Inspiring Women  

A história dos superpoderes do batom vermelho

19 Jul 2018
By Irina Chitas

O Spider Man foi picado por uma aranha. O Capitão América era demasiado ingénuo e foi moldado em Super Soldado pelo Governo. O Batman era um milionário privilegiado que ficou órfão. Cada Superherói tem um gatilho que lhe faz explodir os superpoderes e, acreditem em nós, não é frívolo dizer que o batom vermelho pode ser o botão de impulso das mulheres.

O Spider Man foi picado por uma aranha. O Capitão América era demasiado ingénuo e foi moldado em Super Soldado pelo Governo. O Batman era um milionário privilegiado que ficou órfão. Cada Superherói tem um gatilho que lhe faz explodir os superpoderes e, acreditem em nós, não é frívolo dizer que o batom vermelho pode ser o botão de impulso das mulheres.

Marilyn Monroe, 1954 © Getty Images
Marilyn Monroe, 1954 © Getty Images

Até porque está cientificamente provado que os tons rubi não são só extremamente bonitos. São fortes, são impactantes, são inesquecíveis.

Parece exagero? Claro que sim.

Tudo o que está intensamente ligado à feminilidade é automaticamente conotado como superficial, mas sabia que, por exemplo, num inquérito do The New York Post, 78,8% das mulheres considerou que o batom vermelho as tornava mais confiantes? E que um estudo promovido pela divisão de investigação da Chanel em parceria com Gettysburg College provou que uma mulher com batom vermelho parece automaticamente mais nova? Ah, e também que uma investigação conduzida pela Procter & Gamble e Harvard chegou à conclusão que as mulheres que usam maquilhagem arrojada no trabalho transmitem a imagem de uma maior competência e, ao mesmo tempo, são também percebidas como mais simpáticas?

Sim, o batom vermelho serve para muito mais do que tornar as selfies melhores (também isto foi cientificamente investigado pela CoverGirl e Harvard). Mas qualquer mulher que o coloque não precisa que uma equipa de cientistas de bata branca lhe valide as escolhas. Aplicar batom vermelho é como injetar um boost de confiança. É empowerment em stick. Pode servir para melhorar aqueles dias em que acordamos #flawless ou arrebitar as manhãs de segunda feira com as quais não sabemos lidar. 

Toda a falsa tensão que se gera entre a missão de empoderamento feminino e os símbolos de beleza - muito porque tudo o que é conotado com a mulher angariou o sinónimo de leviano - tem de ser posta de lado, porque o empoderamento começa como uma força individual e se o batom vermelho for a nossa pintura de guerra, ninguém tem o direito de achar que não nos preocupamos com as problemáticas da irmandade. Pelo amor da deusa, até o tom de vermelho do batom é uma decisão pessoal e intransmissível. 

A história conta-nos isso, com todos os capítulos. Desde aqueles em que ainda não há memória às noites dos dias de hoje, em que tiramos o batom da carteira, passamo-lo nos lábios e sabemos que vai correr tudo bem. 

Busto de Nefertiti em exposição em Berlim © Getty Images
Busto de Nefertiti em exposição em Berlim © Getty Images

Se estávamos em 1370 A.C. e até Nefertiti tingia os lábios com uma mistura feita de besouros esmagados, sabemos que o batom vermelho não é uma obsessão da contemporaneidade. Também sabemos que os ícones de estilo não têm idade. 

Cate Blanchett em 'Elizabeth', 1998 © D.R.
Cate Blanchett em 'Elizabeth', 1998 © D.R.

Isabel I. Símbolo máximo de poder e independência feminina. Carregou a Inglaterra do século XVII às costas, mas enquanto o fazia, estava perfeitamente maquilhada. Infelizmente não podemos dizer que a investigação e tecnologia de Beleza estivesse particularmente avançada, porque o batom era produzido a partir de sulfito de mercúrio tóxico, e a base era feita com chumbo e vinagre. Pronto, talvez a rainha tenha morrido de envenenamento do sangue. E talvez muita gente culpe os cosméticos. Mas hey, Inglaterra sobreviveu. Também é verdade que, um século depois, a aristocracia não tinha uma relação pacífica com a maquilhagem e que, em 1770, o governo aprovou uma lei que criminalizava o batom com base no facto de "as mulheres serão culpadas de seduzir os homens para o matrimónio por meios cosméticos e poderão ser acusadas de bruxaria". Isto é a sério. Valha-nos França, que achava piada ao contraste entre os lábios rubi e a pele de porcelana.

Clara Bow, 1928 © Getty Images
Clara Bow, 1928 © Getty Images

Se pularmos no tempo até ao início do século XX, em 1912 Nova Iorque enchia-se de sufragistas de batom vermelho, contra a opressão masculina que olhava de lado a cor nos lábios das mulheres. O cinema ajudou à rebelião, com atrizes de bocas escuras que, por sua vez, incentivavam outras mulheres a copiar o look. Clara Bow e Mae Murray primeiro, e depois chegou a Vogue que declarou, em 1933, o batom como "o cosmético mais importante para as mulheres". Nem com a Grande Depressão a todo o gás as vendas de cosméticos desceram. Os economistas chamaram-lhe "O Efeito Batom", que ilustrava o facto de, em períodos de constrangimento social e/ou económico, as mulheres continuarem a comprar pequenos bens que as fizessem sentir bem consigo próprias. Relatable.

Campanha Elizabeth Arden, 1941
Campanha Elizabeth Arden, 1941

Durante a Segunda Grande Guerra, "O Efeito Batom" adensa-se. As campanhas de publicidade das empresas de cosméticos chegaram carregadas de significado político. Na América, o Victory Red estava em todos os cartazes e o vermelho estava em todos os lábios. As mulheres eram encorajadas a tratar de si, a usar a Beleza como mais uma das suas atividades cívicas. A Beleza não escolhia idades, muito menos tempos e ainda menos vontades.

Campanha Revlon, 1952
Campanha Revlon, 1952

Os anos 50. Os anos das divas. Agora sim, o batom vermelho estava em todo o lado. A campanha da Revlon, Fire and Ice, que encorajava as mulheres a descobrir o seu tom de vermelho e a aplicá-lo tanto nos lábios como nas unhas foi uma das campanhas publicitárias de Beleza mais eficazes da história. É claro que ajudava ter Marilyn Monroe e Elizabeth Taylor, com os seus lábios rubi, em todas as páginas de jornais e revistas, em todos os ecrãs. 

Liza Minnelli em 'Cabaret', 1972
Liza Minnelli em 'Cabaret', 1972

Quando a década de 60 chegou, o entusiasmo diminuiu. O look natural era primordial, e se o batom vermelho se havia tornado o símbolo máximo da feminilidade, quando a Moda era a juventude suprema o batom ficava na gaveta. Os movimentos feministas também não estavam contentes com a performance do produto de Beleza, por acharem que o seu único propósito era agradar o patriarcado, e o batom esmoreceu. Sorte a nossa que logo a seguir o glamour conheceu os anos 70, o Studio 54, o brilho, as festas. As subculturas ligavam-no agora ao punk, ao disco. Era usado por mulheres e por homens. Era democrático. Era liberdade.

Sade Adu, 1984 © Getty Images
Sade Adu, 1984 © Getty Images

Com a explosão de cor dos anos 80, o escarlate ficou. Madonna usou-o e abusou-o, Sade tornou-o cool, Courtney Love tornou-o trashy. Voltou a haver um batom para cada mulher, para cada humor, para cada look. O feminismo encarou-o como arma outra vez, incentivando as mulheres a gostar da sua identidade, a gozar a sua feminilidade ao máximo.

Ainda que a década de 90 nos tenha apresentado o castanho, o rubi nunca esmoreceu. Era elegância, classe e amor.

Gwen Stefani, 2001 © Getty Images
Gwen Stefani, 2001 © Getty Images

A partir daqui, não houve espaço para voltar atrás. Imagem de marca de umas, arma secreta de outras, é inevitável pensar no batom vermelho tanto como o nosso porto seguro como no nosso tiro fatal. Não há género no batom, não há juizos de valor, não há peso político. Há individualidade e amor, e essas são das melhores coisas que podemos pedir a este mundo.

Irina Chitas By Irina Chitas

Relacionados


Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024

Compras   Roteiro  

As melhores lojas vintage da Europa

22 May 2024

Moda  

For life

22 May 2024