Opinião  

Sandra Cunha: "Não estamos ainda livres do preconceito e da homofobia"

12 Jun 2019
By Sandra Cunha

No mês do orgulho LGBTQI+, damos a palavra a Sandra Cunha, socióloga e deputada do Bloco de Esquerda, para escrever sobre o seu coming out na primeira pessoa.

No mês do orgulho LGBTQI+, damos a palavra a Sandra Cunha, socióloga e deputada do Bloco de Esquerda, para escrever sobre o seu coming out na primeira pessoa.

Sandra Cunha © D.R

Filha de imigrantes, nascida em França, regressei a Portugal pouco tempo após a revolução de abril, em 1978. Posso dizer que tive uma infância tremendamente feliz. A quantidade de árvores e animais, o vento forte e o cheiro a mar preenchem as minhas primeiras memórias de Portugal. Lembro-me da irritação que provocava ao meu pai de cada vez que tinha de me resgatar dos topos das árvores às quais subia, mas das quais tinha medo de descer. Lembro-me do meu primeiro cão, que amei desmesuradamente, da excitação de começar a escola e de entrar na adolescência a ler tudo o que me passava pelas mãos. Os livros que a minha mãe escondia no móvel do hall ou os que a minha irmã, nove anos mais velha que eu, guardava no quarto e até as enciclopédias médicas que o meu pai insistia em encomendar.

Lembro-me de que foi durante os ensaios para uma peça de teatro sobre a evolução humana, no 6º ano de escolaridade e na qual eu devia representar o papel de uma mulher obediente e submissa, que nasceu a convicção de que a igualdade de género é condição para uma sociedade livre, igualitária e justa. Foi por essa altura que percebi que o mundo era diferente para rapazes e raparigas e que descobri também que a minha vida não era a vida de todas as crianças. Mas foi somente no 9º ano de escolaridade que uma rapariga sardenta de caracóis cerrados abalou o meu mundo. Susana, chamava-se. Éramos próximas e lembro-me de sentir o estômago às voltas de cada vez que chegava à escola e de o coração disparar quando dávamos as mãos. Nunca trocámos mais do que carinhos e nunca falámos sobre o que significava. Há 30 anos não se falava de homossexualidade. No máximo trocavam-se comentários em surdina sobre uma qualquer figura pública, necessariamente excêntrica. Um Prince ou um António Variações. Não havia associações, grupos de apoio, nem informação. Não havia Internet e na escola não se conhecia ninguém que se assumisse como gay ou lésbica. Não havia com quem falar nem a quem perguntar.

"Há 30 anos não se falava de homossexualidade. No máximo trocavam-se comentários em surdina sobre uma qualquer figura pública. (...) Não havia associações, grupos de apoio, nem informação."

Ajustei-me ao que julgava ser esperado de mim. Tive namorados e nunca namoradas. Aos 20 e poucos anos regressei a Paris e vivi o meu primeiro grande amor. Partilhámos casa e uma relação disfarçada de amizade. Regressei a Portugal três anos depois, onde novamente procurei viver a vida que acreditava ser a esperada de mim. Vivi com o meu melhor amigo e fui feliz em muitos momentos. Conto entre eles a adoção da nossa filha, na altura com sete anos, e que hoje é uma jovem mulher absolutamente extraordinária, solidária, aberta, empática, determinada e com um enorme sentido de justiça. Mas nem toda a felicidade do mundo conseguia disfarçar um sentimento de insatisfação e vazio persistente. Procurei preenchê-lo de todas as formas. Fui mãe, trabalhadora-estudante, abri uma loja, fui voluntária, ativista, criei uma associação, candidatei-me às eleições autárquicas pelo Bloco de Esquerda e lancei-me a tudo sem deixar espaço para parar ou pensar.

Viver a vida, fiel a quem me sentia ser, aconteceu mais tarde. Foi o corolário de um percurso de resistência mas moldado por uma sociedade conservadora e castradora. Percebi que o vazio que queria preencher nunca seria ultrapassado enquanto não fosse verdadeira, comigo e com os outros. A primeira pessoa com quem falei foi com a minha filha, na altura adolescente. A reação dela não podia ter sido mais aberta. O apoio foi absoluto. A partir dessa altura tudo ficou muito mais leve.

"Percebi que o vazio que queria preencher nunca seria ultrapassado enquanto não fosse verdadeira, comigo e com os outros."

O ativismo enquanto militante e dirigente do Bloco de Esquerda teve um papel importante na consciência de que a igualdade é um direito fundamental devido a todas as pessoas. O primeiro projeto de lei que defendi, enquanto deputada, na Assembleia da República, foi o que veio a consagrar a possibilidade da adoção por casais do mesmo sexo e esse conta-se entre um dos momentos de que mais me orgulho. Por esta altura, o coming out público já só poderia acontecer da única forma que me faz sentido. Sem tabus e sem medos. Aconteceu naturalmente, em resposta a perguntas de uma jornalista para uma peça sobre diversidade no parlamento. Respondi sem hesitação. Sei quem sou, o que sinto, como sou feliz e tenho agora a plena convicção de não tenho de me justificar a ninguém e muito menos de me esconder.

Hoje a igualdade em função da orientação sexual está consagrada na lei. O acesso ao casamento, à adoção, o direito à autodeterminação de género, o princípio constitucional da igualdade que garante tratamento igual e a proibição da discriminação. Hoje, temos centros de acolhimento LGBTI, informação, planos de ação para a inclusão, formação e educação para a cidadania e igualdade. Hoje temos uma sociedade mais aberta, mais inclusiva e mais respeitadora dos Direitos Humanos. Mas a realidade prova-nos que não estamos ainda livres do preconceito e da homofobia. O recrudescimento de setores conservadores na Europa, e um pouco por todo o mundo, mostra-nos como o retrocesso em matéria de direitos humanos acontece num ápice. Esse discurso conservador já se estendeu a Portugal e por isso temos de estar atentos, unir esforços e não largar a mão de ninguém na defesa da diversidade, da igualdade e da liberdade.

"Hoje temos uma sociedade mais aberta, mais inclusiva e mais respeitadora dos Direitos Humanos. Mas a realidade prova-nos que não estamos ainda livres do preconceito e da homofobia."

Hoje conquistamos o direito de amar quem quisermos. Mas a coragem de enfrentarmos os olhares, os comentários, a discriminação e sobretudo, a reação daqueles a quem mais queremos cabe a cada uma de nós. Importa lembrar que o mundo é sempre mais colorido fora do armário.

 

Testemunho originalmente publicado na edição de maio 2019 da Vogue Portugal.

Sandra Cunha By Sandra Cunha

Relacionados


Moda   Compras  

As melhores lojas vintage de Madrid neste momento

23 Apr 2024

Palavra da Vogue  

O que lhe reservam os astros para a semana de 23 a 29 de abril

23 Apr 2024

Compras  

Os melhores presentes para oferecer no Dia da Mãe

22 Apr 2024

Opinião  

A máquina do tempo

22 Apr 2024