Moda   Coleções  

Copenhagen Fashion Week: as 7 coleções incontornáveis

16 Aug 2022
By Pedro Vasconcelos & Mariana Silva

Os olhos do mundo da Moda focaram-se na capital dinamarquesa para o maior evento de Moda sustentável do ano.

Os olhos do mundo da Moda focaram-se na capital dinamarquesa para o maior evento de Moda sustentável do ano. À medida que a Semana de Moda de Copenhaga assume proporções inéditas, também o conceito de estilo escandinavo se expande.

GANNI

Ganni mantém-se um dos staples da Copenhagen Fashion Week, apresentando uma coleção que qualquer Ganni Girl idolatraria. Se os primeiros looks nos induziram a pensar que, como no passado, este seria um desfile pautado por cores garridas, Ditte Reffstrup, a designer da marca, surprendeu-nos. Aproveitando a temática de BMX e outros desportos radicais, as silhuetas evoluíram dos estilos mais doces associados à marca para algo diferente, mais arrojado, provando que Ganni, independentemente do seu sucesso, tem espaço para expandir a sua imagem de marca.

Os destaques: cores garridas, color blockbiker, transparências.

ROTATE BIRGER CHRISTENSEN  

As influencers Jeanette Madsen e Thora Valdimarsdottir lideram ROTATE Birger Christensen, uma das marcas encaminhadas para se tornarem a next big thing. Intercalando vestidos cuidadosamente bordados com looks mais casuais, a coleção de primavera/verão da marca brinca com a noção de cor, variando do preto monocromático para cores garridas e pastel. Com um foco notório em vestidos apropriados para qualquer festa, ou melhor ainda, para qualquer foto de Instagram, ROTATE Birger Christensen cria peças como se de boosts de confiança se tratassem.

Os destaques: transparência, metálicos, lantejoulas, cores pastel. 

LOVECHILD 1979

Esta foi a coleção de estreia de Mia Kaapelgaard enquanto diretora criativa da marca dinamarquesa. Fiel aos traços escandinavos da Lovechild 1979, Kaapelgaard embarcou numa paleta de cores sóbrias, por vezes intercaladas com looks monocromáticos em tons de rosa e roxo, e adotou silhuetas oversize, principalmente em casacos e camisas. Entre essas, destacam-se as camisas esvoaçantes, cuja abertura na cintura permite combinar a ousadia das novas tendências com a elegância dos clássicos que já associamos à Lovechild 1979.

Os destaques: casacos estruturados, silhuetas oversize, padrões florais, tons neutros.

HELMSTEDT

Emilie Helmstedt, a força criativa por detrás de Helmstedt interpreta cada coleção como uma chance de dar a conhecer um mundo novo. Numa abordagem refrescante para o mundo da Moda, tantas vezes sério demais, a marca dinamarquesa quebra o molde, assumindo referências a conteúdo juvenil ou infantil. Na coleção de primavera/verão 2023, o foco foi em folclore islandês, com formas e silhuetas exageradas, que se assemelham a verdadeiras ilustrações vivas. Para além da explosão de cor que se tornou uma identidade de marca, foram introduzidas peças mais wearable, como vestidos slip ou biquínis a complementarem a viagem psicadélica que é uma coleção da Helmstedt. 

Os destaques: cores pastel, fantasia, silhuetas exageradas, padrões florais.

BAUM UND PFERDGARTEN

A identidade de Baum und Pferdgarten sedeia-se na ideia de contraste, não fosse a marca o produto criativo das designers Rikke Baumgarten e Helle Hestehave. A coleção de primavera/verão 2023 volta a apostar no contraste divertido que se tornou sinónimo da marca. Desde padrões que totalizavam os corpos das modelos a poderosos color blocks, passando por uma clara homenagem a ganga, as propostas de Baum und Pferdgarten destacam-se mais uma vez pelo seu ecleticismo. 

Os destaques: color block, padrões animais, ganga, anos 80. 

SAKS POTTS

A marca liderada por Barbara Potts e Catherine Saks já é um nome sonante no calendário da Semana de Moda de Copenhaga desde 2014 e, este ano, reforçou a sua posição. Após uma fase de transição, em que a marca aboliu a utilização de pelo animal nas suas coleções, o desfile de primavera/verão 2023 da Saks Potts foi um conto de fadas da vida real. Inspirado em Maria, Princesa Herdeira da Dinamarca, durante os seus primeiros anos no país, esta coleção mistura o estilo minimalista com twists boémios. É uma homenagem clara aos anos 2000, corroborando muitas das tendências Y2K que já começavam a surgir nos nossos moodboards. 

Os destaques: pele, franjas, lantejoulas, cintos, metalizados, low waist. 

SOULLAND

No que foi certamente a coleção mais viral da Copenhagen Fashion Week, Soulland intercalou peças fieis à sua identidade com referências bastante literais a Hello Kitty. Desde a sua conceção, a marca procura alcançar o equilíbrio entre a estética skater e a Moda, e, nas suas propostas para primavera/verão 2023, Soulland compromete-se à causa, apresentando uma coleção com um foco específico em roupa sem género e alusões anedóticas. Tal é o caso da gata animada predileta do mundo da Moda, que apareceu não só na forma de relevo em vários acessórios, como em padrões em fatos e sets. A forma quase cómica como Silas Adler intercala a sua estética com a iconografia de Hello Kitty é justificada pelo mesmo: "(...) colaborações devem ser divertidas e um pouco irónicas."

Os destaques: bombazina, Hello Kitty, camp, pele.

Pedro Vasconcelos & Mariana Silva By Pedro Vasconcelos & Mariana Silva

Relacionados


Notícias  

Westwing já está em Portugal

27 May 2024

Moda  

Chiaroscuro

24 May 2024

Opinião  

O problema não és tu, é a tua mãe

24 May 2024

Pessoas  

Taylor Swift atua em Lisboa e traz consigo novos visuais para a The Eras Tour

23 May 2024