Moda   Tendências  

Partilharia o seu guarda-roupa com um estranho?

28 May 2021
By Divya Bala

De guarda-roupa partilhado ao empréstimo de roupa entre pares, os amantes de Moda estão a encontrar maneiras inovadoras para a socialização virtual.

De guarda-roupa partilhado ao empréstimo de roupa entre pares, os amantes de Moda estão a encontrar maneiras inovadoras para a socialização virtual.

Paris SS21 Day 2 by STYLEDUMONDE
Paris SS21 Day 2 by STYLEDUMONDE

Em 2017, as empresárias nova-iorquinas Violet Gross e Merri Smith, que havia trabalhado em marketing na loja Saks Fifth Avenue, co-fundou a aplicação de empréstimo de roupa "peer-to-peer" (P2P) Tulerie, que se descreveu como uma "comunidade de partilha de guarda-roupa".

A ideia surgiu quando uma amiga de Gross, que trabalhava com moda, nem sempre se podia dar ao luxo de se vestir da maneira que queria, e muitas vezes comprava high street ou a pedia emprestado a amigos. Passado algum tempo, a amiga perguntou a Gross se lhe podia pagar pelos artigos que lhe pedia emprestado e, embora Gross tenha recusado porque via isso como algo que os amigos fazem uns pelos outros, isso fê-la pensar: "Porque é que só se deve pedir Moda emprestada aos amigos?"

Nos últimos anos, o mercado global de aluguer de roupa online explodiu e prevê-se que atinja um valor de mais de 2 mil milhões de dólares até 2025. A par das plataformas B2C (business-to-consumer), tais como Rent The Runway, que trabalham com um inventário de peças frequentemente centrado em itens únicos, tem havido um aumento das aplicações P2P, tais como a Tulerie, a Nuw ,com sede em Dublin, e a Designer-24, com sede nos Emirados Árabes Unidos, que permitem aos utilizadores alugarem o espectro completo dos seus roupeiros uns aos outros. 

A Tulerie, por exemplo, tem artigos em que os preços variam entre as centenas e os milhares - pense em malhas Chanel, carteiras Céline, da era Phoebe Philo, e carteiras Dior com monogramas, até artigos mais acessíveis, tais como os hoodies Vetements x Champion e tops de algodão Cecilie Bahnsen. Enquanto os vestidos são o artigo número um (logo seguido por camisolas), "estes são vestidos que usarias para um brunch ou jantar, não necessariamente um casamento", explica Gross. "Queremos realmente que as pessoas expandam as suas mentes e pensem mais 'diariamente' do que 'ocasião especial'. É apenas mais uma forma de se vestir para uma reunião ou para o aniversário de um amigo". 

Estabelecer uma comunidade através do vestuário

Para aqueles que procuram juntar-se à Tulerie, os artigos mais procurados incluem qualquer coisa com cores brilhantes, carteiras Bottega Veneta e qualquer coisa Jacquemus. Igualmente importante é o espírito comunitário. "Fazemos FaceTime com cada um dos candidatos", conta Gross. "Dá-nos a oportunidade de dizer: 'Escuta, se derramares ou rasgares alguma coisa, já não estás na nossa comunidade'. Pode ter o armário mais caro e as coisas mais caras, mas se não vai tratar os objetos com respeito, então não tem valor para nós".

Do mesmo modo, para a By Rotation, a primeira aplicação de aluguer de moda do mundo, a mentalidade de comunidade é primordial. Tendo atingido a marca dos 50.000 utilizadores este mês, a interface funciona com as classificações e reviews de um utilizador para manter os clientes informados sobre o perfil de um utilizador, ao mesmo tempo que oferece os benefícios de desbloquear artigos de grande valor. Por exemplo, um primeiro utilizador ainda não teria ganho o privilégio de alugar um item com um valor superior a 1.000 libras sem receber pelo menos uma única review positiva. 

De acordo com Eshita Kabra-Davies, nomeada recentemente como uma das 30 under 30 da revista Forbes como sendo a fundadora da Rotation, há uma vasta gama de pessoas na aplicação, desde estudantes, professores, banqueiros e advogados até elementos da família real (Lady Amelia Windsor), atores (Karla-Simone Spence) e influencers (Camille Charriere, Hannah Strafford-Taylor). 

"Todos são muito respeitosos", diz Kabra-Davies. "Quando se aluga um artigo, é preciso comunicar com o emprestador para lhes dar o contexto da marca, por exemplo, 'Adorava pedir emprestado um vestido Vampire's Wife para um casamento'. Cabe ao emprestador decidir se aceita ou rejeita o pedido. Acabei por fazer bastantes amigos ao conhecer algumas destas mulheres nestas apps e, consequentemente, voltat a alugar a roupa delas. Estamos a perceber que se estão a formar amizades entre os membros. É como ter aquele guarda-roupa alargado de um conhecido".

Embora estas aplicações tenham criado um espaço para socializar virtualmente durante a pandemia, tiveram de adaptar rapidamente os seus procedimentos aos tempos que vivemos. A Tulerie implementou uma pena de não-cancelamento e encorajou os utilizadores a serem transparentes sobre a sua saúde, por exemplo, já a By Rotation informou os membros das diretrizes de segurança da Covid-19, aplicando uma regra rigorosa de "limpeza antes de enviar e devolver" e uma parceria com a Oxy Wash, um serviço de limpeza especializado e eco-consciente oferecido aos utilizadores com um código de desconto. Os artigos são também encorajados a serem trocados através de serviços de entrega em vez de pessoalmente.

As virtudes de um armário comum

Com uma média de 40% de roupa pendurada, não usada, nos nossos armários, só na Europa, o empréstimo P2P apresenta uma oportunidade de reduzir o consumo e o desperdício. Como explica Kabra-Davies, a mudança para um guarda-roupa efémero e partilhado não só teve impacto no seu estilo, como também nas suas escolhas de compra. "Posso seguir os artigos que enumerei no meu perfil e enumero tudo o que compro, e reparei que tenho comprado peças com maior qualidade do que antes. Agora, compro em média duas peças a cada seis semanas - quando trabalhava em finanças, comprava três ou quatro vezes isso. Por isso, tornei-me muito mais consciente a nível pessoal. Será que todos precisamos de ter o mesmo vestido? Ou podemos partilhar?" 

Há também os benefícios financeiros. "Acabámos de ter uma transação em que um utilizador emprestou um vestido três vezes e acabou por recuperar 85% do seu preço de retalho", explica Kabra-Davies. "Procurei o mesmo vestido online e estava a vender por 50% do preço de retalho, por isso, com as taxas de venda, ela só teria recebido 35% do preço." 

Com a possibilidade de alugar uma peça no futuro, não só somos obrigados a considerar melhores cuidados com a roupa, mas também a qualidade daquilo que compramos em primeiro lugar. Do mesmo modo, o aluguer garante que um item tem muito mais probabilidades de atingir a marca #30Wears (uma iniciativa do movimento slow fashion, centrado no consumo consciente). 

"As pessoas mudaram realmente a forma como estão a gastar dinheiro", diz Violet Gross. "As pessoas querem mais experiências do que coisas e estão cada vez mais habituadas a partilhar e não a possuir, quer se trate de apartamentos, escritórios, carros ou mesmo animais de estimação. Acreditamos que a roupa seja a próxima etapa."

Divya Bala By Divya Bala

Relacionados


Inspiring Women  

Iris Apfel: "Acho que um sentido de deslumbramento é absolutamente imperativo"

02 Mar 2024

Inspiring Women   Lifestyle  

Dia da mulher | 5 séries sobre mulheres, para todos

01 Mar 2024

Moda   Coleções  

MFW outono/inverno 2024 | Na Semana de Moda de Milão, o jogo de cadeiras não pára

29 Feb 2024

Tendências  

Nailed it

29 Feb 2024