Artigo Anterior

O espetáculo de Jean Paul Gaultier

Próximo Artigo

Vamos deixar de ver fumadores nos filmes franceses?

White Ribbon for Women: vozes da Moda dizem "Basta" à violência contra as mulheres

Notícias 20. 11. 2017

by Sara Andrade

 

Embaixadores de renome juntam-se à 6ª edição da campanha White Ribbon for Women, da Kering Foundation, para encorajar a geração contemporânea a parar com a violência contra as mulheres.

Para este ano, os carismáticos diretores criativos da Gucci (Alessandro Michele), Stella McCartney (Stella McCartney), Joseph Altuzarra (Joseph Altuzarra), Christopher Kane (Christopher Kane) e Qeelin (Dennis Chan), aliados a Salma Hayek Pinault, Board Director da Kering Foundation, e a uma série de digital influencers, juntam-se para quebrar o silêncio e criar consciência para acabar com a violência contra raparigas e mulheres numa campanha que decorre de 20 a 25 de novembro.

O movimento digital #ICouldHaveBeen e o novo website ICouldHaveBeen.org são o centro desta iniciativa, que pede ao público em geral e especificamente à geração Z, o público-alvo, para se imaginarem no papel de uma vítima de violência - no papel de cada uma em três mulheres que é vítima de violência.

Através de ICouldHaveBeen.org, a Kering Foundation vai pedir aos que não nasceram do sexo feminino que nome teriam caso os pais tivessem tido uma menina - ou, em alternativa, colocando o nome de uma irmã, da mãe, de uma amiga... Em paralelo, as mulheres são chamadas a unir-se em solidariedade com as sobreviventes, tomando o HER (ela) como nome próprio e desafiando o género masculino a juntar-se ao projeto. O intuito é mostrar aos utilizadores a violência que poderiam ter vivenciado enquanto elemento do sexo feminino e são convidados a partilhar o que aprenderam pelas redes sociais. Ainda que não se consiga imaginar o que uma vítima passa numa experiência destas sem a ter de facto vivido, o objetivo desta campanha é mostrar o aumento do risco de violência só porque se nasce com cromossoma X. 

François-Henri Pinault, Chairman & CEO da Kering, e Chairman da Kering Foundation, falou sobre o lançamento da campanha: "Nascer menina não deveria significar um maior risco de violência. Mas, infelizmente, é isso que acontece hoje em dia. Todos podíamos ter nascido mulheres, por isso, todos temos que assumir esta batalha. Uma batalha que estou orgulhoso de confrontar ao lado da Kering Foundation, as nossas casas e os seus designers, através da sexta campanha White Ribbon for Women".

A Kering Foundation vai ainda colaborar com jovens influenciadores em todo o globo, que protagonizaram a campanha ao lado destes diretores criativos. Através de uma série de curtas-metragens, estes jovens vão descobrir quem poderiam ter sido se tivessem nascido como menina e, ao mesmo tempo, apelam a outros jovens a juntar-se ao movimento #ICouldHaveBeen.

Apesar das fronteiras de género e progresso nos direitos das mulheres, a violência contra as raparigas e mulheres continua uma epidemia constante de geração para geração (1 em 10 raparigas em todo o mundo, entre os 15 e os 19 anos, foram forçadas a sexo nos últimos 12 meses). O objetivo central da campanha deste ano é fazer com que as gerações mais jovens, especialmente a geração Z e Y, ganhem mais consciência sobre o assunto, por forma a provocarem uma mudança profunda e sustentável nas mentalidades, comportamentos e culturas.

Tal como os embaixadores deste ano, a Kering Foundation desafia todas as mulheres a se juntarem ao movimento e se tornarem em HER.

Artigos Relacionados

Notícias 17. 10. 2017

Kering atribui prémios de sustentabilidade

Quatro estudantes do London College of Fashion foram premiadas com o Kering Award for Sustainable Fashion.

Ler mais

Notícias 12. 10. 2017

Gucci diz não à crueldade animal

A Gucci anunciou que vai banir o uso de peles das próximas coleções, a começar pela linha para a primavera de 2018.

Ler mais

Notícias 28. 9. 2017

Getty Images diz não a imagens retocadas

A Getty Images vai retirar as imagens com modelos que sejam retocadas para parecerem mais magras ou mais largas.

Ler mais

Notícias 7. 9. 2017

Gucci, Louis Vuitton e Dior dizem não às modelos demasiado magras

Os grupos LVMH e Kering, que englobam o grande número de marcas luxuosas, pretende mudar os atuais padrões da indústria, pondo fim à contratação de modelos demasiado magras.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK