Moda   Notícias  

Por uma Moda mais circular, a H&M quer reinventar o design

16 Dec 2021
By Mariana Silva

Ella Soccorsi, designer da marca sueca, fala sobre a nova coleção Circular Design Story.

Ella Soccorsi, designer da marca sueca, fala sobre a nova coleção Circular Design Story.

Circular Design Story © H&M
Circular Design Story © H&M

O futuro é circular. À velocidade a que produzimos e consumimos recursos, uma das nossas maiores apostas na minimização das consequências ambientais passa por aprender a reutilizar e reciclar materiais, produtos e, claro, peças de roupa. Quem o sabe é a H&M que, na sua mais recente coleção, colocou a valorização de uma moda mais circular no centro do processo criativo. A Vogue falou com Ella Soccorsi, concept designer da marca sueca, para descobrir mais sobre os bastidores de Circular Design Story e da utilização de uma ferramenta inovadora: o Circulator. 

Circular Design Story é a quarta coleção no seio do projeto H&M Innovation Stories, iniciado no começo de 2021. Como é que o público tem recebido esta iniciativa?

A resposta tanto a esta coleção em particular, como ao projeto Innovation Stories no geral, tem sido muito entusiasmante. Acredito que os consumidores estão verdadeiramente preocupados com os assuntos que rodeiam a sustentabilidade e estamos orgulhosos por ter criado uma coleção que os envolve num processo de reciclagem e circularidade. Queríamos que esta coleção sensibilizasse e despertasse uma conversa sobre o que vestimos e como tratamos a nossa roupa, que questionasse estereótipos quanto à aparência da moda sustentável - e é por isso que esta coleção é tão viva, ousada e alegre. 

Esta nova coleção também introduz uma nova ferramenta de design: o Circulator. Pode nos contar mais sobre o que é o Circulator e como foi integrado na criação da Circular Design Story?

O Circulator é uma ferramenta de design circular muito especial, desenvolvida pela H&M, que nos ajuda, tanto no nosso estúdio, como na totalidade da indústria, a garantir que as novas criações são produzidas tendo a circularidade e a reciclagem em mente. O guia foi desenvolvido de acordo com a visão de economia circular para a moda definida pela Ellen MacArthur Foundation e garante que as nossas equipas de design têm em mente a circularidade, a reciclagem e a vida de uma peça quando decidem sobre diversos aspetos de design - por exemplo, nesta coleção, o Circulator dava informações sobre o nosso foco em peças “mono-fibra”, salvaguardava um processo de reciclagem facilitado, e o uso de materiais como costuras solúveis e bordados autocolantes para ajudar na desconstrução da peça. É uma ferramenta essencial. E porque estamos comprometidos a liderar a mudança na indústria, iremos partilhá-la com outras marcas e empresas.

Há ainda outras formas através das quais a circularidade está presente nesta coleção. Os materiais foram uma parte muito importante. Que materiais foram escolhidos e como é que estes encorajam a circularidade? 

Na H&M procuramos sempre apoiar e promover aqueles que estão a derrubar barreiras no campo dos materiais e da sustentabilidade. Tentamos encontrar coisas novas, e também fomentar relações com as empresas que testam e produzem fibras e ferramentas inovadoras. E existem tecidos e técnicas maravilhosos nesta coleção. Alguns dos mais recentes incluem o REPREVE Our Oceans, uma coleção de fibras fabricadas a partir do desperdício de garrafas encontradas no mar. Este pode ser visto nos casacos de pelo falso, nos puffers, nos vestidos e nas calças. Igualmente novo é o Ambercycle Cycora, que usa peças de roupa antigas e desperdício de tecidos no fim de vida. Foi usado em peças como as calças pretas de mulher com detalhes em fio. Inspira-me muito o fio inteligente RESORTECS, que é a costura solúvel que mencionei acima. É incrível porque permite que as peças sejam facilmente desconstruídas e recicladas quando finalmente chegam ao fim do seu ciclo de vida. Nesta coleção, foi usado para prender lantejoulas e contas. Outro tecido especial é o Vegea, um material vegan feito de pele, caule e sementes de uvas, produzido no mesmo processo do vinho. Não é um material novo para nós, já o usamos antes, mas acho que é importante mostrar que ser sustentável também é ser consistente, e criar parcerias fortes e duradouras dentro da indústria.

E no que toca ao processo de design, cada peça foi criada para ser usada de diversas maneiras. Como é que isso foi conseguido?

A sustentabilidade e a circularidade também se relacionam com a forma como as peças são usadas e estamos a tentar encorajar as pessoas a pensar sobre o tempo em que vestem as suas roupas. Estar atento e ser consciente são as ideias principais. Acredito que se todos conseguirmos parar para pensar no que compramos, e porque é que o compramos, e também se estamos a usar as nossas peças até ao seu limite - usá-las, partilhá-las, arranjá-las, reciclá-las; isso é um ótimo passo. É por isso que me entusiasma saber que uma grande parte das peças desta coleção podem ser adaptadas, aumentando a sua usabilidade, porque sabemos que os consumidores se preocupam com questões como o desperdício e a circularidade e que, por isso, irão valorizar este aspeto. Gosto das camisas que assumem diferentes silhuetas graças ao uso de cintos de ajuste, e do vestido de gala rosa, que pode ser dividido em um top e uma saia. O top depois pode ser usado com calças de ganga, a saia com uma t-shirt, ou até podem ser usados em conjunto para um look mais elegante. Também gosto do cropped bra top, que tem diversos fechos nas costas, podendo ser ajustado para caber a diferentes tamanhos - ideal para emprestar a amigos, ou, com o tempo, até se o nosso corpo mudar. Por isso, com esta coleção, estamos a enfatizar o otimismo, mas estamos também a fazer uma declaração pragmática quanto à forma como as pessoas devem usar, cuidar e atender às suas roupas. É por isso que também incluímos peças feitas a partir de roupas antigas, dando um novo propósito a um conjunto de blazer femininos em colaboração com a I:CO. Há seis estilos no total; cada um único e representando um tributo às possibilidade que se abrem quando reciclamos. Por fim, e seguindo o ethos da circularidade, algumas peças exclusivas desta coleção vão poder ser alugadas em lojas H&M selecionadas nas cidades de Berlim, Estocolmo e Amsterdão.

Circular Design Story © H&M
Circular Design Story © H&M

A Circular Design Story e, mais especificamente, o Circulator fazem parte do plano da H&M para se tornar Climate Positive até 2040. De que outras formas estão a trabalhar para atingir esse objetivo? 

A sustentabilidade é o futuro da moda e é o nosso foco central na H&M. A adoção de uma moda mais circular prende-se com garantir que uma peça de roupa, ou um produto, seja desenhado desde o começo com a circularidade em mente, tendo em conta tudo desde o tempo em que será usado, aos materiais e estratégias de design. Eu penso, e espero, que no futuro toda a indústria pense desta forma. Tentamos ser bastante abertos quanto à nossa estratégia de sustentabilidade, pois sabemos que a comunicação e a transparência são essenciais à mudança e temos de nos comprometer com alguns objetivos. Até 2025, queremos que todos os produtos da H&M sejam desenhados com recurso ao Circulator. Outra meta é garantir que estamos a usar 30% de materiais reciclados em toda a marca até 2025 e, em 2030, 100% materiais mais sustentáveis e reciclados. 

Mariana Silva By Mariana Silva

Relacionados


Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024

Compras   Roteiro  

As melhores lojas vintage da Europa

22 May 2024

Moda  

For life

22 May 2024