Artigo Anterior

#CNILux Dia 1: Como acompanhar uma nova geração sempre em movimento

Próximo Artigo

#CNILux Dia 1: Christian Louboutin fala sobre o equilíbrio entre o artesanal e industrial

Notícias 18. 4. 2018

#CNILux Dia 1: Sophie Hackford: Luxo e Inteligência Artificial

by Alice Newbold

 

A futurista explica como, em breve, as marcas irão contar com bots nas suas equipas.

Sophie Hackford conversa com o público da Condé Nast International Luxury Conference ©Indigital.tv

A futurista Sophie Hackford regressou esta manhã, pelo quarto ano consecutivo, à Condé Nast International Luxury Conference, para partilhar os principais avanços tecnológicos que irão moldar o cenário de luxo do amanhã. 

Nas suas participações anteriores, Hackford encorajou os delegados das conferências - muitos deles CEO's e designers das maiores marcas de luxo do mundo - a entrarem no barco do futuro da Internet e a não repetirem os erros coletivos do início dos Noughties, quando a indústria não entrou suficientemente rápido no mundo online e nas plataformas de e-commerce. Hoje, expandiu a sua teoria de que o mundo se está a transformar num computador, e anasilou o universo da Inteligência Artificial (IA). 

A linguagem do futuro, explicou Hackford, é a linguagem das máquinas. Mas depois de 60 anos de desilusões, onde muito foi prometido para a IA mas pouco foi concretizado, como é que irá transformar as nossas vidas? 

Hackford fez referência a Robin Li, empreendedor da Internet e co-fundador do motor de busca Baidu, que disse: "Nos últimos 100.000 anos, tinhas que aprender a usar qualquer ferramenta que inventasses. No futuro, não terás que o fazer - as ferramentas vão aprender a compreender a linguagem e as intenções humanas. Isso é o futuro.". 

Até agora tivemos que codificar as máquinas para programar algorítmos idênticos ao comportamento humano. Hoje, segundo Hackford, estamos a desenvolver sistemas que conseguem aprender por si mesmos e concretizar tarefas que anteriormente estavam reservadas apenas ao ser humano, tais como a criatividade. As máquinas irão melhorar o seu desempenho ao alimentarem-se de dados brutos e aprenderem sem influência dos seres humanos, naquilo que é chamado de "aprendizagem sem supervisão.". 

Na próxima década, segundo as previsões de Hackford, "teremos os nossos próprios bots, os nossos próprios pequenos agentes, os nossos próprios avatares que irão negociar em nosso nome, como um embaixador digital". Estes bots farão compras por nós, sem qualquer ajuda humana. As marcas farão o seu marketing diretamente aos bots, e não diretamente a nós. No final do mês, vão dizer-nos onde podemos poupar o nosso dinheiro, tornando as nossas vidas mais eficientes. Esta dinâmica irá representar-nos perante o mundo, ao mesmo tempo que nos apresenta o mundo, ao dar-nos informações e notícias. Mas, ela pergunta, "à medida que os bots nos começam a conhecer melhor, com quem é que partilham as informações que recolhem? Isto é uma pergunta que Washington está a tentar responder neste preciso momento.". 

Um bot não consegue sentir uma experiência na sua totalidade, algo que a indústria do luxo requer, mas, como explica Hackford, consegue ajudar-nos a resolver problemas de negócios. Consegue gerar dados de pesquisa de consumidores quando as empresas não os têm disponíveis, preencher lacunas nas bases de dados e ajudar os seres humanos nas decisões que envolvem dados. "A IA deve ser vista como um parceiro de equipa, e não como um inimigo", remata. 

Para progredir, Hackford aconselha, "devemos estudar o comportamento das máquinas da mesma forma que estudamos o comportamento humano ou animal. As máquinas falham de formas que os humanos nunca falharam, por isso é importante percebermos os limites, e perceber onde é que seres humanos acabam e as máquinas começam.". 

Apesar do presidente russo, Vladimir Putin, ser famoso por dizer que quem controlar a IA controla o mundo por consequência, Hackford manteve a posição de que aquilo em que acreditamos será o sucesso ou o fracasso da IA. O futuro, diz, "não é uma corrida contra as máquinas, mas antes uma corrida com as máquinas.". 

A quarta edição da conferência anual Condé Nast International Luxury Conference em Lisboa acontece nos dias 18 e 19 de abril. Para mais informações, visite www.cniluxury.com/2018

Artigos Relacionados

Suzy Menkes 18. 4. 2018

#CNILux: Maria Grazia Chiuri fala sobre o processo de criação para a mulher da geração digital

A primeira diretora criativa da Dior confessa a Suzy Menkes que a Moda deve ser playful.

Ler mais

Suzy Menkes 18. 4. 2018

#CNILux: Alexandre Arnault fala sobre o desejo global dos millennials por malas de viagem

O Co-CEO da Rimowa fala sobre a colaboração da marca com a Supreme.

Ler mais

Suzy Menkes 17. 4. 2018

#CNILux: Em casa com Christian Louboutin

O designer partilha os planos futuros para o seu negócio com Suzy Menkes e a equipa da CNI Luxury Conference

Ler mais

Suzy Menkes 13. 4. 2018

#CNILuxury: Johnny Coca revela a sua visão para a marca britânica Mulberry

Como antecipação à sua presença na Condé Nast International Conference em Lisboa na próxima semana, o Diretor Criativo conversou com Suzy Menkes sobre trazer um pouco do amor Latino ao seu estúdio.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK