Atualidade   Notícias  

#CNILux Dia 1: Maria Grazia Chiuri fala sobre o empowerment feminino na Dior

19 Apr 2018
By Alice Newbold

A Diretora Criativa da Casa francesa conversou com Suzy Menkes sobre canalizar o espírito do fundador Christian Dior e inspirar as mulheres mais jovens.

A Diretora Criativa da Casa francesa conversou com Suzy Menkes sobre canalizar o espírito do fundador Christian Dior e inspirar as mulheres mais jovens.

Maria Grazia Chiuri conversa com Suzy Menkes na CNI Luxury Conference em Lisboa ©Indigital

Desde que foi apontada como primeira Diretora Criativa de Christian Dior em julho de 2016, Maria Grazia Chiuri tem escrito um novo capítulo na história da Casa, e usado-o como uma plataforma para fins políticos. Para ela, Dior não é sinónimo de ativismo mas antes de feminilidade e empowerment feminino. As t-shirts com a mensagem We Should All Be Feminists, inspirada pelo ensaio político de Chimamanda Ngozi Adichie e apresentada no seu primeiro desfile de primavera/verão 2017, tornou-se parte da história da Moda, e o slogan é, hoje, graças a Chiuri, tão característico da Dior como as saias compridas. 

"A mulher Dior pode ser feminina de um modo poderoso", disse Chiuri ao público da Condé Nast International Luxury Conference. "Quero mostrar a mulher que está por detrás do meu trabalho. E não estou sozinha - no atelier e nos arquivos, existem muitas mulheres que trabalham na Casa. È importante mostrar aquilo que se passa cá dentro.". 

A sua pesquisa extensa nos arquivos de Dior fá-la sentir como se conhecesse o próprio Christian Dior. "Por vezes penso que o consumidor tem uma ideia de Christian Dior como um misto de diferentes designers, mas se olharmos apenas para o trabalho de Christian Dior, é muito preciso.". A sua Dior faz uma ponte de ligação com o criador Christian Dior, porque é ele o fundador, e o ADN da marca. "Ele tornou-se, instantaneamente uma marca internacional - com parfum! Era algo inacreditável para a época!". 

Como é a sua realidade na Dior? Como consegue equilibrar as exigência de criar coleções couture, ready-to-wear, resort e cruise, acessórios, e ainda supervisionar a direção das campanhas e do marketing? "Trabalho muito", diz com um riso. "Se queres que os desfiles, as montras das lojas e as campanhas publicitárias tenham a mesma linguagem, então tens que trabalhar muito. É importante que o consumidor veja a mesma mensagem... e experiencie a mesma emoção. Para mim, não é possível fazê-lo de outro modo.". 

Ao ser uma italiana a trabalhar num atelier francês, onde muitas das petites-mains não falam a mesma língua que ela, Chiuri ressalva: "A linguagem da Moda é muito mais importante que o inglês, o francês ou o italiano. Somos uma marca internacional. Juntos, colocamos a nossa paixão em tudo o que fazemos, por isso, a língua que falamos não é importante.". 

Criar uma ligação com a próxima geração de consumidores Dior veio, em parte, através do lado couture da maison. "As pessoas pensam que couture é apenas sinónimo de algo caro, mas é mais que isso, é uma tradição", disse. "Há uma nova geração que quer descobrir esta ideia do artesão porque querem sentir o toque humano.".  

Alice Newbold By Alice Newbold

Relacionados


Moda   Compras   Tendências  

Trend Alert | Deep V

20 Jun 2024

Eventos   Atualidade  

Tudo o que precisa de saber sobre o Vogue World: Paris

20 Jun 2024

Moda   Entrevistas  

Moda, costume português | ARNDES

20 Jun 2024

Curiosidades  

Os 7 momentos mais emblemáticos de Jourdan Dunn ao longo da sua carreira na Moda

19 Jun 2024