Artigo Anterior

As razões para o inesperado ressurgimento da Alta-Costura

Próximo Artigo

Estamos perante o potencial regresso das calças de cintura descaída

Tendências 17. 1. 2019

Os melhores momentos da Alta-Costura

by Rui Matos

 

Paris - entre toda a sua excentricidade e glamour muito característico - é palco da Semana de Moda de Alta-Costura, onde, duas vezes por ano, os membros da Fédération de la Haute Couture et de la Mode apresentam as propostas para a estação que se aproxima. Nestas passerelles é a criatividade e o trabalho técnico que reinam e, como seria expectável, ao longo dos anos a haute couture proporcionou vários momentos que merecem ser recordados. 

Russian Collection, Yves Saint Laurent, outono/inverno 1976

“Uma coleção revolucionária que mudou o curso da Moda no mundo,” foi assim que o New York Times se referiu à estação fria do criador francês. Yves sempre foi disruptivo, as suas coleções bebiam de diversas inspirações, desde os Souks de Marraquexe aos padrões africanos. Para a estação fria de '76, Saint Laurent viajou até à Ópera e às bailarinas de ballet russas para criar uma coleção muito própria, mas ao mesmo tempo muito ampla pela diversidade de inspirações e cultura que cada coordenado encerrava em si. 

Mugler, primavera/verão 1997

designer francês já vestiu as suas modelos com looks inspirados em veículos (primavera/verão 1992) e, na Alta-Costura para o outono/inverno 1995, foram os robôs que tomaram conta da sua inspiração. Mas, em 1997, o livro A Metamorfose de Kafka foi o ponto de partida para uma coleção dramática com silhuetas bem demarcadas e muitos apontamentos fortes que fizeram desta passerelle uma das mais memoráveis do criador. 

Dior, primavera/verão 1998

A magia está também intrínseca nestes desfiles e John Galliano sabe uma ou duas coisas nesse departamento. Não muito tempo depois de entrar pela porta grande da Maison, o criador viajou até aos bailes imponentes do século XX para apresentar as propostas para o verão de 98, um desfile que aconteceu na escadaria da Opéra Garnier, em Paris. 

Jean Paul Gaultier, outono/inverno 2002

Nem só de vestidos megalómanos se faz uma passerelle de couture, a alfaiataria é também reconhecida e Gaultier sabe muito bem como trabalhar esse formato. Em 2002, o francês vestiu mulheres com looks tipicamente masculinos, como forma de desafiar os estereótipos de género. Para acompanhar esta apresentação, quem esteve dentro da sala de desfiles recebeu headphones para que pudesse ouvir excertos da obra erótica The Story of O.  

Maison Martin Margiela, outono/inverno 2012

Ser-se extravagante é condição comum no universo da Alta-Costura e a Maison Martin Margiela é perita em surpreender. As coisas não foram diferentes em 2012 quando a Casa apresentou máscaras que cobriam a face toda com joias, um trabalho manual exímio.

Viktor & Rolf, outono/inverno 2015

Depois de descontinuar a linha de pronto-a-vestir, para se focar inteiramente na linha de Alta-Costura, a dupla pegou em obras de arte e transformou-as em roupa. Wearable Art, como não poderia deixar de ser, foi o título desta coleção que recebeu louvores por parte da crítica e de todos aqueles que assistiram ao desfile. 

© Getty Images

Chanel, outono/inverno 2015

Karl Lagerfeld surpreende a cada nova estação, seja pela forma como reinterpreta o tweed, seja pelos cenários que ergue no Grand Palais. Em 2015, montou um casino, que se viria a tornar num dos momentos mais memoráveis da haute couture. Enquanto Lara Stone, Julianne Moore e Kristen Stewart jogavam poker, os modelos da nova coleção eram apresentados. Mais tarde, o designer alemão afirmou que a ligação que o casino tinha com a sua profissão prendia-se com o facto de sentir que estava sempre a apostar ao desvendar novas silhuetas. 

© Getty Images

Iris Van Herpen, outono/inverno 2016

Combinar haute couture com tecnologia é uma das mais valias de Van Herpen, que surpreende a cada estação com as suas propostas esteticamente aprazíveis. Em 2016, inspirou-se na cimática - estudo da representação visual das ondas sonoras - e o resultado foi surpreendente pela forma como a designer se propôs a apresentar o tema. Não é de admirar que Iris tenha feito um estágio com Alexander McQueen, o mestre do dramatismo. 

© Getty Images

Artigos Relacionados

Tendências 17. 1. 2019

As razões para o inesperado ressurgimento da Alta-Costura

Contrariando a crença popular de que a Alta-Costura havia sido banida para os livros de História, a Balmain vai regressar a este universo e a Celine deverá fazer o mesmo. Mas porquê agora? A Vogue investigou a questão.

Ler mais

Entrevistas 21. 12. 2018

Stylists de Hollywood falam sobre a estratégia por trás de um look de red carpet

Qual o segredo em criar um look de red carpet que se destaque? Três dos melhores stylists de Hollywood revelam o processo à Vogue.

Ler mais

Entrevistas 11. 12. 2018

Exclusivo Vogue: Pierpaolo Piccioli, Designer do Ano nos Fashion Awards

Pierpaolo Piccioli arrecadou o prémio de 'Designer of the Year' na mais recente edição dos Fashion Awards britânicos. A Vogue conversou em exclusivo com o criador italiano sobre a sua visão e imaginação enquanto criativo na Valentino.

Ler mais

Coleções 5. 12. 2018

Chanel Métiers d’Art 2019

Com toda a mestria e savoir-faire que a Maison francesa já acostumou os seus seguidores, a Chanel voou até Nova Iorque e, no Museu Metropolitano da cidade, apresentou mais uma coleção Métiers d’Art.

Ler mais

Coleções 3. 7. 2018

Chanel: Alta-Costura, outono/inverno 2018

Tradicional na forma e excelente no trabalho confecionado em estúdio, o criador alemão mostrou, uma vez mais, que imaginação não lhe falta, seja na arte de criar coordenados, seja nos cenários.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK