Artigo Anterior

Paris em dose dupla

Próximo Artigo

Kevyn Aucoin, o rosto que mudou a Beleza

Notícias 27. 6. 2018

We care, do you?

by Mónica Bozinoski

 

Depois de apoiar as vítimas de Charlottesville e os mais diversos movimentos e organizações, seja na luta pelos direitos civis ou na missão contra o assédio sexual, a marca norte-americana Lipslut continua a redefinir o conceito de "put your money where your mouth is". 

©Lipslut

A história de Lipslut começa, simplesmente e resumidamente, da seguinte maneira: no dia da inauguração de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos da América, Katie Sones, uma estudante da Universidade Cal Poly, percebeu que, de alguma forma, era necessário agir. Quando olhou à sua volta, a fundadora da marca percebeu que a paixão pelo mundo da cosmética podia ser um veículo de ativismo social, iniciando assim um protesto sem filtros contra o panorama que atualmente se faz sentir nos Estados Unidos da América, especialmente dirigido às políticas de Trump. 

Assim nasceu F*uck Trump, um batom mate líquido num tom de rosa nude, com o objetivo de doar 50 por cento dos lucros a organizações de caridade e de defesa dos direitos civis, prejudicadas pela administração e pelas políticas do atual Presidente dos Estados Unidos da América. Com apenas um ano de existência, o produto com um conceito verdadeiramente revolucionário ajudou a angariar 40 mil dólares (sensivelmente 34 mil euros) para as vítimas do violento ataque de Charlottesville, que aconteceu durante uma manifestação na cidade do estado da Virgínia, em agosto de 2017. 

Poucos meses depois de criar F*uck Trump, e no despertar de movimentos como Time's Up, a marca de cosméticos norte-americana introduziu F*ck Hollywood, um batom líquido em vermelho vivo, com a missão de apoiar o trabalho de organizações contra o assédio sexual. Na compra deste batom, como acontece com F*uck Trump, é possível escolher a organização para a qual quer doar 50 por cento do valor do cosmético, num statement poderoso de que a indústria da Beleza não é um sinónimo de futilidade, mas antes uma das muitas formas de ajudar e apoiar causas maiores.

"Queremos que a Lipslut seja um movimento que as pessoas se sintam orgulhosas de apoiar", escreveu a marca em comunicado. "Com a ajuda de todos, acreditamos que podemos tornar a Lipslut num nome de referência para progressistas e conservadores, porém com motivações distintas. A partir daí, vamos usar a nossa plataforma para tornar o mundo melhor", podia ler-se nas declarações. A mais recente iniciativa da marca vegan e cruelty-free, não que restassem dúvidas, é uma prova deste ideal. Até ao dia 19 de julho, 100% dos lucros das compras do batom F*ck Trump serão revertidos para combater a mais recente política de tolerância zero de Donald Trump, apoiando assim as famílias de imigrantes que foram separadas na fronteira dos Estados Unidos da América. Depois da data, e seguindo um dos motes da marca, "50% pela caridade, 100% contra a tirania", metade do valor lucrado pela Lipslut com a venda dos batons F*ck Trump será doado a uma instituição de caridade, com a ajuda dos votos dos clientes no ato da compra. 

Num movimento de cosmética com consciência, e apesar de a marca só fazer shipping para os Estados Unidos da América, os batons F*ck Trump e F*ck Hollywood transmitem não só uma mensagem poderosa de igualdade e de justiça, como relembram a sociedade das grandes mudanças que ainda são necessárias, sejam elas em que ponto do globo forem. Como escreve a marca no próprio site, e porque um batom pode ser sempre mais do que um batom, "as tendências podem ir e voltar, mas acreditamos que questionar o mundo em que vivemos e trabalhar para uma sociedade melhor estará sempre in vogue". 

Artigos Relacionados

Notícias 25. 5. 2018

Harvey Weinstein entrega-se às autoridades

Na sequência do que serão duas acusações distintas formalmente apresentadas, o produtor entregou-se à polícia esta manhã, na cidade de Nova Iorque.

Ler mais

Notícias 22. 1. 2018

Women’s March 2018

Um ano depois da primeira edição da Women’s March, o feito repete-se. Viola Davis, Paris Jackson ou Amy Schumer são três das personalidades que não deixaram passar a data em branco.

Ler mais

Vídeos 8. 1. 2018

Os discursos mais inspiradores dos Golden Globes

Oprah Winfrey, Nicole Kidman ou Reese Witherspoon foram algumas das mulheres que usaram o poder da palavra para inspirar o mundo.

Ler mais

Notícias 15. 12. 2017

Award Season: o protesto

Para mostrar solidariedade para com as vítimas de abuso sexual, o género feminino veste-se de preto já no próximo dia 7 de janeiro, nos Golden Globe Awards.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK