Artigo Anterior

Euphoria: o regresso do lado sombrio de ser adolescente

Próximo Artigo

Matrix e a alegoria transgénero da saga

Tendências 26. 1. 2022

Walk of shame, mas sem vergonha

by Joana Rodrigues Stumpo

 

Uma noite bem passada vem sempre com a consequência da manhã seguinte. Isto é um guia para dominar o regresso a casa.

Trainwreck (2015)

Foi num encontro, beberam um cocktail e, quando deu conta, estava já dentro do Uber e prestes a ter umas horas divertidas passadas em boa companhia (isto no cenário ideal, porque já se sabe que no mundo dos encontros nada se pode tomar por garantido). E porque nunca pode assumir, não sabe exatamente onde passará o resto da noite: é suposto ficar a dormir em casa de outrem ou deverá arranjar forma de voltar a horas indecentes? Teve a vida facilitada - ofereceu-lhe uma sweatshirt, um par de calças e cama onde dormir. 

Depois de uma saída, às vezes é só um alívio não ter de se preocupar com ter de ir para casa, mas depois vem o problema da manhã seguinte. Está na casa de um desconhecido, a usar um pijama improvisado e tudo o que tem à mão são as roupas do dia anterior e a missão de voltar para casa (ou pior, para o trabalho): é o walk of shame. Mas atenção, de vergonhoso não tem nada. De qualquer forma, não deixa de ser desconfortável e um pouco constrangedor, por isso pensámos em algumas formas de se prevenir sem parecer presunçosa - imagine chegar a um encontro já com um kit para passar a noite?

Sapatos confortáveis

Já se sabe que queremos estar sempre na nossa melhor versão e a roupa que escolhemos é essencial para criar uma boa primeira impressão. Mesmo que o dress code seja casual, nunca nos apanham num encontro a usar calças de fato de treino e uma sweatshirt. Por isso é que é muito provável que tenhamos alguma tendência para ir de sapatos de salto alto (alongam a figura e só fazem as nossas curvas ficar inacreditáveis). Mesmo que não sejam necessariamente altos, talvez escolhamos um par de sapatos que, embora não sejam os mais confortáveis, ficam-nos bem - e sabemos isso. Agora, se vamos para um encontro em que já temos alguma expectativa de que corra bem e que acabe na casa de um dos dois, se calhar o melhor é jogar pelo seguro. Se sabemos que as botas que queremos usar nos vão garantidamente fazer bolhas nos pés, mais vale optar por um par de sapatos que nos consigam deixar aptas para andar no dia seguinte.

Kit básico

Idealmente, todas usamos carteiras enormes onde cabe tudo e mais alguma coisa (qual é a mulher que não gostava de ter um saco como o de Hermione Granger, que até estantes tinha?). Infelizmente, o estilo vem em primeiro lugar, o que nos deixa, muitas vezes, a usar uma carteira mini, onde pouco mais do que o essencial entra. Mas no caso dos encontros, o problema nem é o seu tamanho (já se sabe que não importa), é saber como ir prevenida sem parecer presunçosa. Não sabemos bem qual é a perspetiva que a outra parte tem quando se encontram pela primeira vez e aparecer com toda uma muda de roupa pode estragar logo a noite. Mas há pequenas coisas que podemos ter connosco que, se tudo correr bem, definitivamente ajudam a minimizar o fator constrangimento da manhã seguinte. Não há nada como uma escova de dentes (daquelas que se dobram e cabem em qualquer carteira) ou, em último caso, um pacote de pastilhas de menta para aliviar o hálito matinal. Para além disso, máscara de pestanas é um salva-vidas mesmo quando temos aquele ar de quem não dormiu nada.

Verificar maquilhagem

Chegamos a casa do/a sortudo/a, fazemos questão de tirar os sapatos, as meias e cada peça de roupa que levamos vestida, mas, no fim, a maquilhagem pode acabar por ser deixada para trás. Seja por cansaço (só queremos virar para o outro lado e dormir) ou plena preguiça - que também é totalmente válida e compreensível -, acabamos por passar a noite com a sombra, a máscara de pestanas e o eyeliner do dia anterior. Não é o fim do mundo, nem perto de trágico, apesar de já sabermos plenamente que a maquilhagem nunca deve passar de um dia para o outro. Mas acontece às melhores e o melhor a fazer é saber lidar com os estragos. Acordamos e a primeira coisa a fazer é olhar para a almofada: tem vestígios de máscara? O próximo - e derradeiro - passo é ir à casa de banho e enfrentar o espelho. Se os seus olhos fazem-na parecer como um guaxinim, com as olheiras completamente negras, então mais vale tirar tudo, mesmo que seja com o único sabonete disponível. Mas se vê que o que borrou é facilmente corrigido com um cotonete ou o canto do dedo e consegue sobreviver a mais um dia (ou até ao caminho até casa), sabe que investiu em produtos que valem a pena.

Manter as amigas a par

Sim, esta é uma dica que se deve pôr em prática mesmo antes das consequências da manhã seguinte. Já se sabe que, quando conhecemos alguém pela Internet e decidimos marcar um primeiro encontro, é preciso manter toda a segurança possível. Assim que saímos de casa, a primeira coisa a fazer é partilhar a localização com uma amiga - felizmente, a vigilância das redes sociais deixam-nos manter a partilha em direto durante horas a fio. Já vamos a meio do jantar ou durante os cocktails e percebemos qual será o nosso destino provável naquela noite: avisamos imediatamente alguém (aproveitamos para mencionar que o Whatsapp permite partilhar a localização live com alguém durante 8 horas). Mesmo no dia seguinte, podemos precisar de ajuda para chegar a casa, no cenário (im)provável de acordar numa ponta da cidade de onde não sabemos sair. Para além disso, é absolutamente essencial garantir que conservamos alguma bateria no telemóvel, ou, no melhor cenário, deixá-lo a carregar durante a noite - hoje não se vai a lado nenhum sem um smartphone.

Own it

Confidence is key. Constrangimento é psicológico. Sim, é fácil falar, mas a verdade é que não há nada de que ter vergonha. Aliás, se só estamos a voltar para casa na manhã seguinte, tudo aponta para que isso seja um sinal de uma noite bem passada. Claro, não queremos aparecer nas ruas da cidade com a maquilhagem borrada, a roupa enrugada e cara de sono. Mas isso não quer dizer que devemos colocar todo o nosso esforço para tentar mascarar e esconder o que aconteceu na noite anterior. Sexo casual não é razão para nos envergonhar - se para uns é uma vitória, para nós também é.

Keywords

sexo encontros dating

Artigos Relacionados

Curiosidades 16. 8. 2021

É o amor, estúpido!

Numa era em que cada vez é mais urgente viver, faz sentido continuarmos a ver o amor como uma viagem só de ida, sem escalas nem paragens pelo caminho? Se em 2015 os Unknown Mortal Orchestra cantavam sobre a relação poliamorosa do seu frontman, Ruban Nielson, agora voltamos às aulas para perceber qual é a fórmula certa para amar — ou se há sequer apenas uma.

Ler mais

Tendências 18. 1. 2021

O que é feito das cartas de amor?

Para onde foram as cartas de amor? Aliás, ainda se escrevem cartas de amor? E serão todas as cartas de amor mesmo ridículas? Ridículo é trocar uma carta de amor por um swipe right. Ou não?

Ler mais

Tendências 13. 2. 2020

Como é que a tecnologia transformou o amor

Nos últimos dez anos, apps como o Tinder, o Grindr e o Bumble, transformaram a maneira como conhecemos pessoas. Mas, pode o digital dating ser alguma vez comparado às relações que se formam offline?

Ler mais

Connected 10. 10. 2019

Cinco formas de criar bons hábitos digitais

A propósito do Dia Mundial da Saúde Mental, as autoras do livro Mixed Feelings: Exploring Modern Life and the Internet, One Discussion at a Time partilham cinco formas não radicais de quebrar a bolha digital, em prol da saúde mental.

Ler mais