Artigo Anterior

I couldn’t help but wonder

Próximo Artigo

Jeanne Damas, uma parisiense em Edimburgo

Entrevistas 22. 10. 2018

Armário, uma epopeia à Moda nacional

by Ana Carvas

 

Estreou na televisão portuguesa uma nova série conduzida por Joana Barrios que homenageia o melhor da Moda portuguesa. Resumindo é isto, mas no fundo, é muito mais complexo.

©D.R.

Composta por treze episódios, onde em cada um são abordados diferentes temas alusivos à Moda - se o primeiro voltou atrás no tempo para descodificar o conceito de luxo, o segundo trouxe-nos um dos temas mais atuais e importantes da indústria: a imprensa tradicional e os novos media -, o Armário apresenta uma perspetiva fresca e inovadora sobre a indústria em Portugal. A Vogue falou com Joana Barrios sobre este desafio, sobre a importância de olhar a indústria de dentro para fora e, ainda, de alertar os consumidores para a questão da sustentabilidade.

“Eu acho que quando se fala de Moda, fala-se de uma forma muito perceptível e aberta para todos os públicos, agora, o que eu também acho é que a Moda continua posicionada como nicho, e que isso é que não é muito correto.”, afirmou Joana, que considera que a Moda, no seu sentido mais lato, continua a ser vista como uma indústria supérflua. Contudo, “o que o Armário quer, e aquilo a que se propõe, é falar de Moda como fenómeno transversal na cultura ocidental. Porque Moda é biopolítica, é sociologia, é o reflexo da identidade do indivíduo. Se nos vestimos todos os dias, como é que consideramos esse ato supérfluo? Queremos pensar a Moda com a ajuda de agentes externos à Moda, porque achamos muito divertido fazê-lo assim; é uma forma de validar a Moda, convocando pessoas que não são necessariamente da Moda. É uma forma de credibilizar um tema ao qual não se atribui muita importância.”, revela, sobre o principal objetivo da nova série da RTP2.  

“A Moda faz parte do quotidiano de toda a gente, e é essencial, para muitas coisas, retirá-la do nicho, debatê-la e pensá-la.”

Numa breve análise sobre a cultura de Moda em Portugal, haver espaço de antena para um programa inteiramente dedicado a ela é, para a apresentadora um passo muito simbólico e importante. “Não somos um país com cultura de Moda, o nosso contexto político e social contribuiu muitíssimo para não sermos esse país, no entanto há um compromisso enorme por parte dos profissionais da área em explorar novos caminhos, capitalizar a produção nacional, promover o design e os designers portugueses dentro e fora do país, e isso é extraordinário. Eu não sou muito paternalista e longe de mim ter a pretensão de educar acho que o mais importante é estabelecer o diálogo, e isso é o que estamos a fazer com o Armário.”.

Com convidados ilustres como Suzy Menkes, Mário Moura, Luís Cunha e Paulo Gomes, entre outros, o critério de seleção de cada um é, segundo Joana, maravilhoso. “Sento-me com a Joana Cunha Ferreira, uma Deusa maravilhosa que a Maria João Mayer nos colocou no caminho, e com o André Godinho, o nosso realizador extraordinário; olhamos para os temas que temos em cima da mesa e pensamos em conjunto como é que os podemos abordar. Começamos por decidir qual a linha de pensamento que nos rege naquele contexto. Depois a Rita Rolex vem ter connosco e dizemos-lhe tudo o que queremos fazer e pensamos quem é que poderia falar connosco para corroborar, ou não, as nossas vontade e ideias e questões. Googlamos muito, também, procuramos no Instagram... E é tudo conceptual: do styling à música, escolhemos tudo para cada episódio.”.

E se por um lado o processo de seleção dos convidados é de extrema importânica, também os temas de cada episódio são escolhidos criteriosamente, com base na atualidade, mas com os olhos postos no futuro, como é o caso da sustentabilidade que é, para Joana, um dos mais importantes da série.“É o episódio que poderia ser a série inteira, é aterrador e muito complexo de expor e defender. Andamos às voltas com ele, porque o tema é extremamente complexo e nós somos muito ambiciosos. A sustentabilidade na Moda, como em qualquer indústria, está na ordem do dia, temos de convocar o consumidor, neste caso o espectador, para tomar determinadas medidas, e é muito paradoxal e perverso todo o tema. Porque se por um lado quem descredibiliza a Moda também é responsável pela situação de burnout ecológico do planeta, por outro não se imagina como a fast fashion, por exemplo, é tão poluente e exigente para os recursos naturais. É mesmo muito difícil, é um desafio, a sustentabilidade!”, afirma. 

Do Armário televisivo para o armário real de Joana Barrios, quisemos saber o que podemos encontrar por lá. “Tenho peças maravilhosas, que uso e conservo e gosto, mas é mesmo sempre o mesmo: sweatshirts, e jeans e vestidos, acessórios super fancy para disfarçar que ando quase sempre de fato de treino e sapatos no mínimo excelentes. É a minha receita!”. Para saber mais, espreite também o Privado com "a mulher que nos lembra que o melhor que podemos vestir é a personalidade". 

 

Produzida por Maria João Mayer, Armário é transmitida quinzenalmente, sábado, às 19h30, na RTP2. 

Artigos Relacionados

Pessoas 7. 2. 2018

It girls portuguesas: o que vão usar na primavera/verão 2018?

Pode parecer demasiado cedo já pensar na estação quente que se avizinha, mas as novas coleções começam a chegar às lojas e isso indica que é o momento apropriado para perguntar a Raquel Strada, Ana Sofia Martins, Julia Palha, Joana Barrios e a Hella Pebble o que vão usar.

Ler mais

Entrevistas 22. 12. 2017

Natal dos pequeninos

Dizem que o melhor do Natal são as crianças. Partindo desse princípio, reunimos os melhores momentos natalícios, da infância, de alguns ‘amigos’ da Vogue.

Ler mais

Notícias 20. 12. 2017

Joana Barrios leva "Nhom Nhom" até à China

"Nhom Nhom", de Joana Barrios, representa Portugal nos Gourmand World Cookbook Awards, na China.

Ler mais

Pessoas 11. 1. 2017

Privado: Joana Barrios

Atriz, dona do Trashédia, mãe e tudo o mais. É a mulher que nos lembra que o melhor que podemos vestir é a personalidade.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK