Artigo Anterior

Nas bancas: Vogue junho 2018

Próximo Artigo

O amor e um museu

Curiosidades 14. 6. 2018

Amor aos bairros, amor a Lisboa

by Mónica Bozinoski

 

1932, Lisboa. Em pleno regime Salazarista, a capital do país enchia-se, pela primeira vez, com as mil cores, cantigas e coreografias das Marchas Populares. No início dos anos 70, pela sua associação ao Estado Novo, a tradição entrou em declínio para, nos anos 80, regressar ao coração da cidade, em plena Avenida da Liberdade. Das histórias de outros tempos à realidade dos nossos dias, este é o espírito de quem marcha na Lisboa de 2018. Fotografia: Tomás Monteiro. 

©Tomás Monteiro

Se é verdade que a tradição faz o povo, é igualmente verdade que o povo faz a tradição: e as Marchas Populares são o ponto onde o imaginário português se encontra com aqueles que não deixam morrer a memória daquilo que é verdadeiramente nosso. No passado dia 12 de junho, como acontece todos os anos desde 1932, as marchas tomaram de assalto a Avenida da Liberdade para, passo a passo, encherem a cidade de Lisboa com o espírito típico dos bairros, a energia contagiante das suas canções e coreografias, e a vivacidade das cores com que se pinta o sonho de miúdos e graúdos. 

Podíamos escrever o mundo sobre os marchantes que, com os seus trajes e os seus arcos, representam os bairros com o coração nas mãos, num reflexo autêntico da verdadeira alma lisboeta, mas encontrámos a expressão máxima da emoção das Marchas Populares nestes quatro versos de Norberto de Araújo, interpretados pela voz de Amália Rodrigues: 

Enquanto os bairros cantarem, 

Enquanto houver arraiais, 

Enquanto houver Santo António, 

Lisboa não morre.

Num retrato puro, entre o orgulho e a inocência, a prova destas palavras está na lente de Tomás Monteiro, que levou a Vogue até às Marchas Populares de 2018.

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 12. 6. 2018

Portuguesa, com certeza

Entre a energia dos arraiais, o aroma dos manjericos e as mil cores com que se pinta o país no mês de junho, sabemos que não há Santos sem sardinhas.

Ler mais

Eventos 20. 11. 2017

A mulher das várias faces

Inaugurou este fim de semana no MU.SA a exposição que reúne mais de 100 retratos de Isabelle Huppert. A atriz francesa esteve presente na cerimónia de abertura, e Tomás Monteiro também para captar esses momentos em exclusivo para a Vogue.

Ler mais

Eventos 6. 10. 2017

Vogue Party pela lente de Tomás Monteiro

A festa da Vogue, ontem à noite, contou com o testemunho ocular do fotógrafo Tomás Monteiro. Mas também com o verbal.

Ler mais

Entrevistas 24. 6. 2017

O meu bairro é o mundo

De bairro em bairro, numa Lisboa em plena mudança, decidimos falar com pessoas que vivem a cidade intensamente.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK