Atualidade   Entrevistas  

Dakota Johnson fala sobre The Lost Daughter, as gravações nas ilhas gregas e sobre Paul Mescal

31 Jan 2022
By Radhika Seth

A atriz fala sobre a representação complicada da maternidade no seu novo filme, o seu próximo drama histórico e sobre partilhar os seus segredos mais profundos com a estrela de Normal People.

A atriz fala sobre a representação complicada da maternidade no seu novo filme, o seu próximo drama histórico e sobre partilhar os seus segredos mais profundos com a estrela de Normal People.

© Getty Images
© Getty Images

Dakota Johnson é instantaneamente reconhecível no ecrã. Com o seu sorriso e franja perfeita, a atriz de 32 anos já encantou o Christian Grey, de Jamie Dornan, nos filmes 50 Shades of Grey, maravilhou os críticos com A Bigger Splash, provou ser uma mulher magnética em How To Be Single e conquistou corações com The Peanut Butter Falcon. Mas, em The Lost Daughter - a estreia fantástica de Maggie Gyllenhaal na realização, adaptada do livro homónimo de Elena Ferrante - pode levar um momento a identificar Johnson quando chega ao seu olhar.

A atriz interpreta Nina, uma jovem mãe com cabelo preto longo, olhos delineados com lápis, inúmeras tatuagens e um guarda-roupa de calções de ganga, fatos de banho pequeninos e argolas douradas. Está de férias na Grécia com a sua filha, Elena (Athena Martin) e o resto da sua família barulhenta e estranhamente rica de Queens. Quando os conflitos começam, ela fica atenta e inquieta. A observá-la está Leda (Olivia Colman), uma professora de línguas numa viagem solitária. Também nas suas órbitas estão dois homens com boas intenções: o cuidador grisalho da casa onde Leda está hospedada (Ed Harris) e um estudante (Paul Mescal), que passa os seus verões a trabalhar na praia. As suas vidas são importunadas quando Elena de repente desaparece, deixando Nina perturbada e Leda a relembrar o seu passado tumultuoso com duas filhas. O produto final é um estudo sensível da desilusão, ambição e ambivalência maternal e é impossível tirar os olhos de Colman impulsiva e Johnson enigmática.

Com a chegada do filme às salas de cinema portuguesas, no dia 03 de fevereiro, Dakota Johnson fala sobre as filmagens durante a pandemia nas ilhas pitorescas de Spetses, a referência de Megan Fox para este papel e como subornava a jovem atriz que interpretava a sua filha.

The Lost Daughter é uma linda adaptação. Foi o guião que a atraiu?

É um guião incrivelmente bonito e a Maggie (Gyllenhaal) e eu tivemos uma reunião. Foi muito honesto e comovente. Falámos mais algumas vezes e depois ela deu-me o papel. Foi durante a pandemia, por isso eu e a Maggie passámos muito tempo no Zoom, a falar e a enviar músicas, fotografias e recomendações de filmes uma à outra. A Maggie tem uma forma incrível de trabalhar com atores porque ela é atriz. Ela fez-nos sentir tão seguros. Senti que podia ir ao extremo em qualquer direção e alguém cuidaria de mim. Tanto disto foi só por querer estar perto dela (risos).

Quais foram esses filmes, músicas e fotografias?

Foi quando estávamos a falar sobre a caracterização, o cabelo e qual seria o look da Nina. A certo ponto estávamos muito interessadas na Rosalía. Depois, eu mandei à Maggie fotos antigas da Megan Fox. Ela tinha uma sexualidade que a parecia aborrecer e eu gostava disso. É quase como se o que a Nina estivesse a usar fosse o seu uniforme, mas ela fosse crescida demais para ele. É um uniforme rebelde e talvez esta seja a autoimagem que formou de si e agora está presa nela, ou talvez foi formada para si por causa do seu aspeto. É mais sobre ela querer libertar-se das amarras dessa identidade. Ela é muito mais do que aquilo que a sua família lhe permite.

Como foi chegar à Grécia com este elenco incrível enquanto o resto do mundo estava em confinamento?

Sou privilegiada por poder fazer disto o meu trabalho, mas gravar um filme na Grécia durante a pandemia quando as pessoas estão trancadas nos seus apartamentos e a sonhar com a praia? Foi verdadeiramente uma sorte e todos nós nos apercebemos. É uma ilha mesmo pequena e todos estiveram mais ou menos envolvidos no filme. As raparigas que trabalham no café local também participaram como extras. Estávamos todos juntos numa bolha e tornamo-nos próximos.

A jovem atriz, Athena, que interpretou a sua filha, é maravilhosa. Como se aproximaram?

Ela tinha quatro ou cinco anos quando estávamos a gravar. É confuso nessa idade e fizemos daquilo um jogo. Queria que ela se sentisse segura e à vontade, por isso a minha estratégia foi o suborno. Eu disse ‘vou dar a esta miúda sacos de doces’. Ela aceitou, mas não ficou muito impressionada (risos).

Como foi trabalhar com a Olivia Colman? A Nina e a Leda passam muito tempo juntas só a olhar uma para a outra. 

Divertimo-nos imenso. Somos boas amigas agora e eu gosto muito dela. A Maggie deu-nos um espaço seguro para podermos brincar. Nós não tínhamos conversas muito profundas sobre a relação entre a Nina e a Leda, e ainda não temos. Há tantas camadas nessa relação. Perguntas para onde caminham da mesma forma que elas o fazem. Mas, quando não estávamos a gravar, eu e a Olivia não falávamos sobre isso. Bebíamos vinho (risos).

E o Paul Mescal? Era fã do seu trabalho em Normal People?

Oh meu deus, sim. Super fã! No primeiro dia de filmagens, eu e o Paul tivemos uma cena intensa. Não nos conhecíamos, ele estava um pouco nervoso e eu empática. Para que todos estivessem à vontade, contei-lhe todos os meus segredos mais profundos (risos). Agora, somos muito próximos. Ele é um ser divinal. Este foi o seu primeiro filme. Estou muito orgulhosa dele.

E além de trabalhar com todos estes atores fantásticos, o que é que a cativou no papel da Nina, esta mulher misteriosa que quer ser mais do que uma mulher sensual na praia?

Não é tanto que ela queira ser algo mais, ela é algo mais. Mas talvez tenha crescido numa família ou numa sociedade onde não a deixam ser mais ou não a conseguem ver pelo que ela é. Isso é muito interessante para mim. Há tantas pessoas diferentes em nós. A Nina está a perder-se e quando conhece a Leda pensa ‘haverá algo mais para mim? A minha mente pode ser menos sedenta? Posso estar mais satisfeita?’ O que mais magoa é que ela provavelmente nunca o será e essa é a verdade de tantas mulheres.

Espera que este filme faça as pessoas questionar os seus preconceitos sobre a maternidade?

Estou muito interessada neste mundo onde as mulheres não podem sentir as suas emoções, estejam assustadas ou desconfortáveis. Não sou mãe ainda, mas o que me interessa é que este filme dá permissão às mulheres que são mães para sentir todas as emoções complicadas que surgem. E permite às mulheres que não são mães ou que não querem ser mães sentir-se como se sentem. Ainda há estigma à volta de algumas mulheres por não quererem ser mães e eu só penso: porquê? Talvez isto seja um empurrãozinho para o fim do estigma destes sentimentos complicados acerca da maternidade e de ser mulher.

Em breve vamos poder vê-la em Persuasion, não é verdade?

Persuasion foi tão divertido. Fazer um filme de Jane Austen é o sonho e só há alguns por aí, por isso sinto-me incrivelmente sortuda. O elenco é fantástico e o nosso realizador, Carrie Cracknell, é espetacular. Acho que ainda estão a editar, mas estou tão curiosa para ver como fica.

E, para além disso, como sente acerca do estado do mundo neste momento?

Estou com o coração profundamente partido e não há outra forma de o dizer. Acredito nas pessoas, na bondade e na nossa habilidade de evoluir, e entendo que por vezes as coisas têm de piorar antes de melhorar, mas é duro. É uma altura angustiante para a maior parte do mundo. Como indivíduo, sentes-te sem esperança, mas tudo o que podemos fazer é ajudar-nos uns aos outros. Espero mesmo que as coisas melhorem em breve. 

Radhika Seth By Radhika Seth

Relacionados


Opinião  

Got Milk?

18 May 2024

Moda  

12 small brands que vale (muito) a pena conhecer

17 May 2024

Notícias  

As melhores lojas vintage de Lisboa

17 May 2024

Curiosidades  

Os 6 álbuns de vingança mais famosos da história da música

16 May 2024