Artigo Anterior

#CNILux Dia 1: Sophie Hackford: Luxo e Inteligência Artificial

Próximo Artigo

#CNILux Dia 1: Maria Grazia Chiuri fala sobre o empowerment feminino na Dior

Notícias 19. 4. 2018

#CNILux Dia 1: Christian Louboutin fala sobre o equilíbrio entre o artesanal e industrial

by Alice Newbold

 

O rei dos sapatos conversou com Suzy Menkes sobre como começou o processo de criar para os consumidores masculinos, e o porquê da expansão para os produtos de beleza.

Suzy Menkes entrevista Christian Louboutin na CNI Luxury Conference, em Lisboa ©Indigital

Pelas suas contas, Christian Louboutin desenhou cerca de 15.000 sapatos e botas com sola vermelha desde que fundou a sua marca homónima em 1992. Hoje, o designer ainda está estabelecido em Paris - a localização da sua primeira loja - mas divide o tempo entre as suas casas no sul de França (Vendée), Portugal (Melides) e Egito (Luxor), onde ainda desenha cerca de 600 modelos de sapatos por ano. As viagens, ou mais especificamente, as diferentes línguas e culturas, sempre foram uma motivação por detrás dos seus sapatos, que podem ser sinónimo de celebridade mas foram sempre sobre o luxo, e sobre a combinação dos mercados artesanais e industriais. 

"O lado artesanal é importante porque é como um laboratório para mim", disse a Suzy Menkes. "Posso fazer um, dois ou 50 pares, e não me preocupar em fazer 1.000. O processo é original e enriquecedor. Mas gosto de transitar de um campo para o outro. O lado artesanal alimenta o lado industrial.". 

Compreender as suas consumidoras internacionais - tanto a mulher lusófona, que se encontra no coração da Condé Nast International Luxury Conference, como as suas fãs asiáticas e angolanas - tem sido o segredo do sucesso de Christian Louboutin. Mas, clarifica, "Quando desenho é um pedaço de papel em branco, não estou a pensar em mercados específicos. Assim que terminar o esboço, penso em criá-lo em certas cores. Adapto as minhas criações... elas são livres porque eu sou um criador livre.". 

Apesar de Louboutin ser conhecido pelos stilettos e os seus modelos sensuais para mulher, está disposto a discutir a sua crescente atração com criações para consumidores masculinos (inclusive, organizou um evento de desporto o ano passado, no Pitti em Florença, para celebrar esta aventura). "É engraçado porque, durante muito tempo, não considerei a ideia de criar para o público masculino, mas depois um cantor francês perguntou-me se poderia criar os sapatos para a sua tour. Eu pensei: 'Bem, porque não? Mas porque me pediste a mim, um homem que cria sapatos de mulher?'. Ele disse: 'Tenho três irmãs e uma namorada, e ficam tão entusiasmadas quando calçam um dos seus sapatos. Preciso desse mesmo sentimento quando entro no palco!'. De repente, para mim, foi fácil desenhar para um artista.". 

Um estágio num cabaret francês e o seu desejo jovem de criar para showgirls ajudaram-no a encontrar o foco certo - "existe uma showgirl em cada mulher - e agora um homem!". Colocou os sapatos na sua loja em Paris, e o entusiasmo dos consumidores era palpável. 

Depois de sapatos de mulher e sapatos de homem, o shoe-man e showman expandiu para o mundo da beleza. As suas repetições dramáticas de vernizes e o crescimento para batons e máscaras de pestanas criaram um novo canal para o designer. "Nasci em meados dos anos sessenta, quando era importante ser-se natural, mas nunca me senti fascinado pelo poder do natural", contou. "A beleza - quando uma mulher decide o que quer para si mesma e o que quer mostrar - é muito melhor do que ser natural.". O seu amor por pequenos objetos, que nasceu, enquanto criança, a observar o seu pai artesão a trabalhar, impulsionou-o a criar belíssimos "objetos de desejo.". 

"Eu faço aquilo que gosto e se for um sucesso, ótimo. Mas se não for um sucesso, terei orgulho independentemente disso. Com a linha de beleza, fiz o que fiz pelos meus padrões, e foi compensador.". 

Estará uma linha de vestuário no futuro de Louboutin? "Não", esclareceu na conferência. A sua maior ambição seria cantar mas, infelizmente, não acredita que tenha o talento suficiente. Para Christian Louboutin, não há problema nenhum com isso: está mais do que feliz com aquilo que já alcançou. 

A quarta edição da conferência anual Condé Nast International Luxury Conference em Lisboa acontece nos dias 18 e 19 de abril. Para mais informações, visite www.cniluxury.com/2018

Artigos Relacionados

Notícias 18. 4. 2018

#CNILux Dia 1: Sophie Hackford: Luxo e Inteligência Artificial

A futurista explica como, em breve, as marcas irão contar com bots nas suas equipas.

Ler mais

Notícias 18. 4. 2018

#CNILux Dia 1: Como acompanhar uma nova geração sempre em movimento

Alexandre Arnault, o Co-CEO de 25 anos da Rimowa, defende que as redes sociais redefiniram o desejo por novos produtos.

Ler mais

Suzy Menkes 18. 4. 2018

#CNILux: Maria Grazia Chiuri fala sobre o processo de criação para a mulher da geração digital

A primeira diretora criativa da Dior confessa a Suzy Menkes que a Moda deve ser playful.

Ler mais

Suzy Menkes 18. 4. 2018

#CNILux: Alexandre Arnault fala sobre o desejo global dos millennials por malas de viagem

O Co-CEO da Rimowa fala sobre a colaboração da marca com a Supreme.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK