Artigo Anterior

Cinco tendências das coleções Resort que ainda pode usar

Próximo Artigo

Apropriação cultural: onde está a linha que separa a apreciação da apropriação?

Tendências 4. 2. 2019

Porque é que aquele vestido novo é tão apelativo?

by Beatriz Teixeira

 

Preciso daquelas botas, vou fazer franja, saiu o novo iPhone, ainda não tenho aquela carteira, adoro esta pessoa que conheço há três dias. Ah, o aroma viciante da novidade, as coisas novas palpáveis, vestíveis ou nem por isso.

O Diabo Veste Prada, 2006

Percorro os corredores daquela loja como se fossem os da minha casa. Sei-os de cor. Não estava na lista (seja lá o que isso for), mas pego naquele vestido midi, estampado e fluido. Foi qualquer coisa que me acertou, como se o cupido tivesse desistido do amor e se tivesse mudado de arco e flechas para os domínios da fast fashion. Só pode ter sido ele, com o seu ar tão angelical e caracóis loiros perfeitos, a espetar-me uma seta na bochecha esquerda do rabo e a provocar-me esta coisa que costumo comparar a cegueira momentânea. De repente, sempre precisei do vestido, só não estava na lista por acaso, até porque nem tenho nenhum assim com estes botões nas mangas. Imagino-o com as botas cowboy, depois com as de cano alto, depois com aquele blazer vintage. Per-fei-to. Este é "o" vestido. Como é que vivi até hoje sem ele? O provador aprova, e também aquela amiga para quem já enviei dez fotos de dez ângulos diferentes (e que vou reanalisar exaustivamente no caminho para casa). Se não houver fila para pagar, não tenho de lidar com laivos de lucidez. Se houver, talvez a minha consciência me consiga recordar que tenho três vestidos idênticos. “Só que esses não são novos, oh consciência.”

 

A moral da história é que gostamos de coisas novas porque são novas. Não somos só nós, pessoas que sobrevivem a este tipo de episódios relatados acima, que o dizemos. Há estudos que o comprovam, claro, mas melhor que isso há as listas de espera virtuais que se formam quando: um novo iPhone quase igual ao anterior está prestes a ter data de lançamento anunciada; uma Birkin é usada por Kim Kardashian; um novo batom com dedo de Fenty Beauty by Rihanna chega às prateleiras da Sephora; aqueles sapatos que estavam esgotados e que provavelmente magoam os pés voltam a estar disponíveis em quantidades limitadíssimas; e a lista continuaria. Porquê? Porque é novo e se é novo tenho de ter, gritamos todos ao mesmo tempo. 

“O atual modelo socioeconómico está empenhado em fazer crer que os bens materiais vão proporcionar a felicidade tão ansiada e, perante qualquer novidade, muitas pessoas desenvolvem desejo”, explica a psicóloga Sónia Gravanito. E nem interessa muito se a tal novidade é de facto uma necessidade. “Os nossos valores tendem a apoiar-se no ‘tens tanto, vales tanto’, são estabelecidos padrões de consumo onde o produto da moda tem função de integração social e, como todos precisamos de pertencer, fazemos de tudo para pensarmos, desejarmos e atuarmos de forma a nos movermos em sintonia com as exigências e expetativas das pessoas e grupos aos quais queremos pertencer.” Bingo. 

"As coisas novas trazem-nos sensações, dão-nos entusiasmo, fazem-nos sentir. É essa busca externa de preenchimento e de felicidade, mesmo que momentaneamente, que nos faz sentir vivos.”

Aquela do “visto-me para mim”? É quase sempre treta (e também funciona ao contrário, quando nos vestimos de forma inusitada para dizer que não queremos pertencer a grupo nenhum). Se não fosse assim, talvez nos bastassem três pares de calças, cinco malhas, um fato, um sobretudo e um cachecol de caxemira para sobrevivermos a este inverno (um cenário terrível, eu sei). Compraríamos por necessidade e não por “necessidade” e nunca ninguém ia fazer uma piada sarcástica depois de dizermos “preciso mesmo disto”. Num artigo online da Time em que se analisa o porquê de comprarmos roupa que nunca vamos usar, o autor dizia o seguinte: “Quando compramos, visualizamos o nosso futuro eu. É por isso que tantas pessoas adoram fazer compras – é um exercício de preparação. Comprar estimula a nossa imaginação. À medida que deliberamos sobre diferentes itens, imaginamos como é que os outros vão responder, como nos vamos sentir enquanto o usamos.” Que é como quem diz: imaginamos como aquela peça que até há bem pouco tempo tinha uma etiqueta pendurada nos vai fazer sentir em relação aos outros, quantos elogios vamos angariar, quantas cabeças vamos fazer virar, ao entrar na sala, tão seguras, tão confiantes, tão perfumadas de novidade.

 

 

“As coisas novas trazem-nos sensações, dão-nos entusiasmo, fazem-nos sentir. É essa busca externa de preenchimento e de felicidade, mesmo que momentaneamente, que nos faz sentir vivos”, diz Sónia. E só podia, se até libertamos dopamina, a hormona do prazer, quando tomamos a decisão de comprar mais qualquer coisa não necessariamente necessária. Eu chamo-lhe cegueira momentânea, mas a psicóloga Kit Yarrow (uma expert em consumismo e a autora do livro Decoding the New Consumer Mind: How and Why We Shop and Buy) prefere compará-lo a estar sob o efeito de álcool ou drogas. “No instante em que decidimos comprar, sentimo-nos bem e há um pico de emoções positivas. Mas, de seguida, à semelhança do que acontece com um toxicodependente ou um alcoólico, podem existir sentimentos de culpa extrema. Precisamos de mais. Precisamos de ter mais. Precisamos desse pico mais uma vez. Temos de regressar para ter mais”, disse em entrevista ao site da BBC. Não é que a Black Friday não nos tenha dado sinais suficientes daquilo que a humanidade está disposta a fazer por uma televisão com 10% de desconto, mas porque é que ninguém nos disse que a novidade era tão altamente viciante? 

"O que se valoriza é o que ainda não se tem, e assim a novidade inicial rapidamente caduca e passa-se à frente, constrói-se um novo desejo a alcançar nesta busca incessante em que nada é suficiente.”

Gostamos de coisas novas porque são novas. Aquele vestido só é um espanto até ao momento em que o enxotamos pela primeira vez para dentro do cesto da roupa suja. A segunda vez não é como a primeira e até podemos gostar mesmo dele, por aquilo que ele é, mas a cada lavagem, a cada nova compra, lá se vai mais um bocadinho do amor que nutríamos, um amor que transportamos sem pensar duas vezes para outra coisa qualquer que venha  numa embalagem imaculada. “O que se valoriza é o que ainda não se tem, e assim a novidade inicial rapidamente caduca e passa-se à frente, constrói-se um novo desejo a alcançar nesta busca incessante em que nada é suficiente”, explica Sónia. Aquele carrinho de compras virtual a rebentar pelas costuras não serve apenas para guardar o que temos debaixo de olho, mas também para nos dar uma falsa sensação de poder – e lá estamos nós a imaginar o nosso futuro eu. 

Vestidos podem ser um dos guilty pleasures da autora deste texto, mas quem fala em vestidos fala naquele gadget de última geração, de uma nova cor de cabelo, daquele novo restaurante do momento, de um novo amigo, de uma nova experiência (qual seria a piada de saltar de para-quedas todas as semanas?). Só precisa de ser novo, se até no amor reparamos corações partidos com o que vem a seguir. A novidade não o seria se não fosse passageira e é exatamente esse o seu encanto: ela desaparece tão rápido quanto chega. E isso só é mau se deixarmos. Afinal de contas, a novidade também nos faz sentir em movimento, diz-nos que não estagnámos ainda, que não temos medo de correr riscos, que estamos prontos para o que der e vier, e que somos uma espécie de agentes de mudança. Agente de mudança – sempre me soa melhor do que “viciada em compras”. 

 

Artigo originalmente publicado na edição de janeiro de 2019 da Vogue Portugal.

Artigos Relacionados

Tendências 29. 1. 2019

Porque é que os designers estão a reinterpretar os seus grandes hits?

A Moda tem ressuscitado inúmeras peças dos arquivos. A Vogue foi investigar o porquê.

Ler mais

Tendências 25. 1. 2019

Estamos perante o potencial regresso das calças de cintura descaída

Prepare-se para um novo low point: os jeans podem estar subtilmente a baixar de nível. Na cintura, digo.

Ler mais

Tendências 17. 1. 2019

As razões para o inesperado ressurgimento da Alta-Costura

Contrariando a crença popular de que a Alta-Costura havia sido banida para os livros de História, a Balmain vai regressar a este universo e a Celine deverá fazer o mesmo. Mas porquê agora? A Vogue investigou a questão.

Ler mais

Tendências 15. 1. 2019

Home alone

O mesmo teto e as mesmas histórias, a mesma vida partilhada no silêncio do desencontro de corações.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK