Estilo   Pessoas  

Dorothy Todd, a diretora homossexual da Vogue que abriu o caminho para a visibilidade LGBTQIA+ nos media

03 Jun 2020
By Rosalind Jana

Com uma inteligência sem igual e implicitamente queer, o reinado de Dorothy Todd durou pouco, mas foi radical. Gertrude Stein e Virginia Woolf tornaram-se colaboradoras, enquanto que o trabalho de Jean Cocteau e Man Ray apareceu junto pela primeira vez. Hoje, revisitamos um capítulo amplamente esquecido da história LGBTQIA+.

Com uma inteligência sem igual e implicitamente queer, o reinado de Dorothy Todd durou pouco, mas foi radical. Gertrude Stein e Virginia Woolf tornaram-se colaboradoras, enquanto que o trabalho de Jean Cocteau e Man Ray apareceu junto pela primeira vez. Hoje, revisitamos um capítulo amplamente esquecido da história LGBTQIA+.

Em 1922, Dorothy Todd - uma mulher homossexual a entrar na casa dos 40, descrita como “uma mulher cheia de energia e um génio” pela escritora Rebecca West - tornou-se a segunda diretora da Vogue britânica. A sua assistente era uma australiana elegante de 24 anos chamada Madge Garland e, ao longo do mandato de Todd, as duas apaixonaram-se. Parceiras na vida e no trabalho - Garland destacou-se como editora de Moda - moravam juntas em Chelsea, Londres, e eram anfitriãs de grandes festas. A dupla elevou a Vogue britânica de uma revista sobre “chapéus e vestidos” para uma publicação com intenções vanguardistas. 

Sob a liderança perspicaz de Todd, os editoriais de Moda estavam ao lado de artigos dedicados à arte e à literatura moderna. Convenceu escritoras como Virginia Woolf, Vita Sackville-West, Edith Sitwell e Nöel Coward a escreverem artigos e ensaios, a pintora Vanessa Bell a fazer críticas de arte, a romancista Gertrude Stein a contribuir com poesia e o filósofo Aldous Huxley a tornar-se num membro da equipa. A Vogue britânica foi a primeira revista a apresentar o trabalho do poeta Jean Cocteau e do artista Man Ray lado a lado, a visão de Todd para a Vogue - auxiliada por Garland, que trouxe também colaboradores, incluindo o fotógrafo Cecil Beaton - era completamente moderna, inteligente e queer, quer no tom quer na estética. 

Da cena literária lésbica em Paris, da qual Stein era uma peça importante, até ao camp que Beaton fotografava, a publicação editada por Todd respondia a uma era em que a arte e a estética queer ajudaram a definir aspetos determinantes da vida cultural. Infelizmente, o seu projeto teve uma vida curta. Todd foi despedida em 1926 depois de uma queda nas vendas e da insatisfação dos seus superiores em relação à direção demasiado contemporânea da Vogue. 

Incursões de Virginia Woolf em “frock consciousness”

Entre 1924 e 1926, Woolf escreveu cinco artigos para a Vogue britânica. Para sempre ambivalente em relação à tensão entre arte e comércio. O relacionamento da escritora com a revista - e com Todd e Garland, que lhe deram dicas de estilo, levando-a mesmo às compras - foi também uma ambivalência curiosa, influenciando enormemente as suas preocupações literárias.

Em 1925, Woolf escreveu no seu diário: “As pessoas têm vários estados de consciência: e eu gostaria de investigar a consciência do partido, a consciência do vestido.” Essa observação foi estimulada pelo seu status de outsider “do mundo da Moda” numa festa realizada pelo diretor de fotografia da Vogue Maurice Beck. O seu desejo por investigar esses estados de consciência levaria a alguns contos fantásticos, incluindo o The New Dress e grande parte da base para Mrs Dalloway: um livro com o seu próprio conjunto de tons queer e preocupações com a superfícies, profundada, o vestuário e a dinâmica social de uma festa muito antecipada.

A evocação de Woolf sobre a “consciência de um vestido” é frequentemente mencionada, assim como a frase do Orlando sobre a capacidade da roupa “mudar a nossa visão do mundo e a visão do mundo sobre nós.” As suas observações sobre os desafios e os prazeres da roupa são agora modestas. O mesmo acontece com Woolf - que, quase um século depois da sua primeira aparição na Vogue britânica, se tornou numa figura popular no universo da Moda. 

O Bloomsbury Group - uma das afinidades mais duradouras da Moda

Uma mera menção ao Bloomsbury Group evoca imagens de grandes cardigans e flores desbotadas. Mas, nos últimos anos, houve um grande foco renovado em vários aspetos específicos da vida e obra de Woolf, particularmente aqueles relacionados com as questões de género, sexualidade e Moda pessoal.

Em setembro de 2016, Christopher Bailey recorreu ao poeta frustrado e ao viajante do tempo Orlando para uma coleção barroca da Burberry com muitas rendas, laços e calças em seda. No início deste ano, Clare Waight Keller dedicou o seu desfile de Alta-Costura da Givenchy ao relacionamento entre Woolf e Vita Sackville-West, imortalizado nas cartas que ambas trocavam. Um missiva típica de Woolf: “Esquece o teu homem, e […] jantamos juntos no rio, passeamos no jardim ao luar e voltamos para casa tarde, bebemos uma garrafa de vinho e ficamos embriagados.”

Victoria Sackville-West © Sasha/Getty Images
Victoria Sackville-West © Sasha/Getty Images

O ponto alto deste foco seria a Met Gala deste ano, agora adiada, About Time: Fashion and Duration. Baseando-se, em parte, na adaptação cinematográfica de Orlando, por Sally Porter, em 1992, onde Woolf serviria de “narradora de fantasmas”, com as suas palavras a emoldurar o relacionamento da Moda com o tempo. 

É notável que o interesse atual em Woolf esteja tão intimamente ligado à sua própria estranheza. Afinal, Orlando não figura somente como um exame surpreendentemente contemporâneo da identidade de género, mas também como uma longa carta de amor à elegante e complicada Sackville-West. A Moda é frequentemente vista como um refúgio para quem transgride as expectativas normativas e continua a invadir a vida daqueles que desafiaram as convenções. Uma indústria feita de auto-invenção e grandes fantasias, atraiu um grande número de editores, escritores, fotógrafos, designers, stylists queer ao longo das décadas. Porém, continua a ser um espaço contraditório: que responde a imagens, ideias e pessoas subversivas, e responsável por reforçar os ideais mainstream. 

O legado de Dorothy Todd

A história queer da Vogue, tanto no Reino Unido como em outros países, continua a ser feita nos dias de hoje. Felizmente, hoje em dia pode ser explorada e reconhecida de uma forma muito mais explícita. A série Feminine/Masculine da Vogue Itália, por exemplo, visa explorar a evolução das identidades de género através de um projeto fotográfico. Modelos transgénero, como Valentina Sampaio, são rostos de grandes campanhas e capas Vogue, enquanto que a influência da estética e das imagens lésbicas é abertamente reconhecida, ao invés de ser lida nas entrelinhas.

É um mundo distante do modernismo nítido de Dorothy Todd e das suas referências codificadas, mas o setor permanece em dívida com ela e muitas outras figuras queer que ao longo do caminho ajudaram a moldar o passado e o futuro da Moda.

Rosalind Jana By Rosalind Jana

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024