atuações ao vivo. Aos 23 anos, Joplin tinha-se tornado numa instituição dos anos 60: sexo, drogas, álcool e rock’n’roll.

O sucesso foi curto mas doce

© Michael Ochs Archives/Getty Images
© Michael Ochs Archives/Getty Images

4 de junho de 1966. O dia em que a carreira de Janis Joplin deu um salto. Através do produtor Chet Helms juntou-se à banda de rock psicandélico Big Brother and The Holding Company. Em junho do ano seguinte, a atuação da banda no Festival de Monterey, local onde nasceu o movimento Flower Power, foi um triunfo. O público ficou impressionado com a atuação incrível de Joplin, que possuía uma voz rouca e incrível. “É uma experiência emocional e física,” disse na época. Após o concerto foi oferecido à banda Big Brother um contrato com a Columbia Records e em agosto de 1968 foi lançado o álbum Cheap Thrills. Mas o coração de Janis Joplin já não estava lá. No final desse ano, Janis Joplin deixou a banda e formou a Kozmic Blues Band, cujas vibrações eram uma mistura de funk, blues, soul e pop. A 16 de agosto de 1969, Janis Joplin e a Kozmic Blues Band atuaram no icónico Festival Woodstock. De volta aos velhos vícios, a cantora usou uma mistura de álcool e cocaína para se acalmar. O cocktail explosivo provocou um mau desempenho. Tanto que Janis Joplin pediu aos organizadores do festival para deixarem a sua atuação fora do vídeo. A Kozmic Blues Band separou-se em dezembro de 1969. Ao gravar o primeiro álbum, Pearl, sofreu uma overdose de cocaína num hotel em Los Angeles. Tinha 27 anos. O auge da sua carreira durou apenas quatro anos, mas a música de Joplin ainda hoje deixa a sua marca. 

O Clube dos 27

© Michael Ochs Archives/Getty Images
© Michael Ochs Archives/Getty Images

Foi em outubro de 1970 que Janis Joplin morreu. “As bebidas estão no Pearl” tinha escrito no testamento alguns dias antes da sua morte, deixando dois mil e quinhentos dólares para um festa  após a sua morte. O seu amigo Jimi Hendrix tinha desaparecido três semanas antes. Ambos entraram no lendário clube dos 27, o grupo póstumo de lendas do rock que morreram subitamente no auge da sua breve carreira. “Live fast, die young” poderia ser o lema dos membros Alan Wilson, Brian Jones, Robert Johnson, and later Jim Morrison, Kurt Cobain e Amy Winehouse. Se Summer of Love marcou o início do movimento Flower Power, o Festival de Monterey também revelou três lendas musicais: Jimi Hendrix, Janis Joplin, e Otis Redding (falecido aos 26 anos de idade). Uma coincidência infeliz que veio reforçar o mito.

Hippie chick

© Getty Images
© Getty Images

Embora mais beatnik do que hippie, Janis Joplin tornou-se numa figura do Summer of Love. A sua aparência convencional transformou-se num estilo mais livre e natural. O seu rosto inchado do consumo regular de álcool e drogas, o seu cabelo selvagem e despenteado. Usava óculos redondos e jóias de penas misturando materiais preciosos como seda e cetim com bijutaria e anéis de brincar. Calças de ganga rasgadas, casacos bordados, vestidos fluidos soltos... Era uma hippie chick icónica. Tal como era a sua atitude. Joplin bebia o seu licor favorito no palco e insultava o público num estado de embriaguez com copiosos "cabrões". "Eu só quero sentir o máximo que posso", disse, "é disso que se trata a alma”.

Uma verdadeira artista

 

Quando criança, Janis Joplin gostava de desenhar, e cresceu a pensar que seria pintora. Retratava a sua família, desenhava estranhos. As galerias ainda hoje mostram os seus estudos e as suas impressões serigráficas. A música veio mais tarde, na adolescência, quando desenvolveu uma paixão pelo ritmo e pelo blues e pelos gostos da Big Mama Thornton. Foi quando descobriu quão poderosa a sua voz podia ser: uma forma forte e direta de expressar os pensamentos melancólicos que já tinha escrito como poemas, como a canção One Good Man (1969) com a sua melancolia e tristeza, Janis Joplin sentiu-se mais próxima da Geração Beat, um movimento artístico anterior. "Os hippies acreditam que o mundo poderia ser um lugar melhor. Os Beatniks acreditam que as coisas não vão melhorar, ficar pedrados e divertir-se". Um bom momento, certamente que se divertiu. Quando cantava, em palco, todo o seu corpo atuava como se estivesse num estado de transe. Foi isso que fez a sua arte. "Sempre quis ser uma artista", afirmou, "o que quer que isso fosse. Como outras miúdas queriam ser hospedeiras. Eu lia. Eu pintava. Eu pensava”.

Uma fonte de inspiração

© John Byrne Cooke Estate/Getty Images
© John Byrne Cooke Estate/Getty Images

"As superestrelas desvanecem-se, mas as heroínas culturais morrem", escreveu a revista Rolling Stone em outubro de 1970. Mesmo com uma carreira curta, Janis Joplin entrou para a música e marcou para sempre a história americana. Após o anúncio da sua morte, fãs afluíram à sua casa em Larkspur, a norte de São Francisco, substituindo a sua caixa de correio por um sinal "This is Temporary Hell" (Isto é Inferno Temporário). Janis Joplin tem inspirado gerações de artistas como Pink, Florence Welch, e Stevie Nicks. Ajudou mulheres cantoras e músicas a encontrar o seu lugar numa indústria quase exclusivamente masculina nos anos 60. Até hoje, os seus álbuns e obras de arte continuam a ser vendidos como bolos quentes. Em novembro de 2013, foi galardoada com uma estrela na Hollywood Boulevard Walk of Fame. Várias biografias foram também publicadas, incluindo uma versão controversa em 1974 por uma ex-namorada, Peggy Caserta. Depois de um documentário lançado em 2015, fala-se de uma biopic para o grande ecrã. Janis Joplin continua a viver. Veja este espaço.

Marie Périer By Marie Périer

Relacionados


Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024

Compras   Roteiro  

As melhores lojas vintage da Europa

22 May 2024

Moda  

For life

22 May 2024