Artigo Anterior

Junho, o mês do orgulho

Próximo Artigo

Levantado do chão

Curiosidades 12. 6. 2020

Porque é que precisamos de boas notícias

by Mónica Bozinoski

 

Este artigo não é sobre desastres, catástrofes ou crises. Este artigo não é sobre coisas más, sobre coisas que nos tiram o sono ou sobre coisas que nos causam ansiedade. Este artigo é sobre notícias. Boas notícias. 

For the english version, click here.

© Fotografia de Sam Johnson.

“A comida está para o corpo como a informação está para a mente. A informação que absorvemos vai transformar-se em emoções, pensamentos, ações e comportamentos. As consequências são menos visíveis, mas igualmente poderosas.” Estávamos em abril do ano passado quando a autora e investigadora Jodie Jackson lançou You Are What You Read, um olhar crítico sobre o ciclo noticioso, as histórias que nele são incluídas e o efeito que essas mesmas histórias (muitas delas negativas) têm em nós enquanto indivíduos e sociedade. 181 páginas depois, o livro deixava um pedido muito simples: não vamos ignorar as notícias negativas; em vez disso, vamos escolher não virar a cara às positivas. Porque elas existem – e são importantes. Em 2015, Shawn Achor e Michelle Gielan conduziram uma investigação, em parceria com Arianna Huffington, que pretendia examinar o efeito que as notícias têm no nosso bem-estar. Como os próprios explicaram num artigo publicado na Harvard Business Review, o estudo consistiu em juntar 110 participantes e dividi-los em dois grupos: um deles assistiu a três minutos de notícias negativas antes das 10 da manhã, enquanto o outro viu três minutos de notícias solution-focused, isto é, histórias de resiliência que cimentam a crença de que o nosso comportamento importa. “Ficámos muito surpreendidos com os resultados, porque os efeitos eram muito mais significativos e dramáticos do que aquilo que esperávamos”, escreveram os autores do estudo, depois de concluírem que os indivíduos que tinham visto más notícias estavam 27% mais dispostos a reportar, seis a oito horas depois, que tinham tido um dia mau. Por outro lado, aqueles que tinham visto notícias solution-focused reportavam que tinham tido um dia bom. A parte mais complicada de tudo isto? Não é apenas o conteúdo que nos afeta – o número de notícias a que estamos expostos diariamente também tem efeitos muito óbvios no nosso bem-estar. “É possível que isto seja uma coisa vergonhosa de admitir, especialmente para uma jornalista, mas estou cansada das notícias. Estou exausta. Todas as manhãs, o alarme do meu rádio acorda-me com as manchetes e, instantaneamente, quero tapar a cara com o edredão e voltar a dormir.” Bryony Gordon, que escreveu estas palavras num artigo do The Telegraph em dezembro passado, está longe de ser a única a sentir aquilo que chamamos de fadiga informativa – de acordo com dados do Relatório de Jornalismo Digital do Instituto Reuters da Universidade de Oxford, 31% dos portugueses e 41% dos norte-americanos já deram por si a evitar as notícias, e 58% dos britânicos dizem que as notícias os fazem sentir tristes e maldispostos; enquanto isso, um estudo do Pew Research Center reportava que 66% dos norte- americanos se sentem desgastados pela quantidade de notícias que existem. E, segundo um artigo publicado no site da revista Wired, em fevereiro, o mundo já começou a mostrar os primeiros sinais de fadiga informativa em relação ao novo coronavírus. 

"Em tempos, alguém me perguntou quantas pessoas existiam na minha equipa, e eu respondi um milhão." Michelle Figueroa, Good News Movement

O que é que fazemos quando as pessoas estão fartas das notícias? A resposta parece estar numa perspetiva equilibrada da realidade, num jornalismo construtivo, num conteúdo focado não só em problemas, mas também em soluções. Não só aí, mas também nas boas notícias, daquelas que aquecem o coração, que enchem as veias com esperança, que arregalam os olhos com o melhor da humanidade. Como o pequeno grande gesto de duas crianças que distribuíram lenços de papel e papel higiénico em Brisbane, na Austrália, para aqueles que não conseguiram comprar esses mesmos itens antes de esgotarem nos supermercados. Como a história por detrás da voz que diz “Mind the Gap” na estação de Embankment, em Londres, diferente de todas as outras na linha de metro para que Margaret McCollum, viúva de Oswald Laurence, pudesse continuar a ouvir a voz do marido todos os dias. Como o exemplo de Jonathan Jones, um rapaz daltónico que, aos 12 anos, é surpreendido com um par de óculos EnChroma e vê cor pela primeira vez. A reação do adolescente está documentada num vídeo que, antes de se tornar viral e aparecer em diversos canais televisivos e artigos online, foi publicado pela primeira vez no Instagram @goodnews_movement – uma plataforma que, lado a lado com Upworthy, Tank’s Good News e Some Good News, para nomear apenas algumas, se dedica inteiramente a notícias positivas. “Sou jornalista há dez anos e, desde o momento em que a minha primeira peça foi para ar, sempre me senti atraída por histórias que mostram a bondade da humanidade”, conta Michelle Figueroa, fundadora do Good News Movement, à Vogue. “A minha primeira peça foi para um programa chamado Primer Impacto. Era sobre uma criança que tinha uma pele tão frágil como uma borboleta (epidermólise bolhosa), cuja atitude era muito inspiradora. Eu acredito que existe muita bondade no mundo, muito mais do que maldade, e não existia nenhum espaço jornalístico para isso.” Há um ano e meio, Figueroa preencheu essa lacuna. “Decidi encontrar-me com as pessoas onde elas estão. Tendo em conta que as pessoas passam, em média, quatro horas por dia nos seus telemóveis, porque não ir até aí?” O resultado não podia ser mais positivo – uma conta de Instagram seguida por mais de um milhão de pessoas, inteiramente dedicada a boas notícias, a atos de bondade e aos heróis que, todos os dias, tornam o mundo melhor. E não é disso que todos precisamos? “O número de seguidores duplicou desde que o surto [do novo coronavírus] chegou aos Estados Unidos”, diz Michelle. “Estou a receber tantas mensagens que até o simples ato de dormir sete horas atrasa tudo. Tenho de fazer sessões matinais para me atualizar, porque recebo mensagens de todo o mundo e de diferentes fusos horários. Isso é uma prova de que, até na pior das alturas, as boas notícias existem, tanto na vida real como na minha caixa de entrada!” Quem também viu os números crescer foi Upworthy, um projeto criado em 2012 com o objetivo de redirecionar a atenção das pessoas para histórias positivas e inspiradoras. “Registámos uma quantidade de tráfego incrível nas últimas seis semanas, e um crescimento de 65% no número de seguidores”, explica Lucia Knell, diretora de brand partnerships, por videochamada. “No início de março, o nosso Instagram tinha cerca de 650 mil seguidores, e no último dia de março tínhamos um milhão. Acho que o verdadeiro motivo disto é o facto de a Internet, especialmente agora, ser assustadora. As notícias são assustadoras. E, ainda assim, isto [pega no telemóvel] é a única coisa que temos para comunicar, e é a única coisa que temos para nos sentirmos ligados ao que está a acontecer.”  

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

(Grimsby, England): Zane Powles, assistant headteacher at Western primary school in Grimsby walks over five miles every day to deliver school meals to some 100 children. He walks instead of driving because he enjoys the fitness element. He says going to their homes helps them to stay safe inside, makes sure they are fed (because he says some otherwise might not be) and to check in on their welfare. ?? Photo credit: Jon Corkin / Grimsby Live ### (Grimsby, Inglaterra):Zane Powles, director asistente de la escuela inglesa en Grimsby, camina más de cinco millas cada día para entregar comidas escolares a unos 100 niños. Camina en lugar de conducir porque le gusta el ejercicio físico. Él dice que ir a sus hogares les ayuda a las familias mantenerse seguros adentro, se asegura de que sean alimentados (porque él dice que algunos de lo contrario podrían estar alimentándose) y quiere hacer un chequeo de su bienestar. ?? Crédito de la foto: Jon Corkin / Grimsby Live

Uma publicação partilhada por Good News Movement (@goodnews_movement) a


Dúvidas restassem de que as pessoas procuram uma perspetiva cada vez mais otimista, as pesquisas por “boas notícias” no Google atingiram um pico em março, e a tendência não abrandou. “Existem tantas que estão a surgir da COVID-19”, refere Lucia. “Histórias de pessoas que estão a apoiar os seus vizinhos numa altura de crise, ou a juntarem-se virtualmente e de forma segura para ajudar os outros. Por exemplo, vizinhos que se voluntariam para fazer compras para os mais idosos. Ou comunidades e bairros que se estão a reunir para ajudar hospitais, médicos e enfermeiros, de todas as formas que conseguirem. (...) Estamos a receber imensas mensagens diretas no Instagram e e-mails com histórias como, ‘Acabei de encontrar esta nota incrível para um estafeta’ ou ‘Deixámos estas coisas à porta de casa, como desinfetante, para o nosso carteiro’. Estas são as histórias que estão a ressoar agora.” Histórias essas que, como refere Michelle, fazem toda a diferença na nossa dieta mental. “Se só consumirmos as coisas más, não nos vamos sentir bem, só nos vamos sentir em baixo. Se nos nutrirmos com a bondade que existe no mundo, vamos sentir-nos positivos, elevados e inspirados”, defende. “Nesta altura, em que estamos confinados às nossas casas, é muito fácil sentirmos ansiedade por causa de toda a incerteza, mas a minha página tem sido um conforto de que, juntos, conseguimos ultrapassar isto.” A opinião da fundadora do Good News Movement é partilhada por Lucia Knell. “Penso que as pessoas estão a precisar de lembretes que acalmem as suas ansiedades, que lhes mostrem que há uma luz no fundo do túnel, e que isto não é para sempre. Quando subscreves um canal como o Upworthy sabes que vais receber doses diárias de positividade e otimismo, numa altura em que todos precisamos mesmo, mesmo disso. Agora, mais do que nunca, a marca parece estar a fornecer um serviço crucial.” Um serviço que não é só crucial para a nossa saúde mental, mas também para nos lembrar, como defende Lucia, da família que partilhamos globalmente. “Esta pandemia é uma experiência universal, diferente de tudo aquilo que eu e tu já vimos. Ninguém sabe bem o que fazer ou como lidar com isto. Nós somos uma marca global, e se conseguirmos criar um sentido partilhado de solidariedade e comunidade ao mostrar os italianos a cantarem nas suas varandas, as pessoas em Portugal a fazerem aquilo que estão a fazer, o pessoal em Brooklyn a juntar-se à sua própria maneira, tu vais sentir que fazes parte de uma família humana. E é isso que faz com que as pessoas se sintam mais ligadas enquanto estão em isolamento.” Para Michelle, este sentido de comunidade também está muito presente no Good News Movement. “No mês passado fiz uma campanha de positividade para celebrar o facto de ter chegado a um milhão de seguidores, na qual pessoas em todo o mundo diziam, ‘Eu sou good news movement porque nós somos as boas notícias’. É interessante: as pessoas costumam procurar por boas notícias na televisão ou nos jornais, mas as pessoas, em si, são as boas notícias... Independentemente do sítio onde estamos, ou das circunstâncias, nós somos capazes de ser e criar boas notícias. Pode soar clichê, mas a mudança começa dentro de cada um de nós.” E continua: “A palavra ‘movimento’ está no título [do Good News Movement] porque isto é mesmo um esforço coletivo. Em tempos, alguém me perguntou quantas pessoas existiam na minha equipa, e eu respondi um milhão. As pessoas enviam as suas histórias ou as histórias dos seus vizinhos, amigos, colegas, e esta plataforma amplifica histórias dos seus bairros para o mundo. Recebo mensagens de apoio todos os dias – pessoas que me dizem ‘obrigada’ por elevar os seus espíritos ou por as inspirar a agir com bondade. Para mim, isso é a melhor recompensa.” 

"As pessoas querem ajudar. As pessoas querem perceber como podem ajudar. Entidades como a nossa têm a responsabilidade de ajudar as pessoas a chegar aí." Lucia Knell, Upworthy

É essa a magia das boas notícias: a capacidade de criar uma onda de positividade, cimentar uma comunidade global e plantar empatia onde antes existia divisão. “É engraçado”, diz Lucia. “Estamos sempre a dizer que temos a secção de comentários mais amigável da Internet. Há muito apoio e ânimo. (...) Acho que as pessoas criaram um espaço sagrado na Internet, como lhe costumo chamar, para aqueles que são puramente orientados para a comunidade e que querem ajudar. É uma comunidade virtual, muito inclusiva, positiva, divertida e com significado. Penso que os seguidores do Upworthy se sentem muito ligados entre si, e muito ligados à marca.” E quando gigantes como o The New York Times ou o The Guardian criam espaços dedicados a boas notícias nas suas trincheiras, sabes que estás do lado certo da história. “Acho que as publicações online estão a começar a perceber que isto não é uma coisa descartável, nem um projeto divertido, mas sim uma parte crucial do consumo noticioso, especialmente na era da Internet, em que as coisas andam tão rápido”, defende Lucia. “Entras no Twitter e és bombardeada com informação. Depois tens a cultura de cancelamento, que é horrível, é usar a Internet para deitar as pessoas abaixo. Penso que este movimento pretende reduzir o mau que existe na Internet, e começar a infiltrar o feed de notícias com aquilo que há de bom. Espero que vejamos isso mais e mais, e que chegue também a revistas, jornais e outros meios onde as pessoas consomem informação, porque de um ponto de vista da saúde mental, nós precisamos disto. Nós precisamos de notícias que não nos façam sentir constantemente deprimidos.” Mais do que isso, precisamos do efeito bola de neve que estas notícias têm. “Os seres humanos, na sua maioria, estão programados para terem compaixão, e querem ajudar”, diz Michelle Figueroa. “O Good News Movement é uma plataforma para partilhar boas notícias, mas também é um veículo para conectar pessoas que precisam de ajuda a pessoas que querem ajudar. Eu sinto que as pessoas querem ajudar, mas às vezes não sabem bem como.” Quando pergunto a Lucia qual foi a melhor lição sobre a humanidade que aprendeu com o Upworthy, a resposta é muito semelhante à experiência de Michelle. “As pessoas querem ajudar. As pessoas querem perceber como podem ajudar. Entidades como a nossa têm a responsabilidade de ajudar as pessoas a chegar aí, de fornecer recursos e ferramentas para ajudar as pessoas a ajudarem.” Para além disso, defende, “é muito inspirador ver o quão contagiosas as boas ações são” e o impacto que um só exemplo pode ter em cada um de nós. “Sempre tivemos noção disto, mas especialmente agora, com a COVID-19, tem sido incrível ver a reação em cadeia que acontece quando alguém começa, ou quando alguma comunidade começa. As pessoas costumam usar a frase ‘esperança na humanidade restaurada’ na nossa página, como se tudo estivesse perdido, mas agora que encontrei o Upworthy, voltei a acreditar na humanidade [risos]. Sabes, as pessoas estão prontas para este tipo de notícias, e acho que quando isto acabar, a forma como vivemos e a forma como pensamos sobre o valor da vida e do curto tempo que temos aqui vai mudar; e, com sorte, vamos canalizar isso em boas ações. Acho que se vai tornar claro que isso é mais importante do que nunca.” 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

♥️ via @beyondtheinterview

Uma publicação partilhada por Upworthy (@upworthy) a

Artigos Relacionados

Notícias 28. 3. 2020

A indústria da Moda une forças para combater a pandemia mundial

À medida que a luta para conter a pandemia continua, cada vez mais marcas com impacto na indústria estão a trabalhar para fornecer ajuda à comunidade médica global e às vítimas do vírus.

Ler mais

Pessoas 25. 3. 2020

On the gram: 10 celebridades, 10 mensagens de otimismo

Da importância de ficar em casa à partilha de experiências de auto-isolamento, aqui está um resumo das mensagens de esperança e otimismo de nomes como Selena Gomez, Marc Jacobs, Cindy Crawford e Adwoa Aboah.

Ler mais

Notícias 23. 3. 2020

Community Service: todos ajudam

Queremos que este espaço seja um aglomerado de mãos amigas que podem ajudar quem quer que não possa sair de casa a aceder a bens de primeira necessidade ou artigos de farmácia necessários.

Ler mais

Curiosidades 13. 3. 2020

Como lidar com a solidão de ficar em casa

Desde reconfigurar o seu espaço até limpar o seu guarda-roupa, eis como pode olhar para o lado mais positivo nestes tempos que passará por casa.

Ler mais